Todos contra um

A circulação dos jornais diários brasileiros atingiu, em 2003, 6,470 milhões de exemplares/dia, segundo a associação nacional do setor (ANJ). É pouco menos do que a metade do número de exemplares do jornal japonês Asahi Shimbun, o maior do mundo.

Suicídio
Desde 2001 vem diminuindo o número de exemplares de jornais diários no Brasil: 2,7% em relação a 2000; 9,10% em 2002 ante o ano anterior; e 7,2% em 2003. Boa parte dessa queda pode ser debitada à política econômica recessiva, que, de forma masoquista, é apoiada pela maioria dos “jornalões” brasileiros.

Batata x mandioca
A redução dos subsídios à batata na Europa deve abrir espaço para exportação de amido de mandioca para o Velho Mundo – o amido de batata é o maior concorrente do amido de mandioca no mercado europeu. Preparando-se para esse cenário, a associação brasileira que reúne os produtores do setor (Abam) comanda uma caravana que vai este final de semana conhecer o sistema de produção e exportação de amido de mandioca da Tailândia, maior produtor e exportador mundial. O Brasil produz mais mandioca que a Tailândia, na proporção de 22 milhões de toneladas/ano para 18 milhões de toneladas/ano.

Desafios iguais
O embaixador do Reino Unido no Brasil, Peter Collecott, respondeu à carta enviada pela governadora do Rio de Janeiro, Rosinha Garotinho, sobre a reportagem publicada pelo jornal inglês The Independent que tratou o Rio de Janeiro como “A cidade da cocaína e da carnificina”. Diplomaticamente, Collecott afirma reconhecer “os esforços das autoridades brasileiras para lidar com os desafios da segurança pública” e que seu país enfrenta os mesmos desafios. Disse ainda que o Reino Unido está determinado a apoiar as autoridades brasileiras nesses esforços, tanto que já tem um programa de cooperação com organizações governamentais e não-governamentais, de organização de cursos para policiais e de melhorias na administração penitenciária.

Leitura
A Formiga e Eu (Caravansarai Editora) é o mais recente livro de Théo Drummond. O lançamento será nesta segunda-feira, às 19h30, no quiosque Arab da Lagoa (próximo ao Parque dos Patins).

Caravana uruguaia
Favorita para as eleições presidentes do Uruguai, com possibilidades de vencer ainda no primeiro turno, no próximo dia 31, a Frente Ampla (coligação que reúne a esquerda  e segmentos progressistas dos partidos tradicionais) lançou uma campanha para incentivar uruguaios que moram no exterior a votarem. Como o país não permite o voto nas suas embaixadas, eleitores da Frente Ampla residentes no Rio estão organizando caravanas de ônibus ao Uruguai. Dos R$ 15 mil necessários, o grupo já possui R$ 10 mil e está pedindo contribuições, até 20 de outubro, na conta 206-2 da agência 3179-8, do Bradesco. Resta torcer para Tabarez Vasquez, candidato a presidente pela Frente Ampla, não ser candidato a um novo Lula ou Lúcio Gutierrez, presidentes, respectivamente, de Brasil e Equador, convertidos ao neoliberalismo ao chegarem ao poder.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEfeito PT
Próximo artigoCongelado

Artigos Relacionados

Brics+ será gigante em alimentos e energia

Bloco ampliado desafia EUA rumo a nova ordem mundial.

Para combater Putin, adeus livre mercado

Teto para preço do petróleo é nova sanção desesperada do G7.

Inflação engorda lucros de bilionários de energia e alimentos

Fortunas dos ricaços desses 2 setores aumentaram US$ 1 bilhão a cada 2 dias desde 2020.

Últimas Notícias

Setor público registrou superavit de R$ 358 bi em 2021

O setor público brasileiro registrou um superavit orçamentário de R$ 358 bilhões em 2021, resultado que deriva dos cerca de R$ 6,3 trilhões em...

Triste realidade

Em cada 4 bairros do Rio, 1 tem milicianos ou traficantes

Pré-candidatura de Ceciliano ao Senado ganha apoio na Região Serrana

Prefeito do PSB vira as costas para candidato do partido.

Informalidade atinge 40,1% da população ocupada

Segundo IBGE, desemprego caiu para 9,8%; rendimento fica estável.

Empresas buscam alternativas para captar recursos

Por Luciano Camargo Neves.