Três perguntas: indústrias farmacêuticas – vacinas, resultados e ações

Por Jorge Priori.

Conversamos sobre os resultados e o desempenho das ações das farmacêuticas fabricantes das vacinas contra a Covid-19 com Rodrigo Lima, analista de investimentos e produtor de conteúdo da Stake. Também conversamos sobre o impacto da produção das vacinas nos números das americanas Pfizer (Nyse: PFE), Novavax (Nasdaq: NVAX), Moderna (Nasdaq: MRNA) e Johnson & Johnson (Nyse: JNJ), e da anglo-sueca Astrazeneca (Nasdaq e London Stock Exchange: AZN).

A Stake é uma startup australiana fundada em 2017 que permite a compra de ações e ETFs (Exchanged Traded Fund, Fundos de Índices) americanos através da sua plataforma. Ela chegou ao Brasil em outubro de 2020 depois de estabelecer a sua operação na Austrália, Nova Zelândia e Reino Unido.

 

Como você viu os resultados das farmacêuticas que produzem as vacinas contra a Covid-19 no segundo trimestre? Como as ações se comportaram?

Assim como a esmagadora maioria das empresas que compõem o S&P 500, as fabricantes de vacinas contra a Covid-19 superaram as expectativas do mercado no segundo trimestre de 2021. A Astrazeneca foi a exceção, apresentando um lucro líquido decepcionante, ainda que a receita operacional bruta tenha vindo acima do esperado, totalizando US$ 8,2 bilhões.

As ações responderam muito bem a isso. Nos últimos três meses, as ações da Moderna se valorizaram 137,08%, Novavax, 69,27%, e a Pfizer, 21,67%, superando a sua máxima histórica que havia sido atingida em 1999. O mercado penalizou as ações da Astrazeneca e Johnson & Johnson, que subiram apenas 5,23% e 4,03% no período, enquanto o S&P 500 subiu 7,97%.

 

Como a produção de vacinas contra a Covid impactou os números dessas empresas?

Inquestionavelmente, a Moderna foi a companhia que mais se beneficiou da campanha de vacinação contra a Covid-19. Dos US$ 4,4 bilhões de receita no trimestre, US$ 4,2 bilhões são oriundos da venda de vacinas. Logo após a divulgação do resultado, a companhia anunciou prontamente um programa de recompra de ações no valor de US$ 1 bilhão, mostrando uma preocupação em remunerar o capital dos seus acionistas. Não foi à toa que a ação teve a melhor performance no setor.

Outro grande destaque foi o resultado da Pfizer, que teve uma receita de cerca de US$ 7,8 bilhões proveniente da vacina, representando 41% de seu resultado, que foi de US$ 19 bilhões. Apenas para se ter ideia da importância da vacina para a farmacêutica, a empresa projeta uma receita operacional bruta de US$ 80 bilhões em 2021, ou seja, 10% da receita projetada para o ano foi obtida com a venda de vacinas apenas no segundo trimestre.

Parece haver um consenso tácito no mercado de que essas empresas ganharam a primeira fase da corrida da vacina, principalmente por terem sido algumas das primeiras empresas que tiveram suas vacinas aprovadas pelos órgãos reguladores, contando então com a vantagem de “first mover”. Isso se refletiu no preço das ações.

A Novavax, apesar do resultado positivo, ainda é uma empresa pequena. Sua vacina vem sendo utilizada por poucos países, enquanto a Astrazeneca ainda sofre para aumentar sua lucratividade, uma vez que seus gastos com pesquisa e desenvolvimento foram maiores do que os de qualquer outro player do setor.

Já a Johnson & Johnson sofre não apenas por ter sido uma das últimas a desenvolver seu imunizante, mas também por ser uma companhia muito diversificada. Mesmo gerando mais de US$ 1 bilhão com a vacina, isso representou menos de 10% da sua receita no trimestre. Além disso, a companhia também foi penalizada por problemas com outros segmentos farmacêuticos, tendo sido obrigada a pagar US$ 5 bilhões em um acordo para encerrar processos que vinha sofrendo devido à sua omissão na crise de opioides que assola os Estados Unidos.

Por fim, mais importante do que analisar o impacto das vacinas nos resultados deste trimestre é analisar o que isso pode significar para essas companhias no futuro. De maneira geral o mercado gosta de recorrência e previsibilidade de receita. A decisão sobre novas doses de reforço ou eventuais campanhas de vacinação anuais (como temos para a gripe, por exemplo) será de suma importância para essas empresas.

 

Como anda a compra dessas ações na plataforma da Stake?

À exceção da Astrazeneca, as farmacêuticas fabricantes de vacinas contra a Covid-19 estão com alto volume de compras a nível global, com destaque para a Pfizer, cujo número de compras chega a ser 13% superior ao número de vendas.

Com relação ao Brasil, o comportamento é bastante diferente e enigmático, com o investidor se desfazendo das posições em Novavax e Pfizer e comprando fortemente Johnson, Astrazeneca e Moderna. Analisando as ações mais negociadas em nossa plataforma, percebemos que o investidor brasileiro é muito ativo e gosta muito de ações de alta volatilidade, o que pode explicar o maior volume de compras da Moderna, mas não explica o alto volume de vendas da Novavax.

Há também a tentativa de justificar o alto interesse pelas ações da Astrazeneca pelo fato de sua vacina estar sendo distribuída no Brasil, porém isso não explicaria a perda de interesse do brasileiro pela Pfizer. O interesse pela Johnson provavelmente se deve a fatores terceiros, uma vez que a companhia, até o momento, não foi uma das vencedoras da corrida da vacina. Além de ser notoriamente conhecida entre o público em geral, a Johnson é uma excelente pagadora de dividendos, o que pode explicar a alta procura pela ação.

Leia também:

Três perguntas: ações, setores em destaque positivo, negativo e neutro

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Ômicron se espalha pelo mercado financeiro

Bolsas caem com especulação sobre efeitos da nova variante.

Últimas Notícias

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Petrobras: mais prazo de inscrição no novo Marco Legal das Startups

Interessados em participar do primeiro edital da Petrobras baseado no novo Marco Legal das Startups (MSL) poderão inscrever-se até o dia 12 de dezembro....

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Fitch Ratings atualiza metodologia de Rating de Seguros

A Fitch Ratings, agência de classificação de risco, publicou nesta sexta-feira relatório de atualização de sua Metodologia de Rating de Seguros. Segundo a agência,...

STF desbloqueia bens de Lula

Por maioria de três votos a um, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, nesta sexta-feira, desbloquear os bens do ex-presidente Lula...