Templo S/A

Os investidores e os profissionais de mercado têm um papel fundamental no sentido de que as empresas abertas mantenham a transparência na hora de divulgar informações. A opinião foi manifestada ontem pelo economista Lélio Lauretti durante palestra promovida pela Associação Brasileira das Empresas de Capital Aberto (Abrasca) no auditório da Bolsa de São Paulo. Citou como exemplo a publicação, nos Estados Unidos, de relatórios anuais até por entidades não obrigadas a fazê-lo legalmente, mas que tiveram de atender às exigências da comunidade. Um dos casos ocorreu em uma entidade religiosa, cujo relatório mostrava com detalhes os gastos de US$ 75 mil por ano só com o pastor.

Agilidade
Após denúncia, feita por esta coluna, de morosidade na concessão de benefícios, o INSS informa que será implementado nas regiões metropolitanas do Rio e São Paulo o Sistema de Benefícios por Incapacidade (Sabi). Permitirá que as consultas sejam marcadas pelo PrevFone (0800-780191) e, a partir de março, quem entrar com pedido de auxílio doença ou aposentadoria por invalidez poderá sair da perícia já com aprovação. Os médicos perito, após examinar o segurado, vão consultar on line os terminais da Dataprev e poderão conceder o benefício no ato. Só resta esperar o mês que vem e conferir.

A feira é nossa
A Associação Comercial de Ipanema e Adjacências (Acipanema) entrou na briga para manter a Feira Hipppie na Praça General Osório. “Somos a favor de qualquer projeto da prefeitura de reurbanização e melhoria da praça e do Jardim de Alah, que já chega tarde, pois nos três anos anteriores o atual governo não tem atendido nenhuma das reivindicações da comunidade. Contudo seremos intransigentes na defesa deste patrimônio cultural, social e de emprego do bairro que é a Feira Hippie”, afirmou o publicitário Carlos Monjardim, diretor Administrativo e de Marketing da Acipanema. A Associação dos Moradores do Leblon também não concorda com a mudança da feira para o Jardim de Alah. A Câmara Comunitária de Ipanema, em nome dos moradores, também quer a permanência da feira no bairro.

Mídia
O Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação do Rio de Janeiro (Sepe-RJ) vai gastar R$ 107 milhões em campanha publicitária em rádios, TV e outdoor para denunciar o que consideram quebra de promessa do Governo do Estado. O sindicato acusa o governador Anthony Garotinho de não incorporar gratificações ao salário e excluir aposentados de um novo abono criado pelo atual governo. Professores e outros profissionais da educação estaduais aprovaram greve de advertência nos dias 22, 23 e 24 próximos.

Controle de qualidade
Não foi a assessoria da Telemar que considerou “normal” a espera de 40 minutos quarta-feira pelo atendimento do serviço de informação 102, mas sim uma funcionária, cujo nome não foi anotado pela fonte desta coluna. Na verdade, a assessoria da empresa negou que o sistema estivesse com defeito, como informara uma atendente do 102 e gravação da própria empresa. A assessoria somente soube do defeito, quando foi perguntada a respeito. Ou seja, pelo padrão Telemar esperas de 40 minutos já estão incorporadas à rotina dos assinantes.

Não aprendeu
As razões que provocaram o levante cívico-militar que derrubou o então presidente do Equador, Jamil Mahuad, estão longe de terem sido removidas. Pesquisa realizada pelo Instituto Cedatos este mês revela que 73% dos equatorianos são contrários à dolarização da economia que o novo presidente, Gustavo Noboa, insiste em levar adiante e de forma ainda mais profunda que a intentada por Mahuad.

Carestia
O Conselho Diretor da Asep se reúne amanhã para discutir reivindicação da concessionária que opera o metrô, que, no início do mês, teve negado pedido para aumentar em 23% o preço da passagem, que passaria para R$ 1,23. Na ocasião, a Asep manteve a tarifa em R$ 1 por 90 dias para examinar melhor a questão. Além disso, solicitou à empresa o estudo da volta dos bilhetes múltiplos com descontos promocionais e um maior número de linhas de ônibus integradas ao metrô.

Último a saber
O coordenador do curso de Jornalismo da UFRJ, Eduardo Refkalefsky, contesta a informação publicada pelo ministro da Educação, Paulo Renato, em diversos artigos na imprensa, de que o MEC enviou os resultados das avaliações dos cursos, com os relatórios completos, para as faculdades no fim do ano. O coordenador garante que isso não passa de história virtual: as faculdades, segundo ele, não receberam nada até agora, nem o relatório de conclusões, a cargo da comissão nomeada pelo MEC.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorRepondo a verdade
Próximo artigoFicção

Artigos Relacionados

‘EUA do Mar’ seria considerado crime de lesa-pátria

Na terra de Biden, entregar navegação a estrangeiros é impensável.

Governo Bolsonaro não dá a mínima para a indústria

País perde empregos de qualidade e prejudica desenvolvimento.

Taxa sobre exportação de petróleo renderia R$ 38 bi

Imposto aumentaria participação do Estado nos resultados do pré-sal.

Últimas Notícias

Fundos de investimento poderão atuar como formadores de mercado na B3

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) autorizou os fundos de investimento a atuarem como formadores de mercado na B3, a bolsa do Brasil. A...

ABBC: Selic deve subir 1,50 ponto percentual

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) se reúne na próxima terça-feira (7) para decidir sobre a nova Selic, a taxa básica...

Ibovespa fecha a semana em alta

(alta de 0,013%). O volume representou uma extensão do movimento positivo registrado na quinta-feira (2), quando o índice fechou com forte alta de 3,66%,...

China: Incentivos fiscais para investidores estrangeiros

A China anunciou que estendeu suas políticas fiscais preferenciais para investidores estrangeiros que investem no mercado de títulos da parte continental do país. A...

Brasileiro teria renda 6 vezes maior com indústria forte

Entre 1950–70, PIB do País foi multiplicado por 10.