Titanic

Ultimamente, a City londrina vem sendo chamada – até pelos jornais locais – de “Islândia sobre o Tâmisa”.

Deslumbrados
Mentes colonizadas produzem fatos colonizados. Se ignora os problemas que afetam mais diretamente a vida de seus leitores, ouvintes e telespectadores, a mídia tupiniquim é pródiga ao expor seu deslumbramento com o Governo Obama. Noves fora esquecimento do apoio militante à invasão do Iraque perpetrada por Bush, a imprensa nacional é pródiga em oferecer detalhes indispensáveis à vida dos brasileiros, como a marca do vestido de Michele Obama ou ainda detalhes sobre as qualidades de bailarino do novo presidente.

Serraram o Nassif
O jornalista Luis Nassif, que, semana passada, teve seu contrato de trabalho suspenso pela TV Cultura, controlada pelo Governo do Estado de São Paulo, atribuiu a decisão à proximidade das eleições presidenciais para a sucessão presidente Lula: “A maluquice das eleições de 2006 voltou antecipadamente; 2010 já começou, este é o ponto”, acusou Nassif em entrevista ao Portal Vermelho, acrescentando que, recentemente, criticou a publicidade da Sabesp, empresa paulista de água: “Como pode uma empresa com atuação estadual patrocinar eventos de televisão no Brasil inteiro?”.

Ordens de cima?
Na mesma entrevista, Nassif descartou a possibilidade de a demissão ter tido qualquer motivo de ordem profissional: “O Paulo Markun (presidente da Fundação Anchieta, a mantenedora da TV Cultura) não tomaria sozinho essa decisão… Se em dezembro ele acertava ampliar minha participação, é evidente que a mudança de orientação se deve a outros fatos”, contou o jornalista, que, agora, vai se dedicar ao seu blog.

Opção nacional
O setor turístico de Pernambuco espera que 2009 seja tão bom como foi 2008, quando houve um considerável aumento no fluxo de turistas nacionais e estrangeiros, assim como na captação de novos vôos internacionais e atração de empreendimentos. Segundo o presidente do Recife Convention Bureau (Recife CVB) e da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH-PE), José Otávio de Meira Lins, em Recife e no Litoral Sul “a hotelaria está beirando os 100% de ocupação, graças ao trabalho de promoção realizado pela Prefeitura do Recife, o estado e iniciativa privada”.
A expectativa é que o turismo interno seja mais valorizado, já que a alta do dólar fez muitos brasileiros trocarem as viagens ao exterior por temporada de férias no Brasil. “A crise assusta todo mundo mas o dólar alto está fazendo pipocar nossas reservas no Litoral Sul (Porto de Galinhas) e na Região Metropolitana do Recife. Com o turismo de negócios e convenções, teremos de março a novembro de 2009 uma boa ocupação garantida”, completa José Otávio.

Primeira
O professor Bayard Boiteux, diretor da Escola de Turismo e Hotelaria da UniverCidade, ministra dia 27 a aula inaugural do MBA em Turismo e Negócios da Ucam.

Artigo anteriorPrivatistas
Próximo artigoRegra
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Argentina fechará com China parceria do Cinturão e Rota

Iniciativa pode ser pontapé inicial para desenvolvimento e integração da América Latina.

G20 analisa aumentar taxação de corporações, mas…

Proposta tem que ser vantajosa para todos, não só para as sedes das multinacionais.

Botes salva-vidas para a classe A

No mundo de negócios, é tudo uma questão de preço.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Dia de IPC nos EUA, vendas do varejo e PEC de gastos

Bolsas europeias fecharam majoritariamente em baixa: Madri teve queda de 0,39%.

Bolsas mundiais operam entre perdas e ganhos nesta terça

Em dia de leve alta, investidores locais monitoram as negociações em torno do Orçamento de 2021 e o CPI da Covid-19.

Preços ao consumidor de março avançaram mais que esperado

Veículos novos registraram o segundo mês consecutivo sem variação, enquanto os usados apresentaram variação positiva.

Castello Branco diz adeus à Petrobras

Assembleia de acionistas da estatal aprovou a destituição.

Alerj pede ao STF suspensão do pagamento de dívida na pandemia

Alerj estima que desde março de 2020, quando se iniciou a pandemia, o Estado do Rio já quitou R$ 1 bilhão em juros da dívida com a União.