Três perguntas: Seguros – perspectivas, Open Insurance e SISS

Por Jorge Priori.

Conversamos sobre as perspectivas do mercado de seguros para 2022, as mudanças que serão geradas pelo Open Insurance e a discussão sobre a implantação das Sociedades Iniciadoras de Serviços de Seguros, SISSs, com Bárbara Possignolo, responsável pelas áreas de legislação e compliance da seguradora digital Pier e diretora presidente da Associação Brasileira de Insurtech.

Como você está vendo as perspectivas do mercado de seguros para 2022?

A perspectiva é que 2022 seja um ano movimentado para o mercado de seguros no Brasil de forma geral, assim como foi em 2021! Há muita coisa acontecendo envolvendo novas tecnologias e o mercado de seguros: as insurtechs da primeira edição do Sandbox ampliando as suas operações, as novas insurtechs entrantes na segunda edição do Sandbox, o Open Insurance avançando ainda mais neste ano e o início do compartilhamento de dados. Além disso, as incumbentes também estão abraçando projetos que envolvem novas tecnologias no mercado segurador.

Em 2021, tivemos uma forte flexibilização das regras aplicáveis ao mercado de seguros, ingresso de novos players e inserção de novas tecnologias. Assim, em 2022 devemos acompanhar o desenvolvimento de novos serviços e produtos, fortemente voltados para a melhor experiência do usuário.

O que deve mudar no mercado de seguros com o Open Insurance?

O Open Insurance nada mais é do que o compartilhamento de dados de usuário no mercado de seguros por meio de seu consentimento. Isso, na prática, significa que os dados dos usuários, que até então ficavam em posse das seguradoras, poderão ser compartilhados com outros players em benefício e interesse do consumidor.

No mercado de seguros, os dados do segurado são fundamentais para a aceitação e precificação adequada do serviço de seguro. No entanto, quando é realizada uma cotação, apenas alguns desses dados são informados, o que cria uma assimetria de informações e impossibilita que seguradoras que não tem o histórico completo deste cliente possam oferecer preços e serviços adequados ao consumidor. Imagine que esse consumidor poderá solicitar todos os dados que refletem o seu histórico de seguros e compartilhar com a seguradora que desejar? Ele será muito mais bem atendido, certo?

Assim, o Open Insurance possibilita que não apenas o consumidor seja precificado de forma correta, mas também que ele tenha a liberdade de escolher a melhor seguradora. Além disso, com esse compartilhamento de dados, viabiliza-se o desenvolvimento de novos produtos e serviços adequados ao perfil do consumidor.

Como está a discussão sobre a implantação da SISS? Qual a importância desse assunto?

A figura da SISS gerou bastante debate, pois é uma sociedade que tem um papel interessante no mercado de seguros. Pela iniciativa da Susep, essa sociedade irá atuar em prol do consumidor para trazer maior eficiência no mercado de seguros a partir do acesso aos dados históricos dos clientes. As SISS serão responsáveis pelos serviços de iniciação de movimentação no Open Insurance. Elas atuarão por meio da autorização do cliente, podendo contratar seguros, realizar endossos e avisos de sinistro em seu nome, utilizando inovação e tecnologia. Os corretores de seguros poderão atuar como SISS no mercado, caso desejem. A resolução sobre a SISS já foi publicada e está em vigor desde dezembro, mas ainda há alguns questionamentos sobre a sua atuação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Previdência privada é pouco usada; 92% dependem de recursos do INSS

Mais da metade dos brasileiros gostaria de parar de trabalhar com 60 anos, mas só 28% acham que vão conseguir.

Contas públicas ficaram positivas em R$ 4,3 bi em março

Segundo o BC, em 12 meses, o superávit primário chegou a R$ 122,8 bilhões.

Últimas Notícias

Brasil deverá atingir 12,5% da produção mundial de algodão até 2030

Segundo o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, em março, as cotações da commodity subiram em 5,41%.

TSE autoriza ‘vaquinha virtual’ para financiar candidaturas

Eleitores agora podem contribuir com os seus candidatos.

Botijão de gás poderia custar R$ 60

Segundo Fernando Siqueira, com média de R$ 114, aproximadamente, o botijão chega a custar até R$ 160.

IGP-10 varia 0,10% em maio

Queda verificada em abril e maio nos preços de grandes commodities agrícolas e minerais contribuiu para queda da inflação ao produtor.

Previdência privada é pouco usada; 92% dependem de recursos do INSS

Mais da metade dos brasileiros gostaria de parar de trabalhar com 60 anos, mas só 28% acham que vão conseguir.