TELEFÓNICA MÓVILES

Margens operacionais serão
mantidas
Empresa espera Ebitda para este ano deverá ficar entre 30% a 35%
A operadora de telefonia móvel espanhola Telefónica Móviles informou ontem que não pretende alterar sua previsão de margens operacionais no Brasil. A empresa, através de um porta-voz, diz que ainda esperar uma margem Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) para 2005 de 30% a 35%.
O Brasil é o maior mercado em número de assinantes da Telefónica Móviles, onde a empresa possui joint venture com a Portugal Telecom na Vivo. Só a operadora Vivo registrou no primeiro trimestre desse ano, uma margem Ebitda de 38,3%.
A declaração da empresa espanhola foi mais otimista do que as estimativas anunciadas na última terça-feira pela América Móvil, que controla a operadora de telefonia móvel Claro, uma das principais concorrentes da Vivo. A companhia reduziu sua estimativa de margem de lucro no país este ano especialmente devido aos maiores custos decorrente do forte crescimento do mercado local.
Paulina Amieva, da América Móvil, informou que a margem Ebitda da empresa para este ano no Brasil será de zero ponto percentual. A projeção representas uma queda nas expectativas iniciais, que apontavam para 10%.
Nos doze meses até maio, último dado disponível, o crescimento do mercado brasileiro de celular chegou a 40,6%, muito acima da previsão média de 30 a 35%. A competição mais acirrada foi registrada início do mês de abril, antecipando o movimento de compras para o Dia das Mães. Em junho, com o Dia dos Namorados, (data que a cada ano torna-se mais importante para o comércio), haverá um teste de fôlego das operadoras que, mais uma vez, atuarão diante de forte concorrência.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGenérico
Próximo artigoOligopólio

Artigos Relacionados

Engie valerá R$ 2,5 bi a mais após acordo com Aneel

Semana passada, o Monitor noticiou que a proposta da Aneel de repactuação do risco hidrológico (GSF) deixaria a conta a ser paga pelo pequeno...

Apelo de Biden ao multilateralismo fica sem crédito

Na ONU, presidente dos EUA desmente mundo dividido em blocos rígidos.

Fintechs e bancos disputam quem cobra mais

‘Não temos vergonha de sermos bancos’, diz Febraban; mas deveriam.

Últimas Notícias

Eve desenvolverá modelo de operação de Mobilidade Aérea Urbana

A Eve Urban Air Mobility, empresa da Embraer, e a Bristow Group Inc. (NYSE: VTOL), líder mundial em soluções de voo vertical, anunciaram, nesta...

China: Ampliar apoio à energia verde agrada banco de investimento

O Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (BAII) declarou que dá as boas-vindas ao anúncio da China de aumentar o apoio à energia verde...

XP: Preços de ativos podem sofrer na atual turbulência de mercado

Um dia depois do aumento de 1 ponto percentual da taxa básica de juros, a Selic (agora em 6,25% ao ano), pelo Comitê de...

Projetos de energias renováveis em substituição ao uso do diesel

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a Eletrobras firmaram um Pacto de Energia para atuarem conjuntamente na busca de soluções...

Proposta atualiza regulamentação sobre as cooperativas de crédito

Texto em análise na Câmara dos Deputados promove uma série de modificações na Lei do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo (SNCC), abordando o Projeto...