Tímido

A falta de aptidão da atual equipe do Itamaraty em negociar soberanamente provoca fatos inusitados. O subsecretário para Assuntos de Integração do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, embaixador José Alfredo de Graça Lima, vê como um “trunfo” na negociação com os europeus o fato de os países do Mercosul praticarem tarifa externa para produtos industriais de 20% – inferior à permitida pela Organização Mundial do Comércio, que é de 35%. Concessões unilaterais como essa é que levaram a indústria dos países da região para o buraco – e agora, a União Européia deseja ainda mais vantagens para exportar produtos de alta tecnologia e grande valor agregado para cá, enquanto prometem reduzir os subsídios para produtos agrícolas e retirar algumas barreiras que permitiriam aos membros do Mercosul aumentar a venda de produtos primários.

Prego
Quem estiver “enforcado” neste final de mês e precisar colocar as jóias no prego vai ter pelo menos um alívio: a Caixa Econômica Federal está cobrando, desde sexta-feira, juros mais baixos em algumas das suas linhas de crédito. A maior queda aconteceu no penhor, que teve suas taxas reduzidas numa média de 15%. Para empréstimos até R$ 300 os juros baixaram de 3,6% para 3,1%. Acima deste valor, de 4,5% para 3,8%. A redução geral atingiu cartão de crédito (de 11,70% para 10,30% a 10,50%), desconto de duplicatas (que variava de 3,85% a 4,65% e passou para 3,25% a 4,10%), desconto de cheques (de 3,85% a 4,15% passou para 3,65% a 4,10%) e crédito especial empresa (de 4,55% a 4,85% passou para 3,90% a 4,55%). Claro, as taxas são mensais, e não anuais, como poderia pensar um norte-americano distraído.

Constrangimento
As feridas abertas na Europa pela invasão da Iugoslávia pela Otan estão longe de estarem cicatrizadas. Conhecido economista e acadêmico do Rio recebeu um pedido formal  de desculpas de seus sogros dinamarqueses pela participação dos europeus nas tropas da Otan: “O pessoal mais velho da Europa ainda leva muito a sério essas coisas”, surpreendeu-se o economista.

Dos resultados
Existem várias maneiras de se estabelecer juízo de valor quando se depara com partes em contenda. Dificilmente, porém, um tão eficaz quanto o permitido pelos resultados finais. Claro que isso não dá conta de todas as razões em conflito, mas é bastante ilustrativo.
A decisão do Supremo Tribunal Federal de pôr um freio à ação das CPIs fornece estudo de caso significativo do confronto entre intenções e fatos. Excluída a hipótese de  hedge contra a CPI do Judiciário, não é aceitável que disputas legítimas sobre enfeixe de poderes resultem, não em maior temor por parte de colarinhos brancos, mas em aumento do ceticismo dos brasileiros.
Claro, que o Supremo sempre poderá expor argumentos tão diversos quanto consistentes. Nenhum, porém, tão convincente quanto os que deixem corruptos mais insones e a sociedade com sono mais tranqüilo.

Bocão
De Roberto Campos neste fim de semana nas colunas que costuma assinar: “É importante que todos entendam que não pode haver boca livre no país.” Privatista para efeitos de consumo ideológico, Campos acumula o cargo de assessor especial da Prefeitura do Rio e conselheiro do BNDES. Mais uma vez, o velho Bob Fields comprova que só defende  austeridade para os outros.

Serviços negados
O mega engarrafamento de domingo, devido à decisão da Taça Brasil, entre Botafogo x Juventude, realçou mais uma vez ineditismo revoltante: o Rio é das raras metrópoles do mundo sem transporte de massa em dia de grandes eventos aos domingos. Já passou da hora de o governador Garotinho cobrar do Metrô a volta do funcionamento dos trens em dias de jogos. Como, aliás, ocorria, antes de a companhia ser privatizada.

O Partido dos Trabalhadores já admite publicamente apoiar a bandeira de Brizola e defender a renúncia de FH. Até agora, o PT vinha trabalhando unicamente na campanha do impeachment do presidente, devido ao envolvimento de FH com o escândalo das privatizações das telefônicas. O slogan “Fora FHC” passa a fazer parte dos documentos do PT e outros partidos que formaram a frente de esquerda que apoiou Luís Inácio Lula da Silva na última eleição para a Presidência da República. A decisão foi tomada ontem, após reunião da frente em São Paulo.

Decisão
O senador Antonio Carlos Magalhães garantiu ontem que os ministros baianos não sairão do Governo, mesmo após uma reforma ministerial. ACM disse que não existem ministros intocáveis, mas que os competentes – categoria em que ele enquadra Waldeck Ornellas e Rodolpho Tourinho – não serão demitidos. Declarações como essa parecem dar razão a Luís Fernando Veríssimo que, em editorial no número 2 da revista Bundas, falava no delírio do ex-senador Fernando Henrique Cardoso que anda de um lado para o outro dizendo-se presidente da República e declarando que quem manda é ele.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCautela
Próximo artigoRebelião

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Seven Tech: Mais de 2,5 milhões de cartões de crédito até 2023

Com operações em seis países e presença em três continentes (Europa, África e América Latina), o Seven Tech Group, que nasceu como Software house...

Indústria de fundos está pronta para investimentos sustentáveis

É hora de a própria indústria de fundos, por meio de iniciativas de autorregulação, preencher o gap regulatório que ainda existe em torno dos...

Índice da B3: Empresas com melhores práticas no mercado de trabalho

A B3, bolsa do Brasil, e a consultoria global, Great Place to Work, anunciaram nesta terça-feira a criação de um novo índice com foco...

Comissão debate venda da Oi Móvel para outras operadoras

A Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados promove audiência pública nesta quinta-feira (21) para tratar da venda da Oi Móvel...

CVM: Acordo de R$ 300 mil após autodenúncia de infração

O Colegiado da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) analisou, em reunião nesta terça-feira, propostas de Termo de Compromisso dos seguintes Processos Administrativos (PA)...