Turbulências

Para mostrar que as novas matrizes renováveis de produção de energia, como a eólica, são insuficientes para atender à demanda no Brasil, o diretor-geral de Itaipu, Jorge Samek, lembrou que o vento nem sempre sopra a favor da produção: “O vento é filiado à CUT, de vez em quando faz greve. Daí a importância das hidrelétricas na matriz brasileira”, defende com bom-humor Samek.

Mais seguras
Sobre o impacto ambiental que seria causado pelas novas hidrelétricas, o diretor-geral de Itaipu disse que Turucuí possui “usinas plataforma” que se deslocam. E acrescentou que o grau de utilização do território em relação à floresta é de um centésimo. Samek defendeu ainda a renovação das atuais concessões no setor elétrico: “Uma usina envolve muita coisa e, ao saber que passará adiante a concessão, o concessionário acaba não fazendo investimentos de médio e longo prazo, resultando no sucateamento, como ocorreu com a Light pré-privatização”, lembrou.

Além da ficção
Além de mostrar que, para os brasileiros, o que combate a pobreza é, principalmente, gerar emprego, o estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) sobre a percepção da pobreza expõe outra dessintonia entre a população e representantes da elite. Diferentemente dos criadores da “nova classe média” (NCM), para os quais residências que, independentemente do número de pessoas que abrigam, se tiverem renda de R$ 1 mil se constituem como a NCM, para os brasileiros do mundo real é preciso ter renda familiar mensal de R$ 2.090 para não ser considerado pobre, considerando uma família com, no mínimo, quatro membros.

Além da ficção 2
Isso significa uma renda familiar per capita de R$ 523: “Quando se compara esse valor à atual linha de pobreza, observa-se que ele é aproximadamente 3,5 vezes maior que o utilizado na operacionalização do Programa Bolsa Família (R$ 140) e 7,5 vezes a linha da extrema pobreza (R$ 70)”, destacou o Ipea no texto em que analisa a pesquisa.
Já entre os mais ricos, a renda per capita mínima para não ser considerado pobre é de ser de R$ 725; e, entre os mais pobres, de R$ 385.

Natal borbulhante
O setor de vinhos, espumantes, sidras e fermentados de frutas prevê que cerca de 60% da produção de espumantes nacional sejam comercializados no último trimestre. De janeiro a outubro, as vendas de espumantes das vinícolas gaúchas superaram em 8% o movimento do mesmo período do ano passado. Se incluídos os vinhos finos e de mesa, o crescimento das vendas sobe a 9,5%, com produção total de 198,6 milhões de litros.

Lata vira livro
“Troque uma latinha por um livro.” A campanha, que a Associação Semente Vida (ASVI), localizada na Cidade Deus, realizará até março de 2012, tem como objetivo estimular a leitura infantil e conscientizar os jovens sobre os cuidados com o meio ambiente. Cada latinha que as crianças encontrarem jogada na rua será trocada por um livro. O Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Rio (Sescon-RJ) está arrecadando livros infantis e infanto-juvenis para ajudar a campanha. Os interessados em participar devem realizar as doações na sede do Sescon-RJ (Avenida Passos 120, no Centro do Rio de Janeiro), no horário comercial.

Lição do Barcelona
Não é apenas o jornalismo econômico que, com a crise, passou a defender, com naturalidade, propostas até então demonizadas por ele, como o aumento dos gastos públicos. Também impressiona os analistas da mídia tupiniquim a ligeireza com que a imprensa esportiva, que elevara Neymar ao patamar de gênio, tenha esquecido os exagerados e precoces elogios derramados sobre o jovem e, por enquanto, apenas bom atacante do Santos. Ao mesmo tempo, os defensores do futebol pragmático ainda não explicaram o que os levou a passarem a defender o bonito e eficiente jogo praticado pelo Barcelona.

Artigo anteriorVai piorar
Próximo artigoBye, bye terrinha!
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

Dois mitos sobre a Petrobras

Mídia acionada pelo mercado financeiro abusa de expedientes que ataca quando usados por bolsonaristas.

Mudar preços implica parar venda de refinarias

Mercado financeiro cobrará deságio, e Petrobras precisa de ativos para poder operar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Preços dos carros mais vendidos subiram 9,4% em média em um ano

Com 18,23% de variação, Renault Kwid foi o que mais subiu de preço entre os 13 mais vendidos.

PEC Emergencial pode sair da pauta do Senado desta quinta

Parlamentares resistem a cortes na saúde e educação e propõem votar apenas questão do auxílio emergencial.

Desdobramentos da intervenção na Petrobras

Percepção é de que o 'superministro' de Bolsonaro pode estar ficando cada vez mais isolado.

IPCA-15 de fevereiro ficou abaixo da expectativa

Índice mostra variação mais fraca que o esperado em alimentação, educação; já saúde e transportes vieram mais fortes que a expectativa.

Tentativa de superação

Ontem foi dia de recuperação da Bovespa, liderada pelas ações da Petrobras, Eletrobrás e setor bancário.