Três bilhões contra três trilhões

Mercado fez escândalo devido à ingerência no reajuste do diesel, mas se calou sobre acordo que fará Petrobras perder US$ 800 bi.

A gritaria foi geral no mercado financeiro após Bolsonaro impedir a Petrobras de aumentar o preço do diesel. O valor de mercado da companhia caiu R$ 32 bilhões, após o preço das ações desabarem 8% (já recuperaram 2% nesta segunda). A estatal deixa de ganhar R$ 14 milhões por dia com o adiamento. Se isso fosse levado até o final do ano, seriam R$ 3,6 bilhões a menos no caixa da companhia.

Ainda na semana passada, o governo anunciou que pagará US$ 9 bilhões (cerca de R$ 34 bilhões) pela parte da Petrobras no pré-sal conhecida como Cessão Onerosa. E o dinheiro só entrará no caixa da empresa no final do ano, após o filé ter sido leiloado. A Petrobras abrirá mão de uma área com potencial de lucro estimado em US$ 800 bilhões (cerca de R$ 3 trilhões). Mas nos dois dias seguintes ao anúncio, feito na terça-feira, as ações da estatal tiveram quedas leves, praticamente um ajuste após fortes altas na Bolsa de Valores nos pregões anteriores.

A diferença do comportamento reflete mais do que um pensamento de curto prazo em relação à empresa. É uma demonstração de que boa parte do mercado financeiro espera espetaculares lucros com os leilões do pré-sal. A perenidade da estatal – afinal, investe-se em uma empresa esperando que ela progrida – é coisa de nacionalistas.

Pode-se fazer um paralelo em relação ao comportamento do mercado e da grande imprensa em relação ao Governo Bolsonaro: críticas ferozes a aspectos secundários, desde que prossigam celeremente o projeto de reforma da Previdência e a vendas de estatais e do pré-sal. Aí, a mídia – incluindo as neo-odiadas Globo e Folha – sabe se comportar.

 

Rio na visão do cônsul

Em uma iniciativa da Associação dos Embaixadores de Turismo do Rio, com curadoria da bailarina Ana Botafogo e do professor Bayard Do Couto Boiteux, o Petit Palais, em Laranjeiras, sedia a exposição de fotos O Rio, na visão de um norte-americano. A abertura da mostra acontece no próximo dia 30, quando o cônsul geral dos Estados Unidos, Scott Hamilton, expõe 23 fotos da Cidade Maravilhosa tiradas por ele. A montagem ficou a cargo de Thiago Oliveira.

Para Boiteux, Hamilton consegue “captar a alma da cidade, fotografa com um olhar que aprecia a diversidade e a entende”. O diplomata, além de fotógrafo e amante confesso do Rio, é formado em direito por Havard e em Política, Filosofia e Economia em Oxford.

A exposição, que conta com apoio da Fundação Cesgranrio, da Sérgio Castro Imóveis, da Escola de Turismo Cieth e do site Consultoria em Turismo, estará aberta até 9 de maio, de segunda à sexta, das 14h às 16h, na Rua das Laranjeiras, 490.

 

Mimimi’

Nem emprego nem renda. Na posse, no Fórum Econômico Mundial e na Casa Branca, Bolsonaro frisou como prioridade de Estado “o fim do politicamente correto e do vitimismo”. Ele moveu processo contra o chargista Aroeira por não ter gostado de um desenho seu. É “mimimi” que chama?

 

Rápidas

Está em transição de carreira? Você já pensou em ser consultor? Onde você estará daqui a um ano? São os temas da palestra que Luiz Affonso Romano, presidente da Associação Brasileira de Consultores (ABCO), fará no CRA RJ na próxima quarta-feira. Informações em cra-rj.adm.br/esta-em-transicao-de-carreira/ *** A Clínica Neurovida, unidade Recreio, realiza até quinta-feira campanha para arrecadação de roupas para crianças e adultos vítimas das chuvas que castigaram a cidade do Rio de Janeiro. Os donativos podem ser entregues na recepção de 8h às 17h, de segunda a quinta, e serão enviados para a Associação de Moradores do Terreirão. Detalhes em clinicaneurovida.com.br ou pelo WhatsApp (21) 97513-2413 *** O Centro Universitário Celso Lisboa, na Zona Norte do Rio, realizará um mutirão com alunos do curso de Ciências Contábeis, supervisionados por professores, para tirar dúvidas dos contribuintes sobre Imposto de Renda, às terças (17h às 20h30) e quintas (9h às 12h). O atendimento será no pátio (bloco A) na Rua 24 de Maio, 797, Engenho Novo *** O diretor do Instituto Carlos Chagas e chefe da Divisão de Cirurgia Plástica do Hospital Universitário Gaffrée e Guinle, Ricardo Cavalcanti Ribeiro, é um dos convidados do I Fórum Turismo de Saúde, nesta quarta, no Museu do Amanhã, no Centro do Rio de Janeiro *** O colombiano Pedro Galvis passa a comandar a Merck no Brasil a partir de 1º de maio, substituindo Guilherme Maradei, que irá para a diretoria de marketing em oncologia para o mercado dos EUA. Galvis será também gerente-geral da divisão de Biopharma.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Rio manda R$ 2,4 tri para União e só recebe R$ 171 milhões

Estado é um dos mais prejudicados da Federação.

Não, a Petrobras não quebrou

Na época em que os preços dos combustíveis não eram descontrolados, caixa da estatal era superior ao atual.

Hood Robin e o ICMS nos combustíveis

Reduzir impostos tira da sociedade para dar a poderosos.

Últimas Notícias

Electrolux lança desafio para arquitetos e designers de interiores

A Archademy, primeiro Market Network de Arquitetura e Design de Interiores do Brasil, abre inscrições para a edição do seu Archathon Electrolux 2022. O...

Gestão do Hopi Hari ganha na justiça e se mantém no parque

A gestão do Parque Temático Parque Hopi Hari acaba de obter decisão favorável, proferida pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, para...

Bancos chineses registram compra líquida de divisas em 2021

Os bancos chineses registraram uma compra líquida de divisas em 2021, pois a taxa de câmbio do iuan permaneceu geralmente estável e os fluxos...

RNI: Plano de negócio tem o melhor resultado dos últimos 7 anos

Prévia do 4T21 da construtora e incorporadora RNI, do grupo Empresas Rodobens, indica resultados superiores aos últimos sete anos. A empresa, que completou 30...

Chile quer renacionalizar cobre e bens públicos estratégicos

A campanha pela renacionalização do cobre e dos bens públicos estratégicos entregues às transnacionais durante o governo de Augusto Pinochet (1973-1990) tem sido impulsionada...