Três perguntas: a inflação de outubro, quadro atual e perspectivas

Por Jorge Priori.

A inflação de outubro, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), foi de 1,25%, a maior variação para um mês de outubro desde 2002 (1,31%). Em setembro, o IPCA havia ficado em 1,16%. No ano, a inflação acumula alta de 8,24%, e nos últimos 12 meses, alta de 10,67%.

Conversamos com Luis Otavio Leal, economista-chefe do Banco Alfa, sobre o atual quadro inflacionário e sua rápida deterioração; se haveria algo a ser feito além dos aumentos da Selic para combater a inflação, e se o processo inflacionário brasileiro está em linha com o que está acontecendo no mundo ou é mais agressivo.

Em conformidade com os boletins Focus, no final de junho a expectativa de inflação para 2021 era de 5,97%. O último boletim indicava 9,33%. Como se explica o atual quadro inflacionário e por que ele piorou tão rápido?

Na verdade, tivemos uma verdadeira tempestade perfeita, tanto interna quanto externa. Se pensarmos bem, desde o final de junho tivemos uma piora dos gargalos das cadeias produtivas, uma crise energética que elevou os preços de toda a matriz, notadamente o petróleo e o gás natural, uma crise hídrica por aqui e, como cereja do bolo, tivemos até duas geadas em períodos importantes para as safras do 2º semestre. No caso brasileiro, o cenário de inflação alta é persistente por um bom período de tempo, mesmo que inflada por choques temporários, e acaba sendo mais perigoso devido aos mecanismos de indexação ainda existentes na economia brasileira. Isso explica, por exemplo, a contaminação rápida da piora da inflação de 2022 pela de 2021. Um exemplo claro disso é o salário mínimo, que é reajustado pela inflação do ano anterior.

O que deveria ser feito para reverter esse quadro além dos aumentos da Selic feitos pelo Banco Central?

Pouca coisa. Tentativas de controle direto dos preços já foram tentadas no Brasil e em vários países do mundo e nunca deu certo. Talvez, a melhor coisa que o Governo poderia fazer para ajudar o Banco Central no controle da inflação é reduzir a volatilidade do noticiário de forma a não estressar o câmbio, um dos fatores de pressão sobre a inflação.

O atual processo inflacionário que está ocorrendo no Brasil está em linha com o que está ocorrendo no exterior ou está sendo mais agressivo?

Faz parte de um contexto mundial, mas é pior no Brasil devido às questões já citadas dos mecanismos de indexação ainda existentes no Brasil, que torna a inflação muito mais inercial do que em outros países, mesmo na comparação com os demais emergentes (com exceção da Turquia e da Argentina).

Leia também:

Três perguntas: inflação de setembro – quadro atual e perspectivas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Queda na indústria atinge todos os grupos de intensidade tecnológica

Perdas no primeiro trimestre de 2022 vão de 2,3% a 8,7%.

Otimismo dos comerciantes melhora em maio

Segundo a CNC, é o maior nível desde dezembro de 2021.

Últimas Notícias

B 3 lança novos produtos para negociação de estratégias de juros

Operações são estruturadas de contratos futuros de DI, DAP e FRC

JBS tem governança fraca, mas perfil de negócio forte

JBS tem governança fraca, mas perfil de negócio forte

Brasil corre risco de desabastecimento de diesel

Alerta foi feito inclusive pela direção da Petrobras

Lucros das empresas subiram 55% no primeiro trimestre

Em abril, quase metade das categorias de trabalhadores não conseguiu repor inflação.

PIB dos EUA cai mais que previsto, porém inflação perde ritmo

Recessão não está descartada, segundo analistas.