Trinta anos de atraso

     
          No ritmo em que vão as obras, a meta de universalizar os serviços de água e esgoto no Brasil até 2030 vai ter que ser revista. “Só alcançaremos este sonho em 2060, principalmente porque o setor de drenagem está pouco contemplado”, alerta Édison Carlos, do Instituto Trata Brasil. O Plano Nacional de Saneamento Básico (Plansab) prevê um gasto de R$ 270 bilhões para alcançar a universalização. “Hoje temos R$ 55 bilhões disponíveis para o setor e não conseguimos gastar nem a metade disto”, alerta o pesquisador.
Ainda segundo a apresentação do Instituto Trata Brasil no 26º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, as maiores cidades brasileiras produzem, em média, 5 bilhões de litros de esgoto por dia.

Lodo
O Brasil é a oitava maior economia do mundo, mas ocupa vergonhosa  67ª posição no ranking mundial de países com acesso a esgoto, de acordo com dados da Organização das Nações Unidas (ONU). A lista inclui 177 países. Dados do Ministério das Cidades mostram que menos de 44% da população brasileira está ligada a uma rede de coleta de esgoto e somente um terço do esgoto coletado é tratado, índices abaixo de países como Etiópia, Nigéria e Sudão.

Receita polêmica
Como disse a nota “Receita Paes”, a aprovação do Projeto de Lei 1.055/11 pela Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro é polêmica. Tanto que esta coluna recebeu mensagens contestando a posição do Sindicato dos Profissionais da Educação (Sepe). A Assessoria de Comunicação Social do Previ-Rio escreveu que não procede a informação publicada nesta terça-feira no MONITOR MERCANTIL de que o Projeto de Lei 1005/11 acaba com o Funprevi. Trata-se de um projeto de capitalização; o objetivo é justamente o contrário, impedir que os recursos do Fundo acabem. O texto pode ser verificado na página da Prefeitura: www.rio.rj.gov.br. O Funprevi continua a existir após a aprovação do PL.” Outro leitor bateu na mesma tecla, contestando ainda a denúncia de uso de verbas de Educação e Saúde para pagar aposentados.

Reduzir a dependência
Subjugado militarmente, o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, decidiu reduzir, ao menos, a dependência econômica dos palestinos em relação ao exterior. Após assistir a  mais uma demonstração prática de que lado estão os Estados Unidos na disputa com Israel, Abbas anunciou que pretende emendar o Protocolo de Paris, um anexo aos Acordos de Oslo, firmado com os israelenses em 1993. Para o presidente palestino, o acordo é “injusto” e impede o desenvolvimento da economia dos territórios ocupados: “Nosso objetivo é acabar gradualmente com a dependência da ajuda internacional”, afirmou Abbas, destacando a necessidade de seu povo desenvolver a indústria e a agricultura.

Submissão
Os Protocolos de Paris estabeleceram as relações econômicas entre Israel e a Organização para a Libertação da Palestina (OLP) por um período de cinco anos até a assinatura de um acordo completo de paz em 1999, o que, nunca, porém, se efetivou. Eles determinam, por exemplo, que Israel repasse para a ANP taxas e alfândega que cobra de cidadãos palestinos. Israel, no entanto, congelou o repasse em algumas ocasiões, como retaliação a ações dos palestinos que lhe desagradaram. Os protocolos também tratam do acesso palestino ao mercado de trabalho do vizinho, via  um sistema de permissões e restrições ao comércio dos primeiros com o restante do mundo, o que, segundo a OLP nem sempre é respeitado por Israel.

Bizarrice
Com a queda de 0,05 ponto percentual, em agosto, os juros do cheque especial no Brasil ficaram em “apenas” 187% ao ano, para os incautos e/ou sem alternativa que recorrem a esse tipo de financiamento. A tarifa é 28,7% vezes superior ao teto da meta da inflação oficial, de 6,5%, para 2011. Quem tentar explicar essa assimetria a um estudante de economia estrangeiro corre o risco de passar por doido ou despreparado.
     
     

Artigo anteriorO mundo é deles
Próximo artigoVocê amanhã
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Salário mínimo baixo, gasto do Estado alto

Nos EUA, assistência a trabalhadores que ganham pouco custa US$ 107 bi por ano ao governo.

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

Dois mitos sobre a Petrobras

Mídia acionada pelo mercado financeiro abusa de expedientes que ataca quando usados por bolsonaristas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.