Tecnologia química será discutida em Feira Internacional

Empresas / 23:05 - 7 de mar de 2016

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A tecnologia química estará em pauta durante a TeQ 2016 - Feira Internacional de Fornecedores da Indústria Química e de Processos - de 8 a 10 de novembro, no Rio Centro – Rio de Janeiro. O evento é organizado pela Deustsche Messe AG, através de sua subsidiária no Brasil, Hannover Fairs Sulamérica, em parceria com a alemã Dechema – Sociedade para Engenharia Química e Biotecnologia. “A nossa ideia é discutir temas cada vez mais atuais no que tange a todo o setor, com o objetivo de esclarecer e propor novos negócios para os envolvidos.”, destaca Valério Regente, diretor administrativo da Hannover Fairs Sulamérica.

Especialistas apontam que o conceito de Indústria 4.0 tem gerado avanços referentes à redução de custos, economia de energia, aumento de segurança, transparência nos negócios, aumento na qualidade de vida, entre outros aspectos. De acordo com artigo publicado no FIEB – Federação das Indústrias do Estado da Bahia, os progressos tecnológicos tornaram-se importantes, sobretudo no segmento das micro, pequenas e médias indústrias, que representam mais de 95% do setor industrial nacional.

Com os apoios do ESAB (European Section on Applied Biocatalysis) e também da ABDI (Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial), outro ponto em destaque é a ideia de interconexão entre os sistemas, passando a troca de informações entre si, que vai desde a linha de produção até as tomadas de decisão no setor. Ou seja, essa nova realidade retrata um cenário mais conectado, o que proporcionará melhores condições de trabalho, bem como tomadas de decisões mais assertivas, tudo sob demanda e em tempo real.

De acordo com a organização da TeQ 2016, a Indústria Química brasileira é a sexta maior do mundo, já que o setor é um dos principais no país e está em franca ascensão. Segundo a Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), o segmento encerrou o ano de 2014 com um faturamento líquido de US$ 156,7 bilhões, com investimentos voltados para as áreas de petroquímica, farmacêutica, cosméticos, indústria naval, siderúrgica e automotiva. Com o crescimento econômico do setor, o Brasil planeja se tornar a quinta potência de indústria química mundial nos próximos anos. O país também já́ é sede de grandes empresas como a 3M, Basg, Bunge Fertilizantes, Heringer, Braskem, Du Pont, Clariant, Bayer, Quattor e as de domínio público: Petrobras e Vale.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor