23.8 C
Rio de Janeiro
segunda-feira, janeiro 25, 2021

Tirando a mesa

Depois de 13 anos tendo como slogan “Quem tem fome tem pressa”, de autoria do seu fundador, o sociólogo Herbert de Souza, o Betinho, a Ação da Cidadania Contra a Fome, a Miséria e pela Vida vai trocar a arrecadação de alimentos pela distribuição de brinquedos e livros. A mudança é uma forma de os dirigente da entidade confirmarem se é verdadeira ou não a tese de que, com o Bolsa Família, não haveria mais necessidade de programas paralelos de combate à fome. O novo foco da campanha já começa a ser posto em prática neste fim de ano, quando o tradicional Natal sem Fome deve dar lugar ao Natal com brinquedos e livros.

São Tomé
No próprio site da Ação da Cidadania contra a Fome, a Miséria e pela Vida (www.acaodacidadania.com.br), porém, enquete mostra que os internautas estão incrédulos sobre a eficácia do combate à fome no país. Diante da pergunta “Você acredita que a miséria vai acabar este ano?”, 90% afirmaram que não. Apenas 10% disseram sim.

Varig é Rio
Acordo que está sendo costurado ao longo da semana deve ser assinado nesta sexta pela Varig e o Governo do Rio de Janeiro. Basicamente, rememora os quatro pontos principais de documento assinado entre as duas partes em 2004, no qual a empresa se comprometia a manter a sede no Rio, ampliar o setor de controladoria e manutenção na cidade, oferecer novos vôos a partir do Galeão e manter os postos de trabalho no Rio de Janeiro, cerca de 4.500 pessoas. O secretário-chefe de gabinete da governadora, Fernando Peregrino, diz que o governo dará, em contrapartida, mais incentivos, para que a empresa possa, dentro de um planejamento a médio e longo prazo, fazer do Rio de Janeiro sua porta de entrada no Brasil. A executiva Maria Silvia Bastos fez a ponte entre a empresa e o Palácio Guanabara.

Custo Brasil
Já que a moda é crédito consignado, os candidatos à Presidência poderiam fazer um afago na classe média e prometer um financiamento numa área em que se encontra uma das maiores preocupações da população: a segurança. Seria o crédito consignado para blindagem do automóvel, com juros baixos garantidos pelo BNDES ou pela Caixa. Diante das propostas na área econômica feitas por Lula e – principalmente – Alckmin, endossadas pelas elites, o empréstimo seria sucesso garantido.

Dose ou remédio errado?
Para o vice-presidente da Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi), José Arthur Assunção, o Banco Central pode ter errado na mão na política monetária e acabar contratando inflação abaixo da meta de 2,5% este ano, junto com o desaquecimento econômico. Mas a intenção foi das melhores: “O Brasil hoje ostenta uma inflação de Primeiro Mundo, menor até que a dos Estados Unidos e de alguns países europeus. Isso não é bom? Eu acho ótimo. E se realmente houve excesso de cautela na condução da taxa de juros, o BC vai corrigindo, aos poucos, em 2007” defende Assunção.
A taxa de crescimento da economia, tal qual a inflação, também ficará aquém da registrada pelas nações desenvolvidas e menos da metade da média dos países em desenvolvimento.

“Eu uso óculos”
Ilustrados pela imagem de um par enorme de óculos, 200 outdoors tomaram as ruas do Rio e de São Paulo nesse segundo turno das eleições. Isso não significa que o TSE liberou o uso desse tipo de propaganda para o candidato tucano Geraldo Alckmin, que incorporou os óculos a sua imagem pública. Na verdade, trata-se de um reforço à campanha dos tribunais eleitorais sobre o voto consciente, feito pela multinacional do ramo ótico Carl Zeiss Vision. A empresa, que opera em 37 países e faturou ano passado 2,1 bilhões de euros, estampou nos outdoors a seguinte frase: “Veja bem em quem você vai votar.”

“Chutômetro”
Deve-se ao Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT) um incessante trabalho de denúncia da voracidade fiscal do Estado, materializada, por exemplo, no “Impostômetro”. Mas o cálculo sobre corrupção e perdas de recursos por má administração nos governos tem pouca base científica.

Caminho natural
Terça-feira à noite, na véspera de o senador Marcelo Crivella (PRB) anunciar que apoiaria o candidato do PMDB ao governo do Rio de Janeiro, senador Sérgio Cabral, um importante integrante da campanha de Crivella confirmou o apoio, justificando: “É o caminho natural.”

Artigo anteriorVôo cego
Próximo artigoCOMPANHIA VALE DO RIO DOCE
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Incerteza da população ou dos mercados?

EUA e Reino Unido espalham suas expectativas para os demais países.

É hora de radicalizar

Oposição prioriza impeachment, mas sabe aonde quer chegar?.

Soja ameaça futuro do Porto do Açu

Opção por commodities sobrecarrega infraestrutura do país.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.

Primeira prévia dos PMI’s e avanço da Covid-19

Bolsa brasileira sucumbe ao terceiro dia de queda, mediante aos temores fiscais.

Exterior em baixa

Queda acontece em meio às preocupações com problemas para obtenções de vacinas.

Más notícias persistem

Petróleo negociado em NY mostrava queda de 2,60% (afetando a Petrobras), com o barril cotado a US$ 51,75.

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.