Títulos públicos prefixados: maiores rentabilidades de julho

Destaque ficou com os prefixados de vencimentos mais longos, representados pelo IRF-M1+

O Índice de Mercado Anbima (IMA), referência para os investimentos em renda fixa, valorizou 0,47% em julho, acumulando retorno de 4,98% no ano. O índice reflete a carteira de títulos públicos negociados em mercado. No mês, o destaque ficou com os prefixados de vencimentos mais longos, representados pelo IRF-M1+, cuja rentabilidade atingiu 1,20%, o que não acontecia desde dezembro de 2021.

O desempenho positivo do IRF-M1+ sugere que parte dos investidores já podem estar projetando patamares mais baixos para a inflação no médio prazo, pois os papéis refletidos por esse subíndice têm prazo médio de vencimento de 640 dias úteis. A percepção é confirmada pela expectativa Focus para o intervalo de 13 a 24 meses”, avalia Marcelo Cidade, economista da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). Os prefixados de até um ano, espelhados no IRF-M1, também tiveram variação positiva (1,05% em julho e 6,09% no ano).

Títulos de longo prazo

A carteira das NTN-Bs com prazos acima de cinco anos, replicada pelo IMA-B5+, apresentou o pior resultado entre os subíndices em julho, com recuo de 1,84% e acumulando variação de 0,16% no ano. “A precificação desses papéis está correlacionada às expectativas de longo prazo da economia, já que o vencimento médio da carteira é de 2.642 dias úteis. O resultado é um reflexo das incertezas dos investidores, sobretudo em função do ciclo eleitoral e das dúvidas quanto ao cenário externo e à manutenção do ambiente fiscal brasileiro” comenta Cidade.

No ano, o melhor desempenho entre os títulos públicos ficou com o IMA-S, formado por papéis pós-fixados atrelados à taxa Selic (LFTs), com valorização acumulada de 6,75%. No mês, o subíndice variou 1,04%. O IMA-B5 (formado por NTN-Bs até cinco anos), que se manteve estável em julho, vem em seguida com 6,75%.

Dívida corporativa

Entre os subíndices de títulos corporativos negociados em mercado, apenas o IDA-DI (debêntures indexadas à taxa DI diária), que apresenta o menor prazo médio de vencimento, registrou retorno mensal positivo. Em julho, a carteira teve rentabilidade de 1,13%, acumulando 7,7% no ano.

O IDA-IPCA (debêntures indexadas ao IPCA) apresentou variação negativa de 1,04% no mês. A maior queda foi do IDA-IPCA ex-Infraestrutura, formado por papéis emitidos sem incentivos fiscais, que recuou 1,45%.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Cinco gigantes estatais chinesas abandonam Bolsa de Nova York

Anúncio ocorre em meio a tensão entre China e EUA; ações seguirão negociadas em Hong Kong e Xangai.

Magazine Luiza: ‘carnêzinho’ não tão gostoso

Enquanto venda virtual dispara, desempenho de lojas físicas deixa a desejar.

Por que as projeções do PIB estão sendo revistas para cima?

Crescimento melhora, mas deve perder ritmo ao final do ano e início de 2023

Últimas Notícias

Dívida do Rio cairá para menos da metade se corrigida pelo IPCA

Alerj vai ao STF para recompor perdas com ICMS dos combustíveis e energia.

Cinco gigantes estatais chinesas abandonam Bolsa de Nova York

Anúncio ocorre em meio a tensão entre China e EUA; ações seguirão negociadas em Hong Kong e Xangai.

Desemprego cai em 22 das 27 unidades da federação

Tocantins teve maior recuo no segundo trimestre do ano.

TCU encontra brechas na segurança de informação federal

Equipamentos pessoais constituem risco de entrada para ataques.

Brasilux entra no mundo do metaverso

Empresa cria evento com a apresentadora Renata Fan em auditório virtual.