Torture os números

O Governo Temer lançou seus números à mesa: a Seguridade Social fechou 2016 com déficit de R$ 258,7 bilhões, equivalente a 4,1% do PIB. Segundo o Ministério do Planejamento, as receitas somaram no ano passado R$ 613,2 bilhões, queda de 2,2% em relação ao ano anterior. Já as despesas cresceram 9,8%, atingindo R$ 871,8 bilhões. Na divulgação do suposto rombo, porém, o governo evita detalhar os dados. Trabalha apenas com grandes números. Mas, de cara, admite que, sem a Desvinculação das Receitas da União (DRU, sangria da arrecadação para pagar juros da dívida pública, que este ano tungará 30%), o déficit cai para R$ 166 bilhões.

Números menos nublados mostram quadro bem diferente. Os dados relativos a 2015 compilados pela Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Anfip) – os de 2016 ainda não estão completos – mostram bem a diferença. No ano retrasado, o governo afirma que a Seguridade arrecadou R$ 627 bilhões e gastou R$ 793 bilhões. A Anfip mostra que as receitas somaram R$ 694 bilhões, e as despesas, R$ 683 bilhões. Houve, portanto, superávit de R$ 11 bilhões. A entidade abre os números, rubrica por rubrica. Já o Ministério do Planejamento prefere ficar no powerpoint, sem grandes detalhes. Porque alardear déficit tem um objetivo: detonar a previdência pública. E jogar o que sobrar na privada.

Sal e açúcar

Mais de 180 mil produtos vendidos no mundo foram reformulados. Entre as empresas de alimentação e bebidas, a retirada de sódio e açúcar foi o objetivo mais frequente na reformulação, e os grãos integrais e vitaminas foram os ingredientes mais comumente adicionados. Entre as empresas de cuidados pessoais e de higiene, a retirada de parabenos foi o objetivo número um da reformulação. Os dados são do Fórum de Bens de Consumo (The Consumer Goods Forum – CGF).

Mérito

Diante dos constantes casos de corrupção que envolveram gestores de órgãos do governo, Auditores Fiscais Federais Agropecuários reforçam a importância da ocupação de cargos por meritocracia, sem indicação política, principalmente nas superintendências federais do setor agropecuário. A categoria reivindica a medida, mas, de acordo com o Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais Federais Agropecuários (Anffa Sindical), o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) não parece interessado em atender ao pleito, e as indicações políticas no governo devem continuar.

Operações como a Semilla, em 2015, no Rio Grande do Sul, e a Abate, em 2008, em Rondônia, revelaram envolvimento dos superintendentes em esquema que beneficiava empresas do setor agropecuário e agroindustrial.

A Embrapa, empresa vinculada ao Ministério da Agricultura, já faz um processo seletivo criterioso, desde a década de 90. O Anffa propõe caminho parecido. A proposta prevê um processo seletivo bem similar ao realizado pela Embrapa, com três fases: cursos e títulos, experiência profissional e plano de trabalho para o período do mandato de dois anos, prorrogável por igual período. No fim do processo seletivo, os três melhores são indicados em lista tríplice para escolha e nomeação pelo ministro.

Rápidas

A Fundação Getulio Vargas realiza no próximo dia 23, no Rio de Janeiro, o seminário Os Desafios do Ensino Médio, com os secretário estaduais de Educação Wagner Victer (RJ) Idilvan Alencar (CE), Macaé Evaristo MG) e Eduardo Deschamps (SC). Será na sede da FGV, na Praia de Botafogo, 190, 12º andar *** A Sou do Esporte, em parceria com a EY, realiza nesta quinta-feira o evento “Aspectos tributários que incidem no esporte brasileiro”. Detalhes: http://ow.ly/Un8q309KbhV *** O “Busucão”, projeto do Instituto Apaixonados por Quatro Patas, volta ao Caxias Shopping (RJ) 17 e 18 de março, das 11h às 16h, com sua feira de adoção e vacinação de animais *** O empresário Thierry Fournier, presidente da Saint-Gobain para Brasil, Argentina e Chile, foi eleito novo presidente da Câmara de Comércio França-Brasil *** As imobiliárias Porta da Frente e Judice & Araujo realizam, em 28 de março, evento sobre mercado imobiliário de Portugal, no Barra Space Center, no Rio, às 9h. Inscrições pelo link: https://pt.surveymonkey.com/r/8ZSQH26 *** A exposição Daquilo que nos cerca ficará no Centro Cultural dos Correios no Rio de Janeiro de 23 de março a 21 de maio. Serão apresentadas obras de pintura, fotografia e escultura de Angelo Issa, Daniel Moreira e Leandro Gabriel *** A Associação de Bartenders Carioca (ABC-RJ) estará com um estande na 29ª Expofood, que será realizada entre 21 e 23 de março, no Centro de Convenções do Riocentro. Haverá degustações e demonstrações de coquetelaria e harmonizações. O credenciamento pode ser feito através do site http://superrio.com.br/ *** No dia 17, o advogado Gabriel Di Blasi fará palestra em Londrina sobre Estratégia e Gestão da Propriedade Intelectual, voltada para startups, empresas e centros de base tecnológica.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

Dois mitos sobre a Petrobras

Mídia acionada pelo mercado financeiro abusa de expedientes que ataca quando usados por bolsonaristas.

Mudar preços implica parar venda de refinarias

Mercado financeiro cobrará deságio, e Petrobras precisa de ativos para poder operar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Preços dos carros mais vendidos subiram 9,4% em média em um ano

Com 18,23% de variação, Renault Kwid foi o que mais subiu de preço entre os 13 mais vendidos.

PEC Emergencial pode sair da pauta do Senado desta quinta

Parlamentares resistem a cortes na saúde e educação e propõem votar apenas questão do auxílio emergencial.

Desdobramentos da intervenção na Petrobras

Percepção é de que o 'superministro' de Bolsonaro pode estar ficando cada vez mais isolado.

IPCA-15 de fevereiro ficou abaixo da expectativa

Índice mostra variação mais fraca que o esperado em alimentação, educação; já saúde e transportes vieram mais fortes que a expectativa.

Tentativa de superação

Ontem foi dia de recuperação da Bovespa, liderada pelas ações da Petrobras, Eletrobrás e setor bancário.