Três perguntas: a inflação e a economia dos Estados Unidos

Por Jorge Priori.

Em suas duas últimas reuniões (15 e 16 de junho e 4 e 5 de maio), o Comitê de Política Monetária, Copom, deixou clara a sua preocupação com o risco de um aumento duradouro da inflação nos Estados Unidos que pode tornar o ambiente para as economias emergentes desafiador.

Tendo como referência esta informação, conversamos com Edward Moya, analista sênior de mercado da Oanda, sobre a situação atual da economia americana, sua inflação e as perspectivas para os próximos meses. A Oanda é uma corretora de câmbio e provedora de serviços de negociação online multiativos, dados de moedas e análises, sediada em Nova York, Estados Unidos.

 

Como está a economia americana?

A economia dos Estados Unidos está atingindo o pico de crescimento, e isso pode se estender por muito mais tempo dependendo de quanto será investido em infraestrutura pelo Governo Biden. A recuperação do mercado de trabalho está se acelerando, mas longe de recuperar o saldo ainda negativo de 10 milhões de empregos perdidos durante a pandemia. Nos próximos meses, veremos mais crescimento, pressões sobre os preços e uma onda de contratações à medida que muitos estados encerrarem os benefícios federais de desemprego.

 

A possibilidade de alta da inflação nos Estados Unidos, com o consequente aumento da taxa de juros por parte do Federal Reserve, tem sido motivo de preocupação para o Banco Central brasileiro. Como está a inflação americana e como ela opera sobre o dólar?

O grande debate sobre a inflação está aumentando nos EUA e, neste momento, está ganhando o argumento de que ela será transitória. Questões referentes a gargalos da economia, problemas na cadeia de suprimentos e a alta dos preços de algumas commodities têm apoiado a ideia de que a inflação atingirá o teto em breve e começará a ceder após o verão. Alguma inflação vai continuar, mas, neste momento, não parece que a inflação será persistente e que desencadeará um acelerado ciclo de aperto monetário.

A inflação persistente impulsionará as apostas de que o Fed começará a aumentar as taxas em algum momento no final de 2022. O Fed ainda está posicionado para ser o último grande banco central a aumentar as taxas de juros, de modo que ele ainda deve conduzir um movimento de dólar mais fraco pelo resto do ano. O dólar estava maduro para uma recuperação de curto prazo, mas isso deverá acabar em breve.

 

Quais são os principais drivers da economia e da inflação dos Estados Unidos para os próximos meses?

O Fed precisa ver um progresso substancial no mercado de trabalho. Se a inflação acelerar ainda mais, isso poderá levar adiante um aperto monetário. A folha de pagamento não agrícola de junho será fundamental, pois pode mostrar a criação de mais de 1 milhão de empregos. O Fed precisa ver mais de 5 milhões de empregos criados para começar a dizer que os Estados Unidos estão no caminho de um progresso substancial.

Nos próximos meses, a escassez de chips e as questões de gargalos da economia devem começar a ser resolvidas, e a inflação deve começar a acalmar.

Leia também:

Três perguntas: o novo aumento da Selic e os investimentos

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Ômicron se espalha pelo mercado financeiro

Bolsas caem com especulação sobre efeitos da nova variante.

Últimas Notícias

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Petrobras: mais prazo de inscrição no novo Marco Legal das Startups

Interessados em participar do primeiro edital da Petrobras baseado no novo Marco Legal das Startups (MSL) poderão inscrever-se até o dia 12 de dezembro....

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Fitch Ratings atualiza metodologia de Rating de Seguros

A Fitch Ratings, agência de classificação de risco, publicou nesta sexta-feira relatório de atualização de sua Metodologia de Rating de Seguros. Segundo a agência,...

STF desbloqueia bens de Lula

Por maioria de três votos a um, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, nesta sexta-feira, desbloquear os bens do ex-presidente Lula...