Suno anuncia estreia na bolsa de seu primeiro fundo de CRI

A Suno Asset, gestora de ativos do grupo Suno, anuncia que ocorrerá nesta sexta-feira (15) a estreia na bolsa de valores de seu primeiro fundo imobiliário com estratégia de investimento em Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI). O ativo chega para ampliar o leque de opções aos investidores interessados em seguir a filosofia Suno e já trará rendimentos em outubro a quem comprar cotas no primeiro dia.

O SNCI11 chega ao público em geral após captar mais de R$ 165 milhões junto a investidores profissionais (oferta restrita, ICVM 476). A gestora comunicou oficialmente ao mercado, na nesta segunda-feira, o fechamento formal da oferta.

 No dia 15, começam a ser negociadas no mercado as cotas da primeira chamada de capital, após fim do período de lock up de 90 dias. Como a “data com” do SNCI11 é no próprio dia 15, os investidores que adquirirem suas cotas naquele dia serão elegíveis à distribuição de rendimentos no dia 25 do mesmo mês. As demais cotas serão liberadas para negociação ao público em geral de acordo com fim de seus respectivos lock up – que serão sempre anunciados ao mercado.

 A gestora já conta com um fundo imobiliário do tipo FoF, o SNFF11, lançado em maio deste ano. O SNCI11 vem para complementar o portfólio de produtos da Suno Asset, com gestão ativa, alocação em diferentes títulos de renda fixa e diversificação de indexadores e taxas para proporcionar um rendimento diferenciado a seus cotistas. Uma das vantagens dos fundos de recebíveis é servir de proteção para movimentos de mercado e inflacionários, por repassarem toda a inflação ou juros já no curto prazo.

Para a gestora da Suno Asset responsável pelo SNCI11, Amanda Coura, a vantagem dos CRI’s é o rendimento nominal elevado comparado com o capital investido. “Os FIIs de CRIs são um ativo dos mais demandados pelo nosso público. Fizemos o lançamento restrito para poder alocar capital de forma mais eficiente e para selecionar ativos de qualidade sem pressão para alocação com velocidade. Agora, os pequenos investidores terão mais uma opção com rentabilidade interessante.”, explica.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Indústria de fundos está pronta para investimentos sustentáveis

É hora de a própria indústria de fundos, por meio de iniciativas de autorregulação, preencher o gap regulatório que ainda existe em torno dos...

Índice da B3: Empresas com melhores práticas no mercado de trabalho

A B3, bolsa do Brasil, e a consultoria global, Great Place to Work, anunciaram nesta terça-feira a criação de um novo índice com foco...

CVM: Acordo de R$ 300 mil após autodenúncia de infração

O Colegiado da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) analisou, em reunião nesta terça-feira, propostas de Termo de Compromisso dos seguintes Processos Administrativos (PA) e...

Últimas Notícias

Lei de Melhoria do Ambiente de Negócios no Brasil

Por Letícia Luzia de Sousa Ramos e Renata Homem de Melo.

Para 48%, recém-formados são os mais afetados no mercado de trabalho

Pesquisa feita com mais de 9 mil pessoas descobriu que 25% fazem parte da Geração Nem Nem, que não trabalha nem estuda.

SP registra queda de 13% em mortes de trânsito ante setembro de 2020

Número de óbitos caiu de 455 em setembro do ano passado para 396 no mesmo período de 2021.