Três perguntas: o setor aéreo brasileiro e suas perspectivas

Por Jorge Priori.

O setor aéreo brasileiro foi um dos que mais sofreu os efeitos da pandemia. Nas semanas de março e abril de 2020, as ações da Azul e da Gol despencaram na B3. Com o tempo, elas voltaram a se recuperar, mas ainda estão distantes das cotações pré-pandemia.

Apesar dos últimos meses não terem sido favoráveis, o setor aéreo brasileiro viu a organização da Itapemirim Transportes Aéreos (ITA), que já tem três A320 em sua frota, e que possui o início da sua operação previsto para o final de junho. Nos últimos dias, a Gol anunciou a compra da MAP Linhas Aéreas, empresa regional que opera nos estados do Amazonas e Pará. Também tivemos notícias sobre o interesse da Azul na compra da operação brasileira da Latam, classificado pelo Bradesco BBI como muito provável.

Para entendermos um pouco mais sobre as perspectivas do setor aéreo brasileiro, a recuperação deste setor no exterior e os principais pontos de atenção neste momento, conversamos com João Daronco, analista de investimentos (CNPI) da Suno Research.

 

Como está o setor aéreo brasileiro? Quais são as suas perspectivas?

O setor aéreo como um todo sofreu muito com a pandemia da Covid-19. Durante o último ano, tivemos uma disparada do dólar e do preço dos combustíveis, aliado a diminuição do fluxo de passageiros, o que causou quedas substanciais na lucratividade das empresas do setor. Vejo o curto prazo ainda imprevisível, mas a expectativa para o segundo trimestre de 2021 não é muito otimista.

Foi exatamente no segundo trimestre de 2021 que a Covid atingiu o pico e, apesar do número de novos casos ter tido leve declínio, ainda está em um patamar muito elevado. Se os números se mantiverem assim, poderemos ter o pior trimestre da Covid, em número de casos.

Mesmo assim, algumas empresas aéreas estão bastante otimistas, tendo em vista a curva de vacinação. E, de fato, se a vacinação correr bem, como o Ministério da Saúde afirma, podemos ver uma recuperação do segmento para o segundo semestre do ano.

Sobre o futuro das viagens aéreas, ainda é bastante incerto à luz da pandemia, especialmente em se tratando de viagens internacionais. As viagens a negócios também devem demorar a se recuperar, mais do que as viagens a lazer. Quando pegamos um histórico, vemos que as viagens a lazer demonstram rápida recuperação, enquanto as viagens a trabalho demoram anos para se recuperar.

Por exemplo, após o 11 de Setembro (2001), o segmento de viagens a trabalho demorou 4 anos para retornar aos níveis normais. Após a crise de 2008, esse segmento nunca se recuperou totalmente. Inclusive, antes da pandemia estava em níveis abaixo dos pré-2008. Isso sem mencionar a disseminação do trabalho remoto, acelerado pela pandemia. A McKinsey estima que, quando esse segmento se recuperar, estabilizar-se-á em 80% do patamar pré-Covid.

Dessa forma, o setor aéreo é totalmente dependente do controle da doença. Enquanto os números da Covid estiverem altos, as autoridades vão impor restrições, o que manterá o tráfego aéreo baixo. Tentar prever a recuperação do setor aéreo do Brasil é uma tarefa bastante desafiadora, mas acredito que teremos um destravamento deste segmento a partir do avanço da vacinação. O grande driver continua sendo o número de casos da Covid. À medida que a situação piora, as autoridades aumentam as restrições e o tráfego aéreo diminui.

 

Como está o processo de recuperação do setor aéreo no exterior?

O setor aéreo no exterior também sofreu bastante com a pandemia. A McKinsey estima que o tráfego aéreo só voltará aos níveis de 2019 por volta de 2024. A pandemia afetou muitos negócios, mas acredito que nenhum tenha sido tão afetado quanto o setor de transporte aéreo. O setor aéreo global teve receita de US$ 330 bilhões em 2020, 40% da de 2019, a mesma receita de 2000.

A queda de receitas afeta especialmente o setor aéreo pois esse tem custos fixos altíssimos. Manter as aeronaves paradas no chão custa muito às companhias. Inclusive, a queda do faturamento pode levar essas companhias a situações muito precárias ou até mesmo à falência.

