Torneira

Ao elevar de 15% para 25% a tributação sobre remessa de royalties e transferência de tecnologia, o governo brasileiro parece estar tentando fechar uma torneira por onde saíam cada vez mais dólares. Reportagem especial de J. Carlos de Assis publicada no ano passado pelo MM mostrava que a conta de transferência de tecnologia oscilava entre US$ 209 milhões (1990) e US$ 367 milhões (1994). Pulou para  US$ 676 milhões em 1995, US$ 1 bilhão em 1996, US$ 1,5 bilhão em 1997, US$ 2,2 bilhões em 1998 e uma ligeira queda para US$ 1,997 bilhão em 1999. O peso maior é da rubrica Serviços Técnicos Especializados, que embute o pagamento de tecnologia, muitas vezes entre matriz e filial, cujo custo passou de US$ 140 milhões em 1990 para US$ 1,359 bilhão em 1999. Esses números mostram que multinacionais poderiam estar usando essa rubrica para enviar – de forma disfarçada e com impostos menores – lucros para o exterior.

“Quebra-gelo”
O brasileiro Carlos Ghosn é um dos 25 executivos “top” de 2000, na avaliação da revista Business Week. Ghosn, que dirige a montadora japonesa Nissan desde 1999, prometera tirar a empresa do vermelho e conseguiu. Nos seis meses encerrados em setembro, a Nissan já estava operando com resultado positivo e o lucro esperado para 2001 é de US$ 2,3 bilhões, recorde para a empresa. As ações subiram 38% no ano passado. Para chegar a esse resultado, segundo a revista, Ghosn desafiou a etiqueta do mundo de negócios japonês. Cortou milhares de empregos, fechou uma das cinco fábricas locais e leiloou ativos, como a unidade aerospacial. Conseguiu inimigos como a Associação das Indústrias de Autopeças do Japão. Jurgen Schrempp, presidente da DaimlerChrysler, apelidou o brasileiro de “quebra-gelo”, segundo a Business Week por sua capacidade de ignorar as práticas empresariais locais que impedem o lucro. Ghosn já ajudou a Michelin e a Renault a sair de crises e a revista cogita que ele pode retornar à montadora francesa se sua passagem na Nissan for realmente lucrativa.
Na companhia de Ghosn na lista dos 25 melhores, estão Roger Enrico, da Pepsico, e Wayne Sanders, da Kimberly-Clark, entre outros.

Tombo
Maior banco dos Estados Unidos, o Bank of America fechou a semana se desdobrando para negar as especulações do mercado sobre pesadas perdas com inadimplência e operações em mercado malsucedidas. Embora o banco assegure que a situação de sua carteira de crédito ainda é confortável, pelo menos uma grande operação fracassada teve o testemunho de dezenas de milhões de pessoas: o desabamento do campo do Vasco da Gama, clube patrocinado pelo Bank of America.

Posse
Toma posse nesta segunda-feira Luiz Antonio Sampaio Campos no cargo de diretor da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Ele ocupa a vaga aberta com a saída do advogado Durval Soledade, que antes de participar do colegiado da autarquia pertencia aos quadros do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Denúncia
Para além de comover às lágrimas os contribuintes brasileiros, as alegações dos advogados do juiz Nicolau dos Santos para exigir a prisão especial para seu cliente se constituem num dos maiores libelos contra as condições carcerárias do sistema penal brasileiro. Nem o católico apostólico romano praticante Sobral Pinto foi capaz de tanto quando exigiu para Luís Carlos Prestes a isonomia com os direitos dos animais durante o Estado Novo.

De graça
A assessoria do Merrill Lynch ao Santander na compra do Banespa foi – literalmente – dada. O banco de investimentos norte-americano teria aberto mão de sua comissão após saber que o Santander pagaria pelo Banespa 3,5 vezes mais que a segunda oferta no leilão (US$ 1,080 bilhão), feita pelo Unibanco. Até o Wall Street Journal acha a decisão insólita. Já o banco espanhol não parece ter ficado abalado em pagar US$ 2,5 bilhões a mais do que o necessário pela instituição paulista. Tanto que o mesmo Merrill Lynch assessora a oferta feita pelo Santander pelas 67% das ações do Banespa em poder do mercado. O acordo é avaliado em US$1,2 bilhão

Artigo anteriorBola de neve
Próximo artigoDe volta à realidade
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Indústria do Brasil cai menos que mundial na pandemia

‘Soluço’ não detém trajetória de queda iniciada no final dos anos 1980.

Batendo palma para maluco dançar

CPI precisa ser ágil para não deixar governistas propagarem mentiras impunemente.

Cristiano Ronaldo, Coca-Cola e Nelson Rodrigues

Atitude do craque português realmente derrubou ações da companhia de bebidas?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Energia renovável tem custo abaixo de combustível fóssil mais barato

Energia solar para instalação comercial ficou 55% mais barata entre 2017 e 2020 no Brasil.

Renda mensal per capita para acesso ao BPC reduziu para 1/4 do mínimo

Também foi regulamentado o auxílio-inclusão.

Indústria do Brasil cai menos que mundial na pandemia

‘Soluço’ não detém trajetória de queda iniciada no final dos anos 1980.

STF confirma decisão que considera Moro parcial no caso do triplex

Marco Aurélio e Luiz Fux votaram contra parcialidade do ex-juiz.

Salles pede para sair

Alvo de investigações, ministro do Meio Ambiente teve exoneração publicada em edição extra do D.O.U.