27.6 C
Rio de Janeiro
sexta-feira, janeiro 15, 2021

Tiro nӇgua

O presidente do BNDES, Luciano Coutinho, se juntou ao coro de críticas ao lamentável relatório da OCDE sobre o Brasil, divulgado semana passada. No texto, a instituição multilateral praticamente culpa a concorrência do BNDES, que pratica juros mais baixos,  pela atrofia do financiamento privado de longo prazo no país. “O relatório deu tiro n”água em vários assuntos. A poupança, no Brasil, está ancorada em ativos de curto prazo, que pagam juros altos. O BNDES inclusive tem se esforçado para alavancar o mercado privado de longo prazo”, argumenta Coutinho.

Interesses explícitos
Entre os “tiros n”água”, a OCDE afirma que o país precisa de “ajuda” de poupança externa para melhorar a infra-estrutura de água e esgoto, além de insistir na tese do “déficit” da Previdência. A OCDE quer, ainda, retirar da Petrobras o direito de participação em 30% em todos os contratos de exploração de petróleo do pré-sal, conforme noticiou o MM na edição do último final de semana.

Dois avanços
A ampliação do uso dos Direitos Especiais de Saque (SDR, em inglês) do FMI e a questão das fontes de financiamento para investimentos em projetos de infra-estrutura são dois pontos destacados por Mario Lettieri e Paolo Raimondi, da Resenha Estratégica, como positivas nas reuniões européias para buscar uma saída para a crise.
O primeiro, “claramente motivada pelo grupo Brics e outros países emergentes”, é classificada como “uma contribuição para a evolução do sistema monetário internacional. É a primeira vez que, em um ato oficial de importância internacional, se menciona o processo de superação do sistema do dólar e se faz referência a uma cesta de moedas, em substituição à moeda estadunidense como referência global.”
Quanto à infra-estrutura, a inclusão é considerada um passo na direção certa. “Tal proposta tem sido veiculada há algum tempo, entre países emergentes e algumas instituições européias.”

Segurança interna
A Associação Comercial do Rio de Janeiro realizará curso para empresários, executivos e gestores sobre a atividade de inteligência, voltado para a proteção dos segredos, dos negócios e segurança dos processos, pessoas e instalações. Os instrutores são oficiais de inteligência oriundos do governo e das Forças Armadas. Mais informações: www.acrj.org.br/curso

Que mercado
Um economista leitor da coluna ironiza os que apresentam a alta dos juros como uma reivindicação do “mercado”: “O mercado não é só financeiro. O mercado também é o padeiro, o quintadeiro, o dono do açougue. Também é bom para o padeiro, para o quitandeiro, para o dono do açougue elevar os juros?”

Mitos
Aliás, mito por mito, parece ser mais crível o do Saci Pererê, cuja existência muitos juram já ter presenciado, coisa ainda inédita em relação ao “mercado”.

GPS
Apesar de estar no Brasil há quase 15 anos, a rede multinacional de construção Leroy Merlin ainda parece perdida geograficamente. Acabou de inaugurar uma loja em Jacarepaguá, bairro da Zona Oeste do Rio de Janeiro. Mas no site da empresa o bairro aparece como uma cidade, no mesmo nível da Capital e de Niterói.

Na cara
Menina dos olhos do programa Asfalto Liso, do prefeito carioca Eduardo Paes, a Av. Presidente Vargas já dá sinais prematuros de má qualidade dos serviços. Um enorme buraco estraga os pneus dos carros bem em frente ao Piranhão, sede administrativa da Prefeitura.

Nove zeros
A ser efetiva e permanente a decisão da presidente Dilma de redefinir a postura do governo em relação às ONGs, estará dando passo fundamental no processo de desprivatização do Estado brasileiro. Para isso, no entanto, a lupa nos contratos não pode se restringir às organizações ligadas a políticos. É preciso estancar a transferência de atividades típicas de Estado, como planejamento, para ONGs vinculadas a empresários de grande piso no Produto Interno Bruto (PIB) tupiniquim, cujos contratos giram na casa dos nove zeros.

Artigo anteriorEngessadas
Próximo artigoFuga do dragão
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.