27.9 C
Rio de Janeiro
quinta-feira, janeiro 21, 2021

Tintos, blancos y rosados do noroeste espanhol

Continuamos a tratar sobre a nobre faixa setentrional vitivinícola da Espanha. Comecei pelas extremidades leste e oeste e agora sigo em direção ao centro. Começo pelo oeste, pela D.O. Bierzo, que fica a noroeste da região de Castilla y Léon, em zona fronteiriça com Galícia e Astúrias. Esse seu posicionamento lhe garante um excelente microclima, em termos de equilíbrio entre a umidade oceânica e a aridez das mesetas, moderando o perfil continental em seus extremos de calor e frio. Seus vinhedos estão situados em encostas de leve inclinação, numa grande depressão, rodeada pela Cordilheira Cantábrica e pelos montes de Léon.

Bierzo é sinônimo da cepa Mencía, uma variedade de cor azul violáceo e película grossa, que gera vinhos tintos muito agradáveis de beber, com uma bela cor, muita fruta, acidez, taninos finos e uma vivacidade mineral. A D.O. foi criada em 1989, mas se caracteriza pela resistência a grandes especulações corporativas, mantendo vinhedos antigos e terras em mãos de pequenos camponeses. A vinificação se dá em cooperativas ou por parte de pequenos produtores, que aprenderam a extrair o melhor de sua uva autóctone, a Mencía. São cultivadas também a Garnacha Tintorera, assim como Tempranillo e as bordalesas Cabernet Sauvignon e Merlot. Seus vinhos têm um perfil mais jovem, apesar de intensos e com reduzida passagem por madeira.

Rumo ao centro-norte, a sul de Bierzo, a próxima parada é na D.O. Toro, cuja reputação remonta à Idade Média, quando o rei leonês Afonso IX concedeu privilégios reais a esta Comarca para provimento de vinhos às comunidades religiosas de regiões sem vinhedos. No século XIX, a região teve maior êxito no enfrentamento à Filoxera, em função de seu solo arenoso, o que lhe rendeu exportações à França e impulso econômico.

Aqui é outra cepa tinta que domina a cena, a Tinta de Toro, variável da Tempranillo, que ocupa cerca de 75% de seu vinhedo. Em menores quantidades, estão presentes a Malvasia, a Verdejo e a Garnacha Tinta para elaboração de brancos e rosados. Os tintos que formam a reputação da D.O. são potentes, carnudos e amplos em boca e com boa estrutura tânica. Essa sua corpulência era um fator positivo de movimentação para outras regiões, o que explica ter acompanhado Cristóvão Colombo em travessia rumo às Américas. Esse aspecto se tornou negativo para a assimilação pelo mercado contemporâneo, o que demandou muitos ajustes na qualidade dos vinhos de Toro. Desde 1987, quando se tornou D.O., os vinhos apresentam mais elegância, com graduação alcoólica diminuída e maior valorização de aromas frutados e florais.

Bem colado a Toro está a DOC Rueda que, juntamente com Rías Baixas, representam com elegância a produção de vinhos brancos do mercado espanhol. Situada ao sul da província de Valladolid, o rio Duero cruza esta zona de leste a oeste. Rueda é a D.O. com maior produção de vinhos brancos espanhóis, com amplo consumo nacional e internacional. Os vinhos brancos que lhe dão status são feitos, especialmente, com a cepa Verdejo, que entregam frescor e aromaticidade ao consumidor. Situa-se numa parte plana do planalto central, com altitude média de 700 e 800m.

A viticultura foi iniciada pelos romanos e impulsionada por ordens monásticas, que receberam terras na época da Reconquista e passaram a abastecer as cortes castelhanas a partir do séc. XI. No século XVIII, Rueda contava com uma superfície de vinhas da Verdejo superior à atual, dada à sua perfeita adaptação ao solo argiloso local. Mas a Filoxera levou 2/3 dos vinhedos. A reestruturação da produção trouxe outras cepas brancas espanholas, como Palomino e Viura e a Sauvignon Blanc. Mas destacam-se os vinhos da Verdejo varietal e da Sauvignon Blanc, adotada a partir da década de 1970. Os vinhos da Verdejo são muito aromáticos, frutados e herbáceos, com excelente acidez, boca ampla e leve amargor típico final.

A norte de Rueda, se aproximando da Ribera del Duero, está a D.O. Cigales, trazendo um novo matiz para a cena: os vinhos rosados. Enquanto Toro abastecia as cidades medievais de tintos, e a Rueda de brancos, Cigales fazia seus rosados ou claretes (tintos claros), que acabaram lhe conferindo uma identidade. Suas cepas principais são a Tinta del País (versão local da Tempranillo) e a Garnacha Tinta e Gris (Cinza). As cepas Verdejo e Albillo também entram em cortes para trazer aromaticidade aos rosados. Atualmente, os cortes buscam se adequar às tendências do mercado, com rosados mais claros, frescos e aromáticos. Cresce o investimento em tintos jovens e frutados, bem como em assemblages da Tinta del País com a Cabernet Sauvignon para vinhos de guarda.

 

Para infs sobre turma do Passaporte França Online com início em outubro, certificado pela Cafa Formations, de Bordeaux e ministrado por Míriam Aguiar: maguiarvinhos@gmail.comhttp://miriamaguiar.com.br/blog – Instagram: @miriamaguiar.vinhos

Artigos Relacionados

Verão pede vinho branco, e os da Alsácia são imperdíveis

A região também é um dos melhores roteiros vitivinícolas do mundo.

Espumantes para torcer por um 2021 melhor

Diante do aumento de consumo de vinhos, creio que 2020 será um marco para a história do mercado.

O Novo Chile e algumas reflexões sobre inovações

‘Novo’, neste caso, é a oposição ao perfil das grandes marcas, que dominam o mercado de vinhos chilenos no Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.

EUA: expectativa por novos estímulos fiscais traz bom humor

Futuros dos índices de NY estão subindo, mesmo após terem atingidos novos recordes históricos no fechamento do pregão anterior.

Ajustando as expectativas

Bovespa andou na quarta-feira na contramão dos principais mercados da Europa e também dos EUA.

Sudeste produz 87,5% dos cafés do Brasil em 2020

Com mais de 55 milhões de sacas a região é a principal responsável pela maior safra brasileira da história.

Exportação de cachaça para mercado europeu cresceu em 2020

Investimentos será de R$ 3,4 milhões em promoção; no Brasil, já cerveja deve ficar entre 10 e 15% mais cara em 2021.