Em relação à situação global, apesar de estar muito aquém dos níveis pré-Covid (quase 70%), nos últimos meses o setor tem mostrado uma recuperação, impulsionada pelas viagens domésticas, que apresentam queda de apenas 32% (2021 x 2019).

Porém, as viagens internacionais ainda estão muito em baixa. O tráfego de passageiros melhorou em março, mas permaneceu significativamente abaixo dos níveis pré-Covid, queda de 89% (2021 x 2019) devido às rígidas restrições de viagens.

Os Estados Unidos vêm se recuperando bem. Uma pesquisa realizada pelo Goldman Sachs mostra que os setores sensíveis à pandemia, como o setor hoteleiro e o aéreo, estão tendo uma forte recuperação no país, principalmente a partir de março e abril. O setor hoteleiro já está em 77% do faturamento pré-Covid. A recuperação deverá ser impulsionada pela campanha de vacinação em massa que vem ocorrendo no país.

Devemos aguardar e ver qual será o ritmo de recuperação que esses países deverão ter e a retomada das viagens internacionais.

 

Na sua opinião, quais são os principais pontos de atenção do setor aéreo brasileiro nesse momento?

Acredito que podemos dividir os pontos de atenção em quatro:

– Volatilidade do câmbio: Parte dos custos das companhias aéreas são dolarizados, o que faz com que a volatilidade do câmbio impacte diretamente nos seus resultados. Investidores desses segmentos deverão ficar atentos a como o câmbio irá variar e quanto isso irá impactar nas empresas aéreas.

– Volatilidade do combustível: O segundo ponto é a volatilidade do combustível. Durante a Covid, tivemos uma forte variação neste insumo, que representa grande parte dos custos das empresas aéreas.

– Segunda onda da Covid: Apesar de ainda estar bastante aquém dos níveis pré-Covid, o setor global está se recuperando. O Brasil é uma exceção a essa regra. O tráfego doméstico em março, diferentemente da maioria dos países, foi pior que o de fevereiro, apresentando uma queda de 54% YoY [sobre mesmo mês do ano anterior], ante 32% do mundo. Isso ocorreu devido à segunda onda da Covid, que impactou o mercado doméstico brasileiro. Caso tenhamos uma continuação desta segunda onda, ou até uma terceira onda, o setor pode ser bastante impactado.

– Andamento da vacinação: Por fim, temos a vacinação. Se o Brasil seguir o mesmo caminho dos EUA, o mercado deverá se recuperar fortemente em 2022. Existem algumas estimativas que colocam a pandemia no Brasil de 8 a 10 semanas atrás dos EUA. Eu sou um pouco mais pessimista quanto a isso. O andamento da vacinação é um fator ao qual os investidores devem estar atentos e deverá ter reflexo direto no setor aéreo.

Leia também

Três perguntas: cuidados com day trade, influenciadores e criptomoedas

Artigos Relacionados

B3 acolhe novo fundo gerido pela XP Asset

Aconteceu nesta terça-feira, na B3, o toque de campainha para comemorar o lançamento de mais um ETF (Exchange-Traded Fund), que é um fundo de...

Queda do bitcoin era um movimento esperado

A criptomoeda bitcoin teve uma queda abrupta e se aproximou de US$ 34 mil nesta terça-feira, pela primeira vez em cinco meses. O recuo...

TCU: Ferrovia Malha Oeste não presta serviço adequado

Falhas na fiscalização da ANTT permitiram degradação da linha.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

CVM lança novo Sistema de Gestão de Fundos de Investimento

A partir de 5 de julho, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) irá disponibilizar o novo Sistema de Gestão de Fundos de Investimento (SGF)....

B3 acolhe novo fundo gerido pela XP Asset

Aconteceu nesta terça-feira, na B3, o toque de campainha para comemorar o lançamento de mais um ETF (Exchange-Traded Fund), que é um fundo de...

Airbus e chinesa AVIC fazem parceria

Um projeto de equipamento de fuselagem do Airbus A320 foi lançado em conjunto pela Airbus e pela Aviation Industry Corporation of China (AVIC) nesta...

BID lança guia para ajudar na emissão de títulos sustentáveis

O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) lançou um guia para auxiliar e fomentar a emissão de títulos temáticos. O lançamento acontece por meio do...

Vivant lança lata comemorativa ao Dia Internacional do Orgulho LGBT

A lata estampa as cores do arco-íris e traduz o posicionamento da empresa sobre o respeito à diversidade.