Três perguntas: a Huawei, o 5G e o Brasil

Por Jorge Priori.

O governo brasileiro segue avançando com o leilão do 5G, que deverá ocorrer no segundo semestre de 2021. No final de fevereiro, a Anatel aprovou o seu edital, que encontra-se em análise no Tribunal de Contas da União. O 5G entregará serviços móveis de última geração, viabilizando uma banda larga móvel mais rápida e de melhor qualidade, tornando realidade a internet das coisas, com objetos inteligentes conectados e cidades inteligentes.

Para entendermos a visão da Huawei quanto a esse processo, conversamos com Atilio Rulli, diretor sênior de Relações Públicas e Governamentais, sobre como a empresa chinesa tem visto o Brasil, como está a sua tecnologia 5G no mundo e sobre como a Huawei tem visto a implantação do 5G no Brasil.

 

Como a Huawei tem visto o Brasil?

O Brasil é um mercado chave para a Huawei na América Latina. A Huawei está no Brasil há 23 anos e vem participando da transformação digital nacional em parceria com operadoras, desde a instalação de 2G até 4.5G. O Brasil foi um dos primeiros países em que estabelecemos operação fora da China, e sempre mantivemos um ótimo relacionamento desde que aqui chegamos. Temos 1.200 funcionários no país e geramos mais de 15 mil outros empregos indiretos. Possuímos 2 centros de fabricação no Brasil, em Sorocaba e em Manaus. Também temos programas de treinamento que matricularam mais de 36 mil pessoas durante esse período, em parceria com 67 universidades brasileiras.

 

Como está a tecnologia 5G da Huawei no mundo?

A Huawei é uma das líderes de 5G no mundo, com 91 contratos, mais de 600 mil ERBs (estações rádio base) em ação e mantém a liderança em patentes da tecnologia 5G.

Trabalhamos com operadoras em todo o mundo para construir redes que proporcionem as melhores experiências possíveis. De acordo com vários relatórios de teste de terceiros sobre a experiência de rede 5G em grandes cidades lançados em 2020, as melhores redes 5G em Seul, Amsterdã, Madrid, Zurique, Hong Kong e Riade foram todas construídas pela Huawei.

Na China, a Huawei ajudou as três principais operadoras a construírem redes 5G, oferecendo boa cobertura de rede e experiência de usuário.

Trabalhando com operadoras e nossos parceiros, assinamos mil contratos de projetos 5GtoB, abrangendo mais de 20 indústrias. A Huawei tem trabalhado com operadoras em todo o mundo para explorar ativamente as aplicações industriais do 5G, assim como na mineração de carvão, produção de aço, portos e fabricação, para criar valor para os usuários da indústria e ajudar as operadoras a entrarem no enorme mercado empresarial.

 

Como a Huawei está vendo o processo de implantação do 5G no Brasil?

O fornecimento da infraestrutura 5G permitirá a proliferação de novas plataformas que podem se tornar realidade por meio de baixa latência e alta velocidade de upload e download. Com isso, espera-se que empresas de diversos setores de atividade estejam preparadas para aumentar sua eficiência operacional através da conectividade ultrabanda larga e da redução da latência que o 5G permite.

A IDC estima que o impulso dado pelo 5G às tecnologias associadas – incluindo robótica, segurança da informação, nuvem pública, internet das coisas (IoT), Big Data e Analytics, realidade aumentada e virtual (AR/VR) e inteligência artificial – alcançará, no Brasil, cerca de US$ 22,5 bilhões de faturamento no período entre 2020 e 2024. Isso significa um crescimento médio anual de 179%.

Embora a Huawei não participe diretamente do leilão, a empresa colabora com as operadoras brasileiras para preparar suas redes para que, quando ocorrer o leilão 5G, seja possível implementar essa tecnologia de forma rápida, simples e eficiente. Os testes 5G foram feitos com todas as principais operadoras do país, em colaboração com as empresas e a Anatel.

Leia também:

Três perguntas: os resultados dos leilões de concessão da Infra-Week

Três perguntas: a Abrasce e sua visão sobre a Reforma Tributária

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Café torrado, óleo de soja e leite UHT retraem em 2022

Cesta de bens de consumo massivo representará 37% da renda dos latino-americanos em 2022.

Safra de soja 2021/22 tem previsão de 126,18 mi de t

Estudo projeta 116,10 mi de t para as duas safras de milho.

Reservatórios fecham junho com o melhor índice em 10 anos

Período seco está iniciando o seu terceiro mês e afluências devem ficar abaixo da média na primeira semana de julho.

Últimas Notícias

Café torrado, óleo de soja e leite UHT retraem em 2022

Cesta de bens de consumo massivo representará 37% da renda dos latino-americanos em 2022.

Safra de soja 2021/22 tem previsão de 126,18 mi de t

Estudo projeta 116,10 mi de t para as duas safras de milho.

China intensifica esforços para aliviar carga tributária das empresas

Os ministérios da China lançaram uma série de políticas de apoio, com o objetivo de manter as empresas e os negócios autônomos à tona, em meio à epidemia de COVID-19, com foco no corte de taxas e impostos.

Reservatórios fecham junho com o melhor índice em 10 anos

Período seco está iniciando o seu terceiro mês e afluências devem ficar abaixo da média na primeira semana de julho.

China lançará esquema de conexão de swap de juros Continente-HK

O banco central chinês, o Banco Popular da China (PBOC), anunciou na segunda-feira a aprovação de três instituições de infraestrutura financeira para desenvolver um esquema de acesso mútuo conectando os mercados de swap de taxas de juros do continente chinês e da Região Administrativa Especial de Hong Kong (HKSAR), informou Xinhua Finance nesta segunda-feira.