Torture os números

O Governo Temer lançou seus números à mesa: a Seguridade Social fechou 2016 com déficit de R$ 258,7 bilhões, equivalente a 4,1% do PIB. Segundo o Ministério do Planejamento, as receitas somaram no ano passado R$ 613,2 bilhões, queda de 2,2% em relação ao ano anterior. Já as despesas cresceram 9,8%, atingindo R$ 871,8 bilhões. Na divulgação do suposto rombo, porém, o governo evita detalhar os dados. Trabalha apenas com grandes números. Mas, de cara, admite que, sem a Desvinculação das Receitas da União (DRU, sangria da arrecadação para pagar juros da dívida pública, que este ano tungará 30%), o déficit cai para R$ 166 bilhões.

Números menos nublados mostram quadro bem diferente. Os dados relativos a 2015 compilados pela Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Anfip) – os de 2016 ainda não estão completos – mostram bem a diferença. No ano retrasado, o governo afirma que a Seguridade arrecadou R$ 627 bilhões e gastou R$ 793 bilhões. A Anfip mostra que as receitas somaram R$ 694 bilhões, e as despesas, R$ 683 bilhões. Houve, portanto, superávit de R$ 11 bilhões. A entidade abre os números, rubrica por rubrica. Já o Ministério do Planejamento prefere ficar no powerpoint, sem grandes detalhes. Porque alardear déficit tem um objetivo: detonar a previdência pública. E jogar o que sobrar na privada.

Sal e açúcar

Mais de 180 mil produtos vendidos no mundo foram reformulados. Entre as empresas de alimentação e bebidas, a retirada de sódio e açúcar foi o objetivo mais frequente na reformulação, e os grãos integrais e vitaminas foram os ingredientes mais comumente adicionados. Entre as empresas de cuidados pessoais e de higiene, a retirada de parabenos foi o objetivo número um da reformulação. Os dados são do Fórum de Bens de Consumo (The Consumer Goods Forum – CGF).

Mérito

Diante dos constantes casos de corrupção que envolveram gestores de órgãos do governo, Auditores Fiscais Federais Agropecuários reforçam a importância da ocupação de cargos por meritocracia, sem indicação política, principalmente nas superintendências federais do setor agropecuário. A categoria reivindica a medida, mas, de acordo com o Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais Federais Agropecuários (Anffa Sindical), o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) não parece interessado em atender ao pleito, e as indicações políticas no governo devem continuar.

Operações como a Semilla, em 2015, no Rio Grande do Sul, e a Abate, em 2008, em Rondônia, revelaram envolvimento dos superintendentes em esquema que beneficiava empresas do setor agropecuário e agroindustrial.

A Embrapa, empresa vinculada ao Ministério da Agricultura, já faz um processo seletivo criterioso, desde a década de 90. O Anffa propõe caminho parecido. A proposta prevê um processo seletivo bem similar ao realizado pela Embrapa, com três fases: cursos e títulos, experiência profissional e plano de trabalho para o período do mandato de dois anos, prorrogável por igual período. No fim do processo seletivo, os três melhores são indicados em lista tríplice para escolha e nomeação pelo ministro.

Rápidas

A Fundação Getulio Vargas realiza no próximo dia 23, no Rio de Janeiro, o seminário Os Desafios do Ensino Médio, com os secretário estaduais de Educação Wagner Victer (RJ) Idilvan Alencar (CE), Macaé Evaristo MG) e Eduardo Deschamps (SC). Será na sede da FGV, na Praia de Botafogo, 190, 12º andar *** A Sou do Esporte, em parceria com a EY, realiza nesta quinta-feira o evento “Aspectos tributários que incidem no esporte brasileiro”. Detalhes: http://ow.ly/Un8q309KbhV *** O “Busucão”, projeto do Instituto Apaixonados por Quatro Patas, volta ao Caxias Shopping (RJ) 17 e 18 de março, das 11h às 16h, com sua feira de adoção e vacinação de animais *** O empresário Thierry Fournier, presidente da Saint-Gobain para Brasil, Argentina e Chile, foi eleito novo presidente da Câmara de Comércio França-Brasil *** As imobiliárias Porta da Frente e Judice & Araujo realizam, em 28 de março, evento sobre mercado imobiliário de Portugal, no Barra Space Center, no Rio, às 9h. Inscrições pelo link: https://pt.surveymonkey.com/r/8ZSQH26 *** A exposição Daquilo que nos cerca ficará no Centro Cultural dos Correios no Rio de Janeiro de 23 de março a 21 de maio. Serão apresentadas obras de pintura, fotografia e escultura de Angelo Issa, Daniel Moreira e Leandro Gabriel *** A Associação de Bartenders Carioca (ABC-RJ) estará com um estande na 29ª Expofood, que será realizada entre 21 e 23 de março, no Centro de Convenções do Riocentro. Haverá degustações e demonstrações de coquetelaria e harmonizações. O credenciamento pode ser feito através do site http://superrio.com.br/ *** No dia 17, o advogado Gabriel Di Blasi fará palestra em Londrina sobre Estratégia e Gestão da Propriedade Intelectual, voltada para startups, empresas e centros de base tecnológica.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Batendo palma para maluco dançar

CPI precisa ser ágil para não deixar governistas propagarem mentiras impunemente.

Cristiano Ronaldo, Coca-Cola e Nelson Rodrigues

Atitude do craque português realmente derrubou ações da companhia de bebidas?

Empresa pode dar justa causa a quem não se vacinar?

Advogado afirma que companhias são responsáveis pela saúde no ambiente de trabalho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Produção industrial cresceu em maio, após queda em abril

Intenção de investimento aumentou em junho em relação a maio e segue acima da média histórica.

Marrocos espera crescimento de 5,3% em 2021

BC do país estima avanço da economia neste ano; receita com turismo vêm caindo; inflação acelerou, mas está controlada.

Pacientes com Covid têm dificuldades a benefício por incapacidade

Nesta terça, Bolsonaro vetou PL aprovado pelo Congresso que dispensa carência do INSS para novas doenças.

Sauditas vêm visitar regiões cafeeiras do Brasil

Brasileiros convidaram os compradores árabes para visitar as lavouras locais no próximo ano.

Senado aprova MP que aumenta a tributação sobre lucro dos bancos

Como houve mudança no texto, medida volta à apreciação da Câmara.