Tranquilidade

Enquanto outros países da Europa se cercam cada vez mais de cuidados com a segurança de seus governantes e prédios públicos, no edifício da Presidência da República da Finlândia, em Helsinque, não pode ser visto, mesmo à noite, um guarda sequer. Nas eleições do próximo dia 15, a tese de adesão à Otan ou maior participação do país na “luta contra o terrorismo” deve ser amplamente rejeitada, como mostraram os debates durante a campanha. A presidente Tarja Halonen, com 55% das intenções de votos, nas pesquisas, deve ser reeleita no primeiro turno.

Condição russa
O presidente da Rússia, Vladimir Putin, diz que seu país pode não ingressar na Organização Mundial do Comércio (OMC) se isso prejudicar os interesses econômicos nacionais: “Seria absurdo entrar na OMC, se este passo diminuir a liberdade econômica e comercial de nosso país”, assinalou Putin, segundo a agência oficial de notícias Itar-Tass.
Depois de negociar com a organização durante cerca de uma década, a Rússia pode entrar na OMC no fim do próximo ano, juntamente com as ex-repúblicas soviéticas Ucrânia e Cazaquistão. “Queremos entrar, mas em condições aceitáveis para a Rússia”, ressalva Putin.

Bancos, não!
Para isso, ele exige que a Rússia mantenha o direito de proibir a atuação de bancos estrangeiros no país, o que contraria uma das principais exigências da OMC para aceitar novos associados. A legislação russa, porém, determina que os bancos estrangeiros não podem operar no país através de filiais, apenas via subsidiárias, entidades bancárias com sede no território local.

Muito aquém
O comércio do Brasil com a Rússia cresce continuamente há seis anos. Este ano, até novembro, a corrente de comércio (exportações mais importações) somou US$ 3,34 bilhões, quase US$ 1 bilhão superior aos US$ 2,46 bilhões registrados no mesmo período do ano passado. Apesar do avanço nominal, no entanto, a pauta comercial continua concentrada em matérias primas e outros produtos de baixo valor agregado, situação pouco condizente com as aspirações de dois dos integrantes do Brics (Brasil, Rússia, Índia e China).

Força
Do saldo de R$ 25,3 bilhões de novos investimentos atraídos para o Rio Grande do Sul desde 2003, no governo Germano Rigotto, R$ 10,1 bilhões são da área de energia. Para o governo, isso significa a garantia de abastecimento dentro dos próximos anos. Até 2011 os gaúchos receberão 25 obras de geração, além de investimentos nas redes de transmissão e distribuição de energia.

Alvo errado
Os marqueteiros do presidente Lula precisam adverti-lo com presteza para que pare de apresentar a antecipação do pagamento de US$ 15 bilhões ao FMI como bandeira de campanha eleitoral. Se não, corre o risco de ouvir a desagradável pergunta: por que um governo que tem US$ 15 bilhões para gastos financeiros não tem sequer R$ 2,3 bilhões para investir nas estradas brasileiras que estão caindo aos pedaços? Ou seja, Lula precisa ser avisado que, apesar de George Soros achar o contrário, quem vota na eleição para presidente do Brasil são os brasileiros e não a diretoria do FMI.

Atropelou
Assim – como diria o presidente Lula – no futebol, o jogo só termina quando o árbitro apita, no Brasil, o escândalo do ano só pode ser eleito aos 45 minutos do dia 31 de dezembro. Quem tinha cravado no mensalão para o escândalo do ano – para dos últimos 100 anos, as privatizações são imbatíveis – teve de mudar o voto. A queima de arquivos no prédio do INSS, em Brasília, envolvendo débitos de R$ 68 bilhões com a Previdência, impôs um novo e natural candidato.

Artigo anterior“Bush”s oil”
Próximo artigoFeliz 2006
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Inflação e PIB expõem falácia do Teto dos Gastos

‘Faz sentido?’, pergunta Paulo Rabello. ‘Claro que não’.

Mirem-se nos exemplos da Shell e da Exxon

Petrobras é fundamental para o desenvolvimento brasileiro.

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Preço do diesel avança pelo quarto mês consecutivo

Combustível ultrapassou R$ 4 em fevereiro e os dois tipos, comum e S-10, registraram valores acima de todos os meses de 2020.

Antítese da véspera

Ontem o dia foi completamente diferente da terça-feira, em que começamos o dia raivosos, suavizando mais tarde.

Rio fecha bares à noite e adota toque de recolher

Bares e restaurantes agora só podem funcionar das 6 às 17h; em SP, diretor do Butantan defende que estado seja colocado em fase mais restritiva.

PEC emergencial e pedidos por seguro-desemprego

Mercados europeus fecharam mistos na quarta-feira; indicadores da Zona do Euro tiveram desempenho acima do esperado.

Setor de eventos terá parcelamento e isenção de impostos

Projeto foi aprovado pela Câmara e segue para o Senado.