Tiro no pé

Ao transformar o Rio Grande do Sul em exemplo emblemático da suposta incapacidade administrativa do PT, Serra pode ver o tirar sair pela culatra. Segundo o IBGE, entre 1999 e 2001, o produto interno bruto (PIB) industrial do estado cresceu quase sete vezes mais do que a média nacional no mesmo período. Nesse intervalo, o PIB industrial gaúcho cresceu 11,7%, contra 1,7% da média nacional foi de 1,7%. Os dados sobre o PIB gaúcho ganham significado ainda maior quando comparados com o período anterior de 1995 a 1998, quando foi governado por Antonio Brito (então no PMDB, hoje no PPS) e aliado de Serra. Naquele período, o PIB industrial encolheu em 4,7%.

Troca
Advogados do Rio de Janeiro aproveitam o clima eleitoral e vão às urnas hoje e amanhã. Em pauta, uma taxa criada pela Ordem dos Advogados do Brasil – Seção RJ para substituir a carteira da OAB por um modelo que impediria fraudes. Segundo o Sindicato dos Advogados do Estado do Rio, junto com a substituição compulsória da cédula de identidade estaria a obrigação de pagar todas as anuidades, contribuições e multas porventura em atraso. Sem a nova carteira, o advogado não poderia exercer a profissão. Ainda segundo o sindicato, a taxa (de R$ 35) seria repetida a cada três anos. Tudo isso estaria causando “grande indignação entre os advogados”. O título da nota distribuída pelo sindicato mostra disposição para polêmica: “Troca de carteira – Necessidade de segurança ou de caixa?”

Salão
O ex-secretário de Segurança do governo Garotinho Josias Quintal acusa o atual Governo do Estado do Rio de Janeiro de não divulgar números corretos dos crimes. Disso o governo Garotinho entende: no ano passado, foi acusado por um jornal do estado, com números e documentos, de ter maquiado as estatísticas sobre segurança.

Geral e irrestrito
Os transportes e das ruas ficaram vazias ontem com o feriado do Dia do Comércio no Rio. A paralisação atingiu também todos os camelódromos da Cidade. Até os vendedores de balas dos pontos de ônibus respeitaram o feriado. O Sindicato do Comércio Lojista do Rio estimou a perda do setor em R$ 185 milhões.

Monólogo
Tucano só gosta de debate quando está atrás nas pesquisas. Quando está à frente, gosta mesmo é de monólogo. Em 94, depois de desencadear uma campanha encampada pela imprensa para Lula participar de debates no primeiro turno, o então candidato FH, após ultrapassar o petista nas pesquisas, só confirmou sua presença no encontro na TV Bandeirantes poucos instantes antes de o evento começar. Foi o primeiro e único debate de que FH participou ao longo dos últimos oito anos.

Ícones
Diálogo entre dois gozadores entreouvido num elevador no Centro do Rio.
– Não sei como o Serra ainda não culpou o “risco Lula” pelo adernamento da P-34.
– Aí não pode.
– Por que não? Se o dólar sobe, a culpa é do Lula.
– Aí pode. Veja bem, se sobe, é culpa do Lula, mas se afunda, é culpa do Serra.
Pano rápido.

Artigo anterior“What”s”
Próximo artigoMau exemplo
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Desigualdade, Big Tech e EUA são maiores ameaças à democracia

7 em 10 chineses avaliam que seu país vai bem na questão.

O poder do monopólio em rebaixar os salários

Um tributo a Joan Robinson, ‘uma das economistas mais importantes do século 20’.

Ricos querem pagar só 10% do imposto de Biden

Elisão fiscal ameaça levar US$ 900 bi do pacote para as famílias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Em cinco anos, SP reduziu em 32%, mortes no trânsito

Só Região Metropolitana reduziu em 29%; queda nas fatalidades em nível nacional foi de 22%.

Mercado reage em dia pós-Copom

Destaque para os pedidos por seguro-desemprego nos EUA.

Boas expectativas para o dia

Hoje, mercados começando aparentemente com realizações de lucros recentes e aguardando a decisão do Banco Central inglês sobre política monetária.

Mesmo com perdas de 75%, empresas em favelas mantêm 80% dos empregos

São mais 289 mil comércios registrados nas cerca de 6 mil comunidades em todo o Brasil.

OMS pede redução de desigualdades no acesso à higiene das mãos

Organização destaca que pandemia mostrou dramaticamente a importância da prática na redução do risco de transmissão.