Tarcísio já enfrenta várias greves

97
Trem da CPTM (Foto: Governo SP)
Trem da CPTM (Foto: Governo SP)

Greve de 24 horas no dia 3 de outubro. Essa é a decisão dos trabalhadores do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). A paralisação unificada é uma tentativa de barrar o plano do governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), de privatizar os serviços essenciais. A expectativa é que trabalhadores da Sabesp também se unam à greve.

Os trabalhadores do Metrô decidiram pela paralisação em assembleia no Sindicato dos Metroviários de São Paulo nessa quarta-feira. Anteriormente, na terça, o Sindicato dos Ferroviários de São Paulo, que representa os trabalhadores das linhas 7-Rubi e 10-Turquesa, também aprovaram greve no dia 3.

O Sindicato dos Ferroviários da Central do Brasil (SindCentral), que representa os trabalhadores das linhas 11-Coral, 12-Safira e 13-Jade também pararam. Os trabalhadores entraram em estado de greve no início do mês. “Os trabalhadores estão dando um basta nesse processo pernicioso”, afirmam os ferroviários, em nota.

A categoria alega que a população sofre com a péssima qualidade dos serviços nas linhas que já foram concedidas à iniciativa privada – 8-Diamante e 9-Esmeralda – e que o governo Tarcísio se nega a dialogar com a categoria.

Espaço Publicitáriocnseg

“A greve foi o caminho para denunciar esse processo de desmantelamento do transporte público”.

A presidenta do Sindicato dos Metroviários, Camila Lisboa, explica que a greve é evitar que o transporte sobre trilhos em São Paulo se transforme em uma “Via Calamidade”, em referência à ViaMobilidade, que além das linhas 8 e 9 da CPTM, também administra a linha 5-Lilás, do Metrô, e a linha 17-Ouro, do Monotrilho.

Além da greve de 24 horas, os ferroviários e metroviários também vão estender por mais um mês, até o dia 5 de novembro, o Plebiscito Popular contra as privatizações da CPTM, do Metro e da Sabesp.

Na próxima semana, o Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente de São Paulo (Sintaema) vão realizar assembleia e a tendência é a adesão à greve do dia 3. Além disso, o sindicato alertou que, na última segunda-feira, o Conselho de Desestatização do Estado de São Paulo autorizou, entre outras medidas, que a Sabesp contrate bancos para coordenar a futura oferta pública de ações em caso de privatização da empresa. Ao contrário do transporte sobre trilhos, a Sabesp é uma empresa lucrativa, o que derruba outro argumento dos defensores da privatização.

Paralisação na USP

Os alunos da Universidade de São Paulo (USP) entraram em greve nesta quinta-feira. Eles demandam que a reitoria implemente um plano para contratar professores efetivos. Esta é uma resposta ao cancelamento de disciplinas e à ameaça de suspensão de cursos completos devido à escassez no corpo de docentes. A crise na instituição se dá em meio ao governo privatista e bolsonarista de Tarcísio de Freitas (Republicanos).

A necessidade de reposição do corpo docente decorre de aposentadorias e falecimentos. Fato que causou uma queda no número de professores, de 5.934 para 4.892 nos últimos nove anos, de acordo com dados apresentados no anuário da instituição. A Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) é uma das mais afetadas por essa situação.

Alunos da Poli e do Largo São Francisco se reunirão nesta segunda-feira para decidir sobre a possível adesão à greve. A Faculdade de Medicina decidiu que não interromperá suas atividades. Contudo, emitiu uma declaração de apoio às mobilizações.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui