Turismo do Brasil em queda, diz Fórum Mundial

Até o pessoal da turma do Guedes reconhece que país regrediu, e foi antes da Covid.

A crise trazida pela pandemia acertou em cheio o setor de turismo. Na América Latina e Caribe, o Conselho Mundial de Viagens e Turismo estima que a indústria é responsável por 10,2% do PIB. Em abril, o Conselho estimou que a região poderia perder US$ 110,2 bilhões em viagem e turismo (T&T) devido à crise, o que representa uma queda de mais de 30% no PIB de T&T, comparado a 2019.

No ano passado, antes da Covid-19, de 21 países da América Latina e Caribe cobertos em relatório do Fórum Econômico Mundial, 12 aumentaram a competitividade em viagem e turismo (T&T) desde 2017. O México continua sendo o líder na região e passou a figurar entre os 20 primeiros colocados globalmente pela primeira vez desde o início do relatório. O país melhorou 3 posições no mundo desde o ranking de 2017.

O Brasil, segundo na região, foi na contramão: caiu 5 posições globalmente, para a 32ª posição. Vale ressaltar que o discurso do Governo Bolsonaro é o de retomar a “credibilidade” do país. E vem um ranking do Fórum Econômico Mundial, modelo para Guedes e cia., mostrar que o resultado foi exatamente o contrário.

Não dá para culpa apenas o inglês de cursinho online do presidente da Embratur. O conjunto de atitudes do governo, que vão do meio ambiente às relações externas, têm o papel central. A inoperância e amadorismo, também. Além disso, o aumento da pobreza causado pela política econômica fundamentalista afasta viajantes. Conforme comprovado em inglês, dito pelos ídolos do financismo.

Com o negacionismo da Covid-19, a tendência é piorar. De acordo com Christoph Wolff, diretor de mobilidade do Fórum Econômico Mundial, a Europa e outros países com recursos de saúde mais abundantes são mais propensos a conter e gerenciar casos de coronavírus do que outros países com recursos de saúde menos desenvolvidos, o que pode acelerar a reabertura segura de seu setor turístico. Atualmente, os números de leitos em hospitais da América Latina e Caribe são especialmente baixos, com 42% menos leitos em comparação com a média global, o que tem dificultado muito a capacidade de reabertura da região, na avaliação de Wolff. Além disso, as partes envolvidas devem reconhecer a necessidade de considerar a sustentabilidade ambiental e socioeconômica em suas tomadas de decisão.

 

Economia popular

Nesta quinta, às 10h será lançado o Plano de Recuperação da Economia Popular, em audiência pública na Câmara de Belo Horizonte. A proposta, elaborada por diversas entidades, instituições, movimentos sociais e parlamentares, traz diagnóstico do setor e propõe políticas de curto, médio e longo prazos.

Desde abril, ao menos 60 milhões de brasileiros recorreram ao auxílio emergencial para manter-se e manter suas famílias. Apenas esse número seria suficiente para dar a medida da situação dramática e emergencial em que vive mais de ¼ da população em todo país.

São propostas medidas de inclusão produtiva para minimizar os efeitos da crise econômica e sanitária que põe em risco a vida de milhares de pessoas. O Plano e a lista inicial das entidades que o subscrevem pode ser acessado na plataforma economiapopular.com.br. O lançamento na Câmara de BH será transmitido em cmbh.mg.gov.br/assunto/assista-online

 

Deus ex-machina

A oposição a Bolsonaro parece esperar um acontecimento improvável e inesperado que vá tirá-lo do poder. O último da série é a ameaça de punição pelo Tribunal Penal Internacional. Mais útil e realista seria entrar firme no debate econômico pós-pandemia.

 

Rápidas

Até 31 de julho, a Escola de Direito da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) promove uma série de cursos de curta duração com foco no aperfeiçoamento dos profissionais do mercado. Informações aqui *** Na reabertura do comércio, o DarkCoffee inaugura ponto no Centro do Rio de Janeiro, com destaque para a cafés preparados em diferentes métodos *** No mês do Mandela Day, que é comemorado em 18 de julho, a Aspen Pharma, filial brasileira da farmacêutica sul-africana, doou materiais e equipamentos de costura para capacitação e independência financeira de mulheres refugiadas através da empresa de impacto social Mulheres do Sul Global, localizada no Rio de Janeiro *** O Caxias Shopping recebeu pela sexta vez o Prêmio Consumidor Moderno, que reconhece as empresas que são referência no relacionamento com clientes.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Engie valerá R$ 2,5 bi a mais após acordo com Aneel

Semana passada, o Monitor noticiou que a proposta da Aneel de repactuação do risco hidrológico (GSF) deixaria a conta a ser paga pelo pequeno...

Apelo de Biden ao multilateralismo fica sem crédito

Na ONU, presidente dos EUA desmente mundo dividido em blocos rígidos.

Fintechs e bancos disputam quem cobra mais

‘Não temos vergonha de sermos bancos’, diz Febraban; mas deveriam.

Últimas Notícias

Receita apreende mercadorias piratas avaliadas em R$ 1 milhão

Foram apreendidos na operação 170 volumes de mercadorias englobando videogames e acessórios, roteadores, entre outros.

Prorrogada a CPI dos royalties do Rio por 30 dias

Prorrogação do prazo se deve à complexidade da matéria e aos vários documentos requisitados que ainda estão sendo recebidos pela comissão.

Governo dos EUA se prepara para paralisação na semana que vem

Em outra frente de luta, líder democrata Nancy Pelosi anuncia acordo sobre pacote de Biden.

Alimentos são direito, não mercadoria, diz ONU

Três bilhões de pessoas não podem pagar uma dieta saudável.

PEC 32: Comissão da Câmara aprova texto-base da reforma administrativa

Proposta do relator tem terceirização e privatização do serviço público.