Toma lá dá cá

Os ataques do prefeito Luiz Paulo Conde, candidato a reeleição à Prefeitura do Rio pelo PFL, a seu ex-padrinho político César Maia, candidato do PTB, comparando-o ao ex-presidente Fernando Collor de Mello, irritou os trabalhistas. O vereador Ruy Cezar, por exemplo,  fez questão de afirmar que o prefeito Conde é um dos principais colaboradores do presidente Fernando Henrique Cardoso e do senador Antônio Carlos Magalhães (PFL) no Rio, “que são sócios do atual estágio do desemprego no país.” Segundo o vereador, candidato a reeleição, Conde prejudicou a economia carioca porque “não soube negociar a dívida pública do município com a União”. Lembrou que, há dois meses, apresentou um projeto de lei na Câmara autorizando o prefeito a utilizar os royalties do petróleo para abater a dívida, o que não foi feito até o momento.

Usura
Um correntista do posto do Banco do Brasil em Icaraí se viu diante de drama kafkaniano. Ao depositar um cheque para sua própria conta em outro banco, ficou com saldo a descoberto. Como punição, além da óbvia devolução do cheque, foi tarifado em R$ 8, valor 114,28 vezes superior aos minguados R$ 0,07 a que ficara sem fundos. Em tempo, o sobrenome do gerente do posto é Pita de Almeida.

“Ooorrra”
Um dos principais points cariocas, o Planetário exibe sotaque pouco usual ao Rio, apesar do conhecido caráter cosmopolita da cidade. Quem liga para lá, é atendido pela gravação de uma voz feminina com indisfarçável sotaque…paulista.

Perdas
Cotistas de fundos de investimentos que perderam todo o capital investido em carteiras administradas pelo Banco Boavista apresentaram ontem requerimento ao Banco Central (BC) pedindo que a venda do banco não seja aprovada. O grupo de cotistas acusa o próprio BC de cometer ilegalidade ao não enviar ao Ministério Público Federal documentos sobre a fiscalização que realizou no Boavista no ano passado. As perdas ocorreram à época da desvalorização do real, em janeiro de 1999. As acusações envolvem desde propaganda enganosa até má gestão. A principal reclamação consiste no fato de que participaram de fundos de alto risco sem ter sido advertidos para isso e, segundo o requerimento encaminhado ao BC, teriam sido enganados e levados a acreditar que estavam investindo em carteiras de renda fixa. As aplicações eram feitas em transações em mercados de derivativos, mercados futuros, de hedge (defesa) e outros de alto risco que podem levar inclusive à perda total. Diversos gerentes de agências do Boavista chegaram a depor a favor dos clientes, mas os diretores até agora não foram ouvidos. À mesma época, outros fundos administrados pelo banco e pela sua distribuidora de títulos alcançaram ganhos expressivos. Esses fundos aplicavam recursos do próprio banco.

Bandeira
O vereador Ruy Cezar (PTB) criticou ontem o andamento da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Câmara Municipal do Rio, que está investigando a possibilidade de distribuição de concessões para empresas de táxis aumentarem suas frotas. Segundo o vereador, “está dando a impressão de que, em vez de se buscar uma solução para o transporte, ele (Pedro Porfírio, presidente da CPI) só está querendo resolver os problemas dos taxistas, esquecendo os donos das autonomias”.

Responsabilidade
As más atuações seguidas da Seleção brasileira de futebol podem ser creditadas ao técnico Wanderlei Luxemburgo – quem escala os jogadores que vêm atuando de forma vergonhosa. Em última análise, a culpa é do presidente da CBF, Ricardo Teixeira, que foi quem escolheu Luxemburgo. Se o técnico da seleção não tem a iniciativa de pedir o boné, Teixeira deveria fazê-lo. Ao contrário do que pode estar pensando o leitor, esta não virou uma coluna de futebol. É que o mesmo raciocínio deveria ser aplicado à Petrobras, após dois desastres seguidos.

Poder
Mais preocupante do que saber que menos de 50% das metas fixadas para a telefonia foram cumpridas pelas empresas privatizadas – qualquer usuário desatento reconhece que a qualidade está a anos-luz de distância do marketing das operadoras – é descobrir que a agência que teoricamente deveria regular o setor simplesmente não foi informada sobre quase 40% das metas. Tradução: as empresas não estão nem aí para a Anatel.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNa crista
Próximo artigoPaís perde defensor

Artigos Relacionados

Falta de servidores traz prejuízo, inclusive financeiro

Fila de segurados no INSS vai engrossar precatórios em R$ 11 bilhões.

Desmonte do Estado se dá pelas beiradas

Miçangas e espelhos empurram reformas administrativas nos municípios.

O que vale pros precatórios vale pra dívida interna?

Se calotes são defensáveis, poderiam ser estendidos para os títulos públicos.

Últimas Notícias

Distribuição comercial: quais cláusulas e condições mais importantes?

Por Marina Rossit Timm e Letícia Fontes Lage.

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Petrobras: mais prazo de inscrição no novo Marco Legal das Startups

Interessados em participar do primeiro edital da Petrobras baseado no novo Marco Legal das Startups (MSL) poderão inscrever-se até o dia 12 de dezembro....

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Fitch Ratings atualiza metodologia de Rating de Seguros

A Fitch Ratings, agência de classificação de risco, publicou nesta sexta-feira relatório de atualização de sua Metodologia de Rating de Seguros. Segundo a agência,...