Sudeste tem déficit habitacional de 3,1 milhões de residências

Em São Paulo, gasto excessivo com aluguel faz estado liderar falta de moraria com 1,7 milhão unidades e 56,8% do total do Sudeste.

Estudo encomendado pela Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) à Ecconit Consultoria Econômica, mostra que o déficit habitacional do Sudeste é o maior do país. A região sofre com a falta de 1.418.352 residências para atender a população. O Sudeste é a segunda região do país com maior deficiência de imóveis para atender a demanda reprimida, atrás do Nordeste, quando se observa o déficit reprimido (sem contar o ônus excessivo com aluguel).

Mas assume a liderança do ranking quando o gasto excessivo com aluguel (mais de 30% da renda da família) forma o déficit ampliado: 1.726.242 moradias estão na categoria do ônus, elevando o total de residências faltantes para 3.144.594 unidades. Desse total, 97% é de moradias faltantes para a população com renda de até 5 salários mínimos (totalizando 3.056.209 unidades habitacionais).

O presidente da Abrainc, Luiz Antonio França, observa que o déficit seria maior se o Sudeste não o tivesse reduzido em 888.621 unidades entre 2004 e 2019.

“Ao longo de 15 anos, o país reduziu o déficit em mais de 2 milhões de moradias. A redução reflete as políticas públicas de habitação para a população de baixa renda adotadas pelo Estado. É preciso reforçar e ampliar essas políticas para zerar o déficit habitacional brasileiro, bem como focar na redução dos juros do financiamento imobiliário para permitir que os mais pobres realizem o sonho da casa própria”, afirma.

França pondera, contudo, que o aumento do comprometimento da renda com aluguel fez o déficit ampliado nacional subir em 1,8 milhão de moradias entre 2004 e 2019, resultando em um saldo positivo global de apenas 193 mil unidades. A maior fatia do crescimento com o ônus ocorreu no Sudeste (43%), movimento iniciado a partir da crise econômica de 2014.

O estudo foi elaborado com base em dados do IBGE reunidos e analisados pela equipe da Ecconit, que é formadas pelos economistas Robson Gonçalves, Marco Capraro Brancher e Ana Maria Castelo.

Em 2019, a dimensão absoluta do déficit alcançou 7,797 milhões de unidades. Isso corresponde a 9,6% do total de domicílios existentes no país no ano. Desse universo, 3.345.809 unidades compõem o chamado ônus excessivo com aluguel.

O ônus excessivo saltou de 18,9% do total do déficit em 2004 para 42,9%, em 2019, puxado pela perda de renda pelo brasileiro – especialmente a partir de 2014.

O Sudeste é a região com maior peso do aluguel na composição do déficit (1.726.242 moradias na categoria). Seguida pelo Nordeste (748.429), Sul (403.458), Centro-Oeste (305.562) e o Norte (162.118). O Estado de São Paulo lidera o déficit de habitação tanto na região Sudeste como no país como um todo. Faltam 1.758.158 moradias para os paulistas, sendo que 97,7% se concentra em famílias com renda mensal de até cinco salários mínimos. O Rio de Janeiro é o segundo no ranking regional, com déficit total de 588.562 moradias. Na região, o estado fluminense apresenta a maior proporção na faixa de renda familiar de até cinco salários: 99,5% do total do déficit está concentrado nesse extrato econômico. Minas Gerais tem déficit de 354.992 morarias em todo o estado. Entre os mineiros, 99,43% desse universo de excluídos a casa própria têm renda familiar de até cinco salários mínimos. Já no Espírito Santo, o contingente de moradias em déficit é de 116.510. Os capixabas com renda familiar de até cinco mínimos representam 98,9% do déficit estadual.

O estudo da Abrainc-Ecconit faz uma projeção sobre a formação de novas famílias – incluindo “famílias unitárias”, representada pela crescente parcela de brasileiros vivendo sozinhos. Entre 2020 e 2030, calcula-se que 11,4 milhões de famílias surgirão. Se cada uma delas demandar um imóvel está será a demanda por moradias em todo o país. Familiar com renda de até 5 salários mínimos deve responder por 81% das que precisarão de uma nova residência até 2030.

O Sudeste deve demandar 38,1% das moradias necessárias para atender novas famílias, totalizando 4,35 milhões de unidades na próxima década. Em seguida, o Nordeste deve demandar 28,5% novas residências, o que presenta demanda por 3,252 milhões de unidades.

São Paulo deve ser o estado com maior demanda: 2.294 milhões (20,1% do total nacional). Seguido por Minas Gerais (998 mil moradias ou 8,7% do total do nacional), Rio de Janeiro (817 mil e 7,2%, respectivamente) e Espírito Santo (242 mil e 2,1%, respectivamente).

Leia mais:

Com alta do IGP-M, especialistas recomendam negociação do aluguel

Deputados vão discutir propostas para o déficit habitacional no Brasil

Artigos Relacionados

Juros em alta atrairão US$ 21 bilhões de capital especulativo

Banco Central melhora projeção de crescimento e ingresso de investimentos estrangeiros.

Alerj votará PL para assegurar correção salarial de servidores

Última reposição salarial para os servidores do estado foi em 2014.

Everardo Maciel: os projetos de reforma tributária são ruins

'Se querem diminuir a carga tributária de instituições financeiras e alguns setores industriais, vamos fazer a discussão sem agenda oculta'

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

ENS e Ministério da Agricultura fazem live para lançar curso gratuito

Live no dia 7 de julho terá a participação de representantes do MAPA e especialistas em agronegócio.

Carta Fabril lança o papel higiênico premium Cotton Folha Tripla

Novidade foi desenvolvida para levar mais maciez com preço justo ao consumidor

LDZ Escola abre curso de animação digital 2D da ToonBoom Animation

Arte digital e cultura nerd beneficiam saúde e qualidade de vida.

Vendas Club traz conteúdo exclusivo para todo o Brasil

Propósito é prestar serviço para profissionais se manterem atualizados sobre o cenário de vendas.

Imóveis comerciais: segmento deve reaquecer de forma gradual

Desaquecimento por imóveis comerciais ocorreu por causa do home office imposto pelas restrições sanitárias.