Trump quis trocar liberdade de Assange por revelação de fonte

Esse é um dos argumentos-chave que Assange está usando em tribunal londrino para lutar contra a extradição aos EUA.

Internacional / 22:20 - 18 de set de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A administração de Donald Trump ofereceu liberdade para Julian Assange caso ele revelasse a fonte por trás dos vazamentos de e-mails do Partido Democrata. A informação é da advogada do fundador do WikiLeaks, oferta que teria sido feita através do congressista norte-americano Dana Rohrabacher e um representante do presidente dos EUA durante um encontro na Embaixada do Equador em Londres em 15 de agosto de 2017.

A proposta “era que o sr. Assange identificasse a fonte das publicações eleitorais de 2016 em troca por alguma espécie de perdão, garantia ou acordo que tanto beneficiasse o presidente Trump politicamente como prevenisse o indiciamento pelos EUA e a extradição”, publicou a Bloomberg citando a advogada.

A alegada oferta feita pelo governo norte-americano é um dos argumentos-chave que Assange está usando em tribunal londrino para lutar contra a extradição aos EUA e possível condenação naquele país.

Durante a campanha eleitoral presidencial da democrata Hillary Clinton em 2016, o WikiLeaks publicou uma série de e-mails do DNC danificando a imagem de Hillary, no que a inteligência dos EUA considerou uma operação hacker da Rússia para influenciar na eleição.

Assange é acusado de conspiração para obter e tornar públicos documentos classificados passados para ele pela ex-analista de inteligência do Exército dos EUA Chelsea Manning. Os documentos, que incluíam relatórios do Departamento de Estado americano sobre a ação militar do país no Iraque e Afeganistão, foram publicados pelo WikiLeaks em 2010 e 2011.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor