Tempestade perfeita

O projeto de terceirização a ser sancionado pelo presidente Michel Temer consegue colocar em risco as três partes envolvidas: trabalhador, empresários e Estado. O primeiro, por motivos óbvios. O setor público, pelo risco mais do que provável de a nova lei servir como porta de entrada para apadrinhados e cabos eleitorais de prefeitos, governadores e integrantes do Governo Federal, elevando de forma exponencial a possibilidade de desvios e corrupção. Muito pior, pela redução que trará nas receitas da Previdência, como já comentado por esta coluna.

Os empresários, em um olhar mais desatento, parecem sair ganhando. Ilusão. E não apenas pelos óbvios efeitos deletérios na “cultura empresarial”, conceito que adorna powerpoints de gurus da administração. Mas a nova lei não soluciona, como se pensa, as contendas na justiça do trabalho. Ao contrário. Várias entrevistas com advogados e procuradores mostram que a legislação aumenta a incerteza jurídica, gerando a perspectiva de aumento dos passivos trabalhistas das empresas. A modificação do projeto de lei é urgente, antes que o tiro disparado por setores com visão míope e imediatista sai pela culatra.

Cárie

A nota da coluna sobre demissões no Sesc Rio motivou vários funcionários a entrar em contato denunciando o desmantelamento do atendimento odontológico na entidade fluminense. Foram fechados quatro dos sete centros de atendimento no estado. O serviço era uma das principais referências do Sesc no Rio de Janeiro, mas agora está praticamente limitado ao atendimento básico. Até mesmo tratamento de canal foi extinto.

A medida preocupa o Conselho Regional de Odontologia (CRO-RJ), que se reuniu com representantes do Departamento Nacional do Sesc para ratificar a preocupação com a descontinuidade do atendimento odontológico da Regional do Rio.

No Brasil, o Sesc conta com 670 unidades odontológicas, que atendem aos cerca de 35 milhões de profissionais do comércio e dependentes. A entidade é administrada pelos conselhos Nacional e Fiscal e pelo Departamento Nacional, mas as regionais têm autonomia. O Sesc-Rio

Mas os problemas não ocorrem somente nas clínicas dentárias. Uma funcionária critica o aumento nos preços dos cursos ministrados pela entidade fluminense. Atualmente, gratuitos, só cursos simples de artesanato e similares, que não atendem aos interesses do comércio, nem dos comerciários. A hospedagem nos hotéis (antigas colônias de férias) também ficou mais cara.

O Sesc recebe um percentual sobre a folha de salários. A Regional Rio é parte integrante do Sistema Fecomércio RJ, presidido por Orlando Diniz.

Risco de entrega

O Paraná tem a maior incidência de risco na entrega do Sedex, com 40%, seguido pelo Rio de Janeiro, que registrou 31%, segundo estudo realizado pela Unitfour, empresa brasileira de fornecimento de dados. São Paulo aparece como o estado que possui a maior incidência de risco na entrega por CEP, com 52%, seguido por Rio de Janeiro e Minas Gerais, com 23% e 12%, respectivamente.

O risco de CEP não quer dizer, necessariamente, que o produto não será entregue. Mas há uma possibilidade de a entrega não acontecer, seja por conta de áreas de difícil acesso, dentre outras razões”, explica Rafael Albuquerque, diretor Comercial da UnitFour.

Emergência

A Prefeitura do Rio de Janeiro atrasou o pagamento dos salários de servidores da Saúde. Mas esta não é a pior notícia na área: o prefeito Marcelo Crivella está privilegiando a visão hospitalar, em detrimento ao atendimento à saúde da família, que objetiva a prevenção.

Rápidas

Belo Horizonte recebe o I Simpósio Multidisciplinar de Câncer de Pulmão em 8 de abril, na Associação Médica de Minas Gerais *** O IAG – Escola de Negócios da PUC-Rio realiza no mesmo dia, entre 8h30 e 12h30, oficina gratuita sobre auditoria comercial e de vendas. Inscrições: http://bit.ly/WorkshopAuditoria *** O presidente da Associação Comercial de Santos (ACS), Roberto Clemente Santini, foi convidado para ministrar palestra durante o almoço-reunião do Programa do Rotary Club de Santos, nesta quarta-feira, no Mendes Plaza Hotel *** Neste domingo, será realizada a primeira edição do mês da Feira do Caxias Shopping (RJ), com alimentos como frutas, verduras, legumes, flores e até café produzidos de forma natural *** A Telit, da área de Internet das Coisas (IoT), anuncia o seu novo vice-presidente para a América Latina, o executivo brasileiro Ricardo Simon *** Acontece na próxima semana, de 4 a 7 de abril, no Riocentro, Rio de Janeiro, a Laad Defence & Security 2017 *** A Fundação Getulio Vargas (FGV), em parceria com a Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (Eceme), realiza no próximo dia 3 o seminário “A elaboração do orçamento de Defesa em tempos de crise: os casos da Alemanha, do Brasil, da França e dos Estados Unidos”. Detalhes em http://fgv.br/odtc

Artigo anteriorA realidade e os filmes
Próximo artigoO poder da luz
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Capitalismo na origem da pandemia

Agronegócio e destruição do habitat estão nas raízes de 70% das novas doenças infecciosas.

Bitcoin leva 2 pancadas de uma vez

Pagamento de resgate a hackers e declaração de Musk mostram ‘lado negro da força’.

Taxação sobre heranças reflete desigualdade

Apenas 0,5% da receita vem de impostos sobre bens deixados ou doados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Prisão de Pazuello na CPI é improvável, afirma jurista

Liminar concedida por Lewandowski será submetida à apreciação da Corte.

Turismo caiu 17,6% em março

No primeiro mês pandêmico no Brasil, março de 2020, setor viu receitas caírem 22,3%; ante mesmo mês de 2019, retração é de mais de um terço.

Custo de produção de suínos passa dos R$ 7 por quilo vivo

Em abril, os custos para produzir suínos aumentaram 2,33% ante março, fazendo indicador do setor medir a variação nos custos de produção.

Europa opera em comportamento negativo nesta manhã

A Bolsa de Frankfurt cedia 0,80% e Londres operava em queda de 0,66%.

EUA: serviços públicos puxam recuperação da indústria

Nível de produção segue abaixo do período anterior à pandemia.