Uber Eats se une ao Rappi e à Abrasel contra iFood

Após o aplicativo Rappi questionar os contratos de exclusividade firmados pelo iFood com restaurantes, agora a Uber Eats entrou com uma representação no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). As informações são do Jornal Giro News. Segundo o portal, “o objetivo é participar como terceiro interessado no processo aberto – além do Rappi, a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) também processou a plataforma. As empresas afirmam que os contratos de exclusividade do iFood se caracterizam como conduta anticompetitiva, pois os restaurantes que se unem a outras plataformas são penalizados pelo aplicativo. Segundo a Uber Eats, o iFood possui de 75% a 85% de participação no mercado de delivery de comida, com cláusulas de exclusividade com 55% dos restaurantes considerados Top 100 do Brasil e seis das 10 maiores pizzarias de São Paulo.

Já segundo a pesquisa Shopping During The Pandemic, realizada pela Ipsos com entrevistados de 28 países, 47% dos brasileiros têm feito mais compras pela internet do que antes da pandemia. No mundo todo, são 43%.

Os respondentes que mais aumentaram a frequência com que fazem compras online, desde o início da crise sanitária, foram os do Chile (59%), Reino Unido (55%), Turquia e Coreia do Sul (54%). Enquanto 47% das pessoas no Brasil estão comprando mais pela internet, 17% relataram comprar menos e 36% compram tanto quanto antes.

Com o aumento das compras em plataformas digitais, 