30.7 C
Rio de Janeiro
domingo, janeiro 24, 2021

Tô nem aí

Com a marolinha da crise prestes a virar uma tsunami também no Brasil, o país marcha para as urnas domingo como se a esmagadora maioria dos candidatos vivesse em Marte. Praticamente nenhum dos políticos que concorrem às principais prefeituras em disputa no segundo turno disse uma só palavra sobre as consequências da crise no Orçamento da cidade que pretende administrar. A omissão dos candidatos, cada vez mais parecidos na sua pasteurização produzida por marqueteiros, serve apenas para aumentar o processo de despolitização no país e, et por cause, aumentar o descrédito nos futuros eleitos.

Segurar os anéis
Sistemas mais eficazes na retenção e fidelização de clientes, usando técnicas de data mining e automação de gerenciamento de campanhas estão em alta e motivaram parceria entre a IBM do Brasil e a DNMCA, empresa de consultoria e desenvolvimento de negócios que acaba de receber a certificação internacional D-U-N-S. Preocupada com a portabilidade da telefonia móvel, a TIM Brasil foi uma das primeiras a fechar contrato com as duas empresas, de olho na manutenção dos seus mais de 35 milhões de clientes.

Casa própria
A concessão de crédito imobiliário consignado aos servidores é uma reivindicação histórica do Sindsprev/RJ, que espera que as taxas oferecidas sejam compatíveis com a renda e as possibilidades dos trabalhadores. O sindicato que reúne servidores da previdência comentou dessa forma a celebração de convênio entre o Ministério da Previdência, Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil para crédito/financiamento imobiliário consignado aos servidores (ativos e aposentados) em todo o país.
Segundo o ministro José Pimentel, o convênio será firmado em 31 próximo, beneficiando diretamente trabalhadores do INSS, Ministério da Previdência (MPS) e Dataprev, que poderão utilizar os recursos na compra de imóveis novos e/ou usados.

Prestígio
Caso o candidato do PMDB a prefeito do Rio, Eduardo Paes, não vença as eleições de domingo, o governador do estado, Sérgio Cabral (PMDB), será o grande derrotado do pleito deste ano. Antes da definição sobre a capital, Cabral já viu seus candidatos serem batidos, ainda no primeiro turno, nas principais cidades do Rio, como Niterói, São Gonçalo, Caxias, Nova Iguaçu e São João de Meriti. Já se a eleição fosse nas redações de alguns jornalões ou nas capitais européias que costuma freqüentar, Cabral seria um dos favoritos.

Para médicos
O Hospital Pró-Cardíaco está com inscrições abertas para o II Curso de Ecocardiografia Bidimensional e Doppler, voltado para médicos. Com coordenação do médico Arnaldo Rabischoffsky, o curso será realizado de 3 de novembro a 11 de dezembro, das 16h às 18h30 (parte teórica) e das 18h30 às 20h (parte prática). O custo é de R$ 5 mil. Informações pelos telefones (21) 2131-1444 /2131-1470 ou procep@procardiaco.com.br.

Mídia livre
Tendo a defesa do fortalecimento da mídia livre e de políticas públicas democráticas de comunicação e a realização da Conferência Nacional de Comunicação como principais bandeiras, o Fórum Mídia Livre acaba de lançar o Manifesto da mídia livre. O documento tem apoio de jornalistas, acadêmicos, movimentos e entidades sociais, veículos de comunicação, como o MM, entre outros defensores da pluralidade da informação. O documento completo pode ser acessado no endereço http://forumdemidialivre.blogspot.com/2008/10/manifesto-da-mdia-livre.html

Auto-reprodução
Apenas para exemplificar a concentração da mídia no Brasil, registre-se que, ano passado, os recursos do mercado publicitário no país atingiram cerca de R$ 19 bilhões, número que não contabiliza os R$ 7 bilhões destinados à produção de comerciais. No mesmo período, a televisão levou 59,2% desse bolo, enquanto a produção escrita brasileira ficou com 25%. O Movimento Mídia Livre critica essa desproporção, especialmente em relação à destinação de verbas públicas, cuja distribuição repete os padrões de mercado ao optar por divulgar campanhas nos mesmos veículos, reforçando a concentração.

Salve-se quem puder
Um executivo de uma grande empresa – e põe grande nisso – em negociação com bancos ficou abismado com as exigências e obstáculos que as instituições financeiras estão levantando. Ele comentou: “Se estão assim para as grandes, tenho pena só de pensar no que está ocorrendo com empresas pequenas”.

Marcos de Oliveira e Sérgio Souto

Artigo anteriorSó em 2011
Próximo artigoMico preto
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Incerteza da população ou dos mercados?

EUA e Reino Unido espalham suas expectativas para os demais países.

É hora de radicalizar

Oposição prioriza impeachment, mas sabe aonde quer chegar?.

Soja ameaça futuro do Porto do Açu

Opção por commodities sobrecarrega infraestrutura do país.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.

Primeira prévia dos PMI’s e avanço da Covid-19

Bolsa brasileira sucumbe ao terceiro dia de queda, mediante aos temores fiscais.

Exterior em baixa

Queda acontece em meio às preocupações com problemas para obtenções de vacinas.

Más notícias persistem

Petróleo negociado em NY mostrava queda de 2,60% (afetando a Petrobras), com o barril cotado a US$ 51,75.

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.