Taxa de desemprego entre os mais pobres é de 36%

Queda em renda indica aumento na desigualdade durante a pandemia; jovens já são 42% dos empregos temporários no primeiro semestre.

Estudos divulgados pela FGV Social na última quinta-feira (dia 9) apontam que a taxa de desemprego da metade mais pobre dos brasileiros é de aproximadamente 36%. A pesquisa indicou que tal índice passou de 26,55% para 35,98% entre a população mais pobre, um aumento de 10 pontos durante a pandemia, enquanto entre a população mais rica, a taxa aumentou de 2,6% para 2,87%.

O estudo, que comparou os dados do último trimestre de 2019 com o segundo trimestre de 2021, também indica que a renda individual média dos brasileiros caiu 9,4% em relação ao final de 2019, incluindo trabalhadores informais e desempregados. O cálculo considera a metade mais pobre da população, em termos relativos.

A queda da renda ainda é mais grave no caso dos mais pobres, chegando a 21,5% no período estudado. Tal cenário aponta para o aumento da desigualdade social durante a crise sanitária, uma vez que os 10% mais ricos do país tiveram, em média, uma queda de 7,16%, ou seja, inferior a um terço daquela registrada entre os brasileiros de menor renda.

Ainda segundo a FGV Social, os moradores do Nordeste foram os que mais perderam renda (-11,4%), e no Sul, em contraste, a queda foi de 8,86%. Mulheres inseridas numa rotina de jornadas duplas de trabalho, ou seja, tanto no emprego quanto no cuidado com crianças, a queda foi de 10,35%, enquanto entre os homens a redução foi de 8,4%.

Já levantamento realizado pela Employer, empresa de RH, apontou que os jovens entre 18 a 25 anos representaram 42% das contratações na modalidade temporária no primeiro semestre deste ano, um aumento de cerca de 5% comparado ao mesmo período de 2020.

Segundo o estudo, houve ampliação de 39% na contratação de temporários no primeiro semestre deste ano em comparação ao mesmo período de 2020. A expectativa é a de que a modalidade de contratação continue em crescimento, já que, por conta da vacinação e da reabertura das atividades econômicas, as demandas pela admissão de pessoas estão em crescimento.

Lei também:

Sete em 10 postos de trabalho criados são por conta própria

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Crédito consignado: aumenta número de reclamações de cobrança indevida

O crédito consignado não solicitado por clientes está no topo das reclamações de consumidores. Em relação aos registros, a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon),...

Ciência: entidades pedem liberação de recursos

Organizações questionam redirecionamento para outras áreas de R$ 515 milhões, que eram do CNPq.

BC garante cumprir meta de inflação de 2022

Em apresentação nesta sexta-feira em uma conferência promovida pelo banco Goldman Sachs, na capital dos Estados Unidos, o presidente do Banco Central, Roberto Campos...

Últimas Notícias

Crédito consignado: aumenta número de reclamações de cobrança indevida

O crédito consignado não solicitado por clientes está no topo das reclamações de consumidores. Em relação aos registros, a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon),...

Geração de energia solar traz R$ 35,6 bi de investimentos ao país

Potência nos telhados e terrenos com sistemas fotovoltaicos equivale a metade da capacidade de Itaipu.

Direito de controle sobre funcionários que trabalham de casa

Por Leonardo Jubilut.

Rio Indústria apoia lei que desburocratiza e facilita novos negócios

Em audiência pública realizada nesta quinta-feira (14), na Câmara Municipal do Rio, sobre o Projeto de Lei Complementar nº 43/2021 que regulamenta a Declaração...