35.5 C
Rio de Janeiro
domingo, janeiro 17, 2021

Taxa de sucesso

Já que o Ministério da Educação deseja que ex-alunos das universidades federais paguem uma taxa sobre seus salários, depois de formados, a título de financiar a educação recebida, esta coluna dá uma sugestão que, além de muito mais fácil execução, trará um resultado melhor: taxar os lucros de ex-ministros e ex-diretores do Banco Central que virarem banqueiros.

Neoliberalismo albanês
Único deputado de seu partido a se submeter às exigências do Planalto de votar a favor da admissibilidade do pacote da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados, o líder do PCdoB, Inácio Arruda, não corre apenas o risco de ver sua candidatura à Prefeitura de Fortaleza derreter pelo abandono de antigos apoiadores. Arruda enfrenta fortes críticas, na sua própria bancada, ao seu revisionismo em relação à Previdência. Substituído por Arruda na CCJ por se recusar a votar a favor do pacote do governo, o deputado Sérgio Miranda (PCdoB-MG), cobra do governo Lula uma mudança que “fuja à vala comum dos governos Collor e FHC, quando os serviços e os gastos públicos foram tipificados como um estorvo para o desenvolvimento da nação e os servidores simplesmente vilanizados e culpados como os responsáveis pelo déficit público e pela precariedade da situação econômica e social em nosso país”.

Outra visão
Miranda defende que o principal objetivo das mudanças na Previdência deve ser a inclusão dos cerca de 40 milhões de brasileiros hoje excluídos do sistema. Ele lembra que, em 1999, 62% da população ocupada na iniciativa privada não tinha acesso à Previdência; contra 53% em 1985, antes da Constituição de 1988, que ampliou a inclusão social. E destaca que, graça aos benefícios previdenciários, 18 milhões de brasileiros escapam da linha da pobreza. Para ampliar a inclusão social, o deputado  reivindica do governo Lula, “a partir de nossa coerência política e histórica”, uma reforma orientada de acordo com as necessidades sociais do povo e do país.

Agora vai
O primeiro contrato de cessão de áreas da União para regularização fundiária será assinado amanhã pelos ministérios das Cidades e do Planejamento e a Prefeitura do Rio de Janeiro, na Praça Central do Parque Royal. A assinatura seria no mês passado mas foi adiada porque o prefeito César Maia não gostou da a presença na solenidade da ministra da Ação Social, Benedita da Silva. O contrato dará início à execução do Programa Cidade Legal – Programa Nacional de Apoio à Regularização Fundiária Sustentável.

Rede
A discussão sobre tecnologias da informação é tema de seminário internacional hoje e amanhã, no auditório do BNDES. O evento faz parte das comemorações dos 11 anos da Rede Rio, uma rede de computadores integrada por universidades e centros de pesquisa localizados no Estado do Rio de Janeiro.

Artigo anteriorRemetente
Próximo artigoGarantia
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.