Terça foi positiva na Bovespa

Ontem, mercados no exterior também operavam levemente em queda, mas com o petróleo em alta no mercado internacional.

Opinião do Analista / 11:12 - 14 de out de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Em nosso comentário de abertura, começamos dizendo que o mercado deveria ajustar em alta na sessão de ontem, por conta de que, no feriado, os principais mercados subiram, mas também por conta de clima político mais tranquilo, depois da paz selada entre Rodrigo Maia e Paulo Guedes, além de certo sumiço da cena de Rogério Marinho.

Os mercados no exterior também operavam levemente em queda, mas com o petróleo em alta no mercado internacional. Também muitas expectativas com relação ao lançamento do novo Iphone 12 da Apple com tecnologia 5G. No meio do caminho, o estresse recorrente do quadro fiscal deteriorado quase inverteu o mercado por aqui. O dólar chegou a esbarrar em R$ 5,63 e os juros já amanheceram em situação complicada, com as mudanças de regras de sexta-feira. Muitos economistas dizem que se não seguirem o receituário de aliviar o quadro fiscal, o país pode flertar com a insolvência.

No exterior, as vendas de automóveis na China subiram no último trimestre 7,9%, pela primeira vez em dois anos. Na União Europeia, Michel Barnier citou progressos nas discussões com o Reino Unido, mas não suficiente para o grupo aceitar acordo. Enquanto isso, Angela Merkel repetiu que a região deve estar pronta para falta de acordo sobre o Brexit. O próprio BoE (o BC inglês), disse que suas previsões levam em conta um acordo entre o Reino Unido e a União Europeia e se não acontecer, pode haver desequilíbrio nas moedas, principalmente na libra.

Ainda sobre o Reino Unido, o órgão de emergência disse que o "lockdown" (confinamento) é necessário, mas por enquanto somente os pubs fecharão.

Já o FMI divulgou novas previsões de crescimento. Segundo ele, o mundo encolhe 4,4% em 2020, de previsão anterior de -5,20%. Os países ricos vão encolher 5,8%, de anterior em 8,1%, 1%. A China vai crescer quase o dobro do previsto com +1,9%, enquanto os EUA devem cair 4,3%. Para o Brasil, o FMI estima queda do PIB de 5,8%, de posição anterior em -9,1%.

Já a Organizção dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) estima que a economia global vai contrair 4,1% em 2020. Nos EUA, a inflação medida pelo CPI de setembro foi de 0,2% na avaliação mensal (também para o núcleo), e no comparativo anual com +1,4%. A presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, disse que a proposta do governo americano para o pacote fiscal está significativamente aquém da necessidade. Mas agora discutem estímulos dirigidos.

No mercado internacional, o petróleo WTI negociado em Nova Iorque mostrava alta de 2,08%, com o barril cotado a US$ 40,25. O euro era transacionado em queda para US$ 1,174 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 0,73%. O ouro e prata com boas quedas na Comex e commodities agrícolas com viés mais para positivo. O minério de ferro negociado na China é que teve queda de 2,48%, com a tonelada negociada a US$ 121,15.

Aqui, Rodrigo Maia disse que a reforma administrativa não deve ser votada nesse ano, e que, atuar sobre os servidores atuais pode complicar ainda mais. A nova pesquisa semanal Focus do Bacen veio pior, com a inflação de 2020 saltando para 2,47%, de anterior em 2,12%. O PIB piorou na margem para -5,03%, o dólar subiu para RF$ 5,30 no final do ano e o superávit da balança comercial ficou estável em US$ 55,4 bilhões. Aliás, até a segunda semana de outubro (dia 12), o superávit do ano estava em US$ 44,87 bilhões.

No mercado local, o dólar sofreu a influência do Bacen vendendo moeda à vista no montante de US$ 560 milhões e domou a escalada da moeda. O dólar encerrou em alta de 0,98% e cotado a R$ 5,578. Já na Bovespa, na sessão do dia 8, os investidores estrangeiros voltaram a alocar recursos no montante de R$ 435,4 milhões, encolhendo a saída no mês para R$ 477,8 milhões, e o ano com saídas líquidas de R$ 88,23 bilhões.

No mercado acionário, dia de queda nas principais Bolsas europeias, com Londres caindo 0,53%, Paris com -0,64% e Frankfurt com -0,91%. Madri e Milão com quedas de respectivamente 1,09% e 0,81%. No mercado americano, dia de Dow Jones com -0,55% e Nasdaq com -0,10%. Na Bovespa, dia de alta de +1,04% e índice em 98.501 pontos.

Na agenda desta quarta, teremos o volume de serviços prestados em agosto e o fluxo cambial da semana anterior e nos EUA a inflação no atacado (PPI) de setembro e discursos de dirigentes do Fed. Durante a noite, sai a inflação na China em setembro.

.

Alvaro Bandeira

Sócio e economista-chefe do Banco Digital Modalmais

Fonte: www.modalmais.com.br/blog/falando-de-mercado

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor