33.1 C
Rio de Janeiro
sábado, janeiro 16, 2021

Tibete virtual

A campanha pelo “Tibete Livre” ganhou um componente inesperado. A China resolveu mobilizar o ativo mais abundante do país: chineses. Agora, nos mesmos lugares nos quais meia dúzia de ativistas – multiplicados por ângulos televisivos que excluem o plano geral – protestam contra a passagem da tocha olímpica depararam-se com verdadeiras multidões de chineses. Em São Francisco, segundo o correspondente da TV Globo, a proporção era de nove manifestantes pró-China para cada solitário ativista em prol do Tibete. Claro, que isso não inibe as narrativas da emissora e suas congêneres que inflam o verdadeiro peso dos protestos.

Circunstâncias
Em novembro, o presidente Lula anunciou que o valor das bolsas de mestrado e doutorado seria reajustado em 20%, em março. A promessa foi divulgada pelo site da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior do Ministério da Educação (Capes/MEC), na sua edição de 23 de novembro. No entanto, agora, no último dia 9, a Capes informou que o “aumento previsto para 2008 ainda não pode ser concretizado devido a circunstâncias ocorridas ao longo da tramitação do orçamento geral da União, no Congresso Nacional, quando se verificou substantiva redução no seu valor final por motivo de cortes de receitas fiscais, referentes à extinção da CPMF”. Pelo visto, quando as circunstâncias mudam, a Educação é uma das primeiras vítimas.

Consumo cresce
A inadimplência no comércio da cidade do Rio de Janeiro aumentou 1,7% no primeiro trimestre em relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com o Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro (CDL). As dívidas quitadas, que mostram o número de consumidores que colocaram em dia suas compras atrasadas, aumentaram 6,3% e as consultas, item que indica o movimento do comércio, cresceram 9,6%.
Já nas consultas ao LIG Cheque do CDL-Rio, no primeiro trimestre, em relação ao mesmo período de 2007, a inadimplência e as dívidas quitadas cresceram, respectivamente, 1,6% e 3,9%, enquanto as consultas diminuíram 7,4%.

Laços
O vice-presidente da Sociedade dos Índios em Defesa de Roraima (Sodiur), o índio macuxi Sílvio da Silva, pediu mais respeito por parte da Polícia Federal: “Somos favoráveis a que os brancos que estão ali dentro (na Reserva Raposa Serra do Sol) permaneçam trabalhando e com amizade conosco. Eles estão plantando, produzindo e dando emprego”, reclamou.

Mix
A companhia Kubanu apresenta-se em curta temporada na Fundição Progresso a partir da próxima terça-feira. O show intitulado Kubanu! – um show de entretenimédia! apresenta performances de diversos estilos de dança, interpretação, percussão corporal, arte circense e esportes.

Ralo
Os pen drives são os novos vilões da segurança empresarial, segundo mostra pesquisa divulgada pela SanDisk. Enquanto 77% dos usuários pesquisados já usaram os dispositivos portáteis pessoais para fins de trabalho. No entanto, gerentes de TI – que deveriam ter controle sobre os sistemas de informática das empresas – responderam que apenas 35% fariam uso dos dispositivos pessoais.

Espiada
Nos pen drives, foram copiados dados de clientes (25%), informações financeiras (17%), planos comerciais (15%), dados de funcionários (13%), planos de marketing (13%), propriedade intelectual (6%) e códigos-fonte (6%). O risco aumenta com a possibilidade de perda do dispositivo: 12% dos entrevistados já encontraram pen drives abandonados em locais públicos e a maioria afirmou que a primeira coisa que faria seria olhar os dados armazenados.

Versão
No carnaval midiático que se seguiu ao veto do presidente Lula à fiscalização do Tribunal de Contas da União (TCU) do dinheiro arrecadado pelos sindicatos de empregados e empregadores com a contribuição sindical, uma informação essencial tem sido omitida: os mais ativos defensores do veto não foram os líderes sindicais, mas sim os empresariais. O presidente da Confederação Nacional Industrial (CNI), Armando Monteiro Filho, por exemplo, enviou carta ao presidente Lula nesse sentido.

Artigo anteriorSeguro inundado
Próximo artigoAumento
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.