Três perguntas: PIB do 2º trimestre – destaques e perspectivas

Por Jorge Priori.

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro no segundo trimestre de 2021, divulgado pelo IBGE, ficou praticamente estável, -0,01%, comparado ao primeiro trimestre deste ano. No total, o PIB somou R$ 2,1 trilhões (agropecuária, R$ 180 bilhões; indústria, R$ 410,4 bilhões, e serviços, R$ 1,3 trilhão). No primeiro semestre, a alta acumulada ficou em 6,4%.

Conversamos com Cecilia Machado, economista-chefe do banco BOCOM BBM, sobre a sua avaliação sobre o PIB divulgado, os destaques e a sua expectativa para 2021. Segundo o último boletim Focus, publicado pelo Banco Central no dia 30 de agosto, o mercado espera um crescimento do PIB de 5,22% para 2021 e de 2% para 2022.

 

Como você avalia o resultado do PIB do 2º trimestre?

O resultado do PIB do 2º trimestre veio abaixo das nossas expectativas e das expectativas do mercado, frustrando a percepção de que a economia no 2º trimestre continua em processo de recuperação acelerado.

 

Na sua opinião, quais foram os principais destaques positivos e negativos do PIB divulgado?

Entre os destaques negativos estão a queda da agropecuária (-2,8%) e uma recuperação do setor de serviços mais lenta (0,7%). O consumo das famílias, que responde pela maior parte do resultado, ficou estagnado (0%). A contribuição do setor externo foi positiva, e ele segue sendo o fator importante para a recuperação da atividade (as exportações de bens e serviços cresceram 9,4%, e as importações recuaram 0,6%).

 

Qual a sua expectativa para o PIB do 3º e 4º trimestre? Quais deverão ser os principais drivers? Por que o crescimento do PIB esperado para 2022 é menos da metade do crescimento do PIB estimado para 2021?

Esperamos crescimento de 5,2% para 2021, com a continuação da recuperação e a reabertura da economia neste 2º semestre devido ao programa de vacinação, que vem avançando consistentemente.

Em relação a 2022, a expectativa de crescimento é menor, já que a trajetória de aperto monetário tem efeitos contracionistas e há riscos no cenário fiscal e de energia.

Leia também:

Três perguntas: o mercado de educação financeira

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Campos Neto: BC vai rever para baixo crescimento do PIB para 2022

Última conta do BC era de alta de 2,1%.

Turismo deve fechar ano com aumento de 16% e faturamento de R$ 130 bi

FecomercioSP: valor é 22% inferior ao registrado no período de pré-pandemia.

Últimas Notícias

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Petrobras: mais prazo de inscrição no novo Marco Legal das Startups

Interessados em participar do primeiro edital da Petrobras baseado no novo Marco Legal das Startups (MSL) poderão inscrever-se até o dia 12 de dezembro....

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Fitch Ratings atualiza metodologia de Rating de Seguros

A Fitch Ratings, agência de classificação de risco, publicou nesta sexta-feira relatório de atualização de sua Metodologia de Rating de Seguros. Segundo a agência,...

STF desbloqueia bens de Lula

Por maioria de três votos a um, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, nesta sexta-feira, desbloquear os bens do ex-presidente Lula...