Topo da lista

Pelo 18ª vez, a American Dialect Society, entidade de estudiosos da língua inglesa nos Estados Unidos, escolheu a Palavra do Ano. E a de 2007 não poderia deixar de ser outra: subprime, que suplantou neologismos como vegansexual, billary e googleganger. O que era restrito a banqueiros agora é falado por todos, explicou o porta-voz da sociedade. “Afeta todo tipo de pessoa, em todo tipo de lugar.” A escolha demonstra a preocupação pública com a piora da crise hipotecária, diz a entidade.

Metro
A Palavra do Ano de 2006 para os integrantes da American Dialect Society foi to pluto (usada no sentido de desvalorizar ou rebaixar); em 2003, a escolha foi para a mais conhecida – também em português – metrossexual.
Em tempo: vegansexual é o vegetariano radical que não faz sexo com não-vegetarianos; googleganger designa a pessoa que, ao digitar seu próprio nome no Google, aparece em primeiro lugar na busca; e billary é exatamente a fusão de Bill (Clinton) e Hillary (idem).

Cobras
Uma substância presente no veneno da jararaca é capaz de atuar diretamente nos casos de hipertensão na gravidez, conhecida como pré-eclâmpsia. O medicamente, inédito, está sendo desenvolvido por pesquisadores do Instituto Butantan, ligado à Secretaria estadual de Saúde paulista. As drogas usadas atualmente no combate à doença são desenvolvidas para um hipertenso comum. Cerca de 3,2 milhões de mulheres ficam grávidas por ano no Brasil. Segundo o Conselho Brasileiro de Cardiopatia e Gravidez, 10% dessas gestantes apresentam pré-eclâmpsia, que é responsável por cerca de 30% dos óbitos maternos.

Sombra e água fresca
A ID Projetos Educacionais venceu licitação promovida pelo BNDES para desenvolver um programa de preparação para aposentadoria. O projeto beneficiará, inicialmente, 244 funcionários que se aposentarão no primeiro semestre deste ano. O objetivo é orientar os aposentados quanto à elaboração de seu projeto de vida, a fim de possibilitar-lhes uma melhor qualidade de vida nessa nova fase.
No caso dos funcionários do BNDES, a orientação deve ser em como direcionar suas aposentadorias para lazer e turismo. Os empregados, que não ganham pouco, se aposentam com vencimentos integrais, entre outras vantagens.

Chapa branca
O governador José Serra resolveu associar literalmente a publicidade sobre as obras do seu governo ao PSDB. Como ilustra foto publicada no Blog do Rovai (www.revistaforum.com.br/sitefinal/blog/default.asp#1675) o governo estadual ilustrou com um tucano e um mico a placa publicitária localizada no início da descida da Rodovia dos Imigrantes, que liga a região metropolitana de São Paulo à Baixada Santista. O objetivo alegado é informar que a área faz parte do Parque Estadual da Serra do Mar.

Micou
Rodovia mais frequentada do estado durante o verão e pela qual circulam milhares de carros diariamente nessa época do ano, a Imigrantes é um outdoor de alta visibilidade. No entanto, ao vincular o símbolo do partido ao mico, o tucanato pode criar uma associação negativa. Afinal, essa dobradinha na publicidade de um parque que ainda tem no seu nome a palavra Serra está estendida pouco depois de o consumidor arcar com R$ 15,60 de pedágio para circular pelos poucos quilômetros da estrada.

Mantra
Instadas a se manifestarem se cobram por ligações não-atendidas, como denunciou semana passada esta coluna, as operadoras de telefonia celular adotaram uma espécie de monopólio da fala em suas respostas. A Oi, por exemplo, “esclarece que a tarifação de seus serviços segue rigorosamente as normas estabelecidas pelo órgão regulador do setor (Anatel)”, mesmo resposta da Claro. Na TIM, a resposta é: “No que se refere à política de tarifação, a TIM segue a norma do Serviço Móvel Pessoal regulamentada pela Anatel”.
Já a Vivo, que cobrou R$ 079 por uma ligação feita por esta coluna de um aparelho da empresa com prefixo do Rio de Janeiro para outro da Oi com prefixo de Pernambuco, sem que a ligação fosse atendida, alegou que “a cobrança foi indevida”. Em reconhecimento do erro, isentou o dono da linha do pagamento da mensalidade da próxima conta.

Marcos de Oliveira e Sérgio Souto

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDesconfiança
Próximo artigoAmeaça

Artigos Relacionados

Montadoras não vieram; demissões, sim

Promessas de Doria e Bolsonaro para fábrica da Ford não passaram de conversa para gado dormir.

Ganhos de motoristas de app desabam

Renda média é de pouco mais de 1,5 salário mínimo.

Lei determina que estatais respeitem interesse público

Acionistas da Petrobras sabem que ela tem obrigações e bônus por ser de economia mista.

Últimas Notícias

Quatro em 10 brasileiros pretendem pedir crédito nos próximos 90 dias

Intenção atingiu maior patamar desde junho de 2021; dívidas são o principal motivo.

Healthtechs e edtechs rivalizam com fintechs por investidores

Startups de saúde e de educação se aproximam das empresas de tecnologia financeira na disputa pelos aportes

Mercados dão continuidade a movimento negativo visto desde ontem

Bolsas e commodities cedem, enquanto as curvas de juros dão um alívio; moedas são a exceção e avançam contra o dólar.

Conab aponta para safra de café em 53,4 milhões de sacas

Nos quatro primeiros meses, país já exportou 14,1 milhões de sacas de 60 kg; volume é 10,8% menor que o exportado em igual período de 2021.

Em caso de novo ataque hacker, 80% das empresas pagariam resgate

Senhas: sequências numéricas simples ainda são motivo de ataques cibernéticos.