Transações de usados batem recorde no acumulado do ano

Para entidade do setor, escassez de veículos novos tem levado consumidor a realizar trocas no mercado de usados.

Com a escassez de veículos novos, provocada pela dificuldade na obtenção de peças e componentes pela indústria, o mercado de usados tem crescido em ritmo forte e registrou, em 2021, o melhor mês de julho e o melhor resultado nas transações de usados nos sete primeiros meses do ano, desde o início da série histórica da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), em 2003.

Isso porque, em julho, as transações tiveram alta de 6,55% sobre junho, totalizando 1.425.219 unidades. O acumulado no ano, por sua vez, atingiu, aproximadamente, 8,8 milhões de unidades – crescimento de 55,78% sobre o mesmo período de 2020. Em relação a julho de 2020, a alta foi de 25,04%.

Enquanto os emplacamentos de automóveis e comerciais leves cresceram pouco mais de 20%, no acumulado de janeiro a julho, em relação aos sete primeiros meses de 2020, as transações de usados, destes segmentos, tiveram alta de 55,77% no mesmo período, sendo que os automóveis e comerciais leves com 1 a 3 anos de fabricação representaram 12,3% das transações em julho e 11,02% no acumulado do ano. Destaque, também, para o segmento de caminhões, que acumula alta de 58% no acumulado de janeiro a julho sobre o mesmo período de 2020.

Já segundo o relatório divulgado pela Federação Nacional das Associações de Revendedores de Veículos Automotores (Fenauto), entidade que representa o setor de lojistas de veículos multimarcas por todo o Brasil, julho teve um resultado positivo de 6,5% em relação a junho, sendo comercializados 1.424.130 veículos contra 1.336.964 em junho.

O relatório aponta, também, outros resultados que comprovam a continuidade do crescimento de vendas, como a comparação de julho deste ano com o mesmo mês de 2020, apontando um aumento de vendas de 24,5%.

Outro dado comemorado pela Fenauto é o de vendas acumuladas em 2021. Comparando-se as vendas nos sete meses deste ano, com o mesmo período de 2020, a evolução ficou positiva em 54,7%.

A entidade considera todos esses resultados muito bons já que o país ainda está enfrentando a pandemia, mas já sentindo os efeitos da vacinação em massa que vem ocorrendo.

Leia também:

Indústria perde boa parte do que recuperou em 2020

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Cruzeiros marítimos estão em busca do tempo perdido

O setor quer recuperar o tempo que a pandemia atrapalhou

Lucros das corporações na pandemia crescem 51% e batem recorde

Dívida global das empresas cai pela primeira vez em 8 anos.

Cesta básica aumentou em nove capitais

São Paulo foi a capital em que os alimentos básicos apresentaram o maior custo: R$ 777,01

Últimas Notícias

Cruzeiros marítimos estão em busca do tempo perdido

O setor quer recuperar o tempo que a pandemia atrapalhou

Fundos de investimento: R$ 8 bi de captação líquida

Renda fixa foi o destaque do primeiro semestre

Petrobras faz oferta de recompra de títulos globais

Interessados têm prazo até 12 de julho

Inscrições para Prêmio de Inovação em Seguros da CNseg

Premiação acontecerá em dezembro para três categorias

Abavt apresenta propostas para Dpvat

Ministério da Economia cria grupo de trabalho para discutir solução