Truque estatístico

     
               
          A tese de que o Brasil viveria um superaquecimento da economia implica a remoção do período mais agudo da crise das estatísticas da economia do país. Enquanto muitos economistas projetem que a indústria teria crescimento de 11% a 13% em 2010, pouco ressalvam que esse incremento se dará sobre uma base comprimida, pelo encolhimento de 7,4%, em 2009. Feito o desconto, tem-se uma indústria que avançaria 5% a 6%, avanço longe de poder ser considerado espetacular.

“Os progressistas”
Com o Governo Lula aproximando-se do fim, cresce o número de economistas que, se reivindicando desenvolvimentistas, defendem cortes drásticos nos gastos públicos como uma espécie de swap com a nova escalada da taxa básica de juros (Selic) que o Banco Central ameaça perpetrar. Argumentam que, além de substituir com vantagens o aumento dos juros, a tesourada nos gastos teria efeito mais imediato para inibir o crescimento. Ao aceitarem a condução do debate nesses termos, consciente ou inconscientemente, reforçam o argumento meirelliano de que o Brasil estaria fadado a taxas de crescimento medíocres, contrariando as médias históricas atingidas durante meio século, entre 1930 e 1980; a partir desta década, a adesão a políticas anticrescimento cresceu no país.
Não é preciso ter lido Keynes para, como ensina um homem prático, como o vice-presidente José Alencar, entender que nosso país padece de subconsumo e não de crescimento excessivo. Com carências seculares e produção constrangida por um mercado interno de baixa elasticidade, é natural que qualquer estímulo ao aumento do consumo, via alta real do salário mínimo ou da expansão do crédito, tenha respostas imediatas da demanda. Tal incremento, no entanto, é bastante distinto do observado em mercados maduros, nos quais grande parte das necessidades básicas e mesmo de consumo de bens duráveis estão, em essência, atendidos – noves fora, claro, os bolsões de pobreza mantidos longe dos olhos do público interno e externo.
Quando economistas do mercado financeiro defendem a patuscada de que, via alta do juros e/ou do corte de gastos públicos, o crescimento brasileiro deve ser limitado a suposto PIB potencial de 3%, cumprem um script a serviço de interesses bastante bem definidos: limitar o avanço do setor produtivo, para que continue a cevar rentistas e especuladores, que, anualmente, amealham um Bolsa Juros na faixa de R$ 160 bilhões. Qualquer avanço acima desse patamar, bem como a ampliação dos gastos públicos em infra-estrutura e políticas sociais, representa uma trava na transferência de recursos para o setor financeiro.
E quando economistas que se reivindicam progressistas argumentam que essa equação seja mantida via cortes de gastos públicos? Qual é sua intenção? Capitulação ideológica ou manutenção das franjas que ocupam distantes do centro decisório do governo?

Posse
A nova diretoria do Sindicato dos Corretores de Seguros do Estado de São Paulo (Sincor-SP) toma posse no dia 10, às 19h30, no Grande Auditório do Palácio das Convenções do Anhembi, em São Paulo. Eleito presidente da entidade para o triênio 2010/ 2013, Mário Sérgio de Almeida Santos comandará o maior sindicato da categoria do país, com 11 mil associados.

Faxina
Depois do Guandu, a Nova Cedae, companhia de saneamento do Rio de Janeiro, realiza nesta sexta-feira, a partir das 5h, manutenção preventiva na Estação de Tratamento de Água (ETA) de Imunana-Laranjal, em São Gonçalo. Os serviços devem estar concluídos até as 5h de sábado. A empresa pede que os moradores de Niterói, Itaboraí e São Gonçalo, além da Ilha de Paquetá, economizem água.

Ressignificações
Não são apenas as balas de Israel que provocam assassinatos no Oriente Médio. Uma de suas principais aliadas, a imprensa internacional – secundada por seus escribas replicadores nos países periféricos – também promove cotidianamente assassinatos simbólicos, suavizando ou carregando nas cores a depender da origem da vítima. Assim, os ativistas que perderam a vida na flotilha atacada por militares israelense são retratados como mortos, em vez de assassinados. É uma forma de assepsia jornalística em que, ao se tentar ocultar os agentes causadores da morte, busca-se naturalizar a causa do óbito das vítimas. Diferentemente, quando a violência atinge judeus, estes são sempre apresentados como assassinados, nunca como apenas mortos.
     
           
     

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorReceita do FMI
Próximo artigoRelações carnais

Artigos Relacionados

Europa admite 2 pesos na crise na Ucrânia e em Gaza

Cinismo típico da mentalidade colonial

Petróleo sob disfarce de direitos humanos

China descobre grande reserva na Região de Uigur, alvo das ‘preocupações’ dos EUA.

Ameaça de demissões expõe crise na Saúde

Piso de menos de 4 SM para enfermagem revela desvalorização.

Últimas Notícias

Anatel recebe cerca de 1 milhão de queixas

Reclamações foram contra serviços de telefonia, internet e TV.

Europa admite 2 pesos na crise na Ucrânia e em Gaza

Cinismo típico da mentalidade colonial

Ação civil para incluir fonte solar em leilão de energia

Associação do setor fala em 'tratamento isonômico para empreendimentos fotovoltaicos participarem de leilões do Governo Federal.'

‘Política do calendário eleitoral reduz preço da gasolina’

Combustível recuou quase 10%; para Deyvid Bacelar, Bolsonaro tirou do preço o ICMS, que ia para escolas, hospitais... mas não mexeu no PPI'.

Freixo começa campanha anunciando aumento do salário mínimo regional

Fecomércio diz que 'não se aumenta salário por decreto': 'uma economia que gera emprego é o caminho para melhorar a renda do trabalhador.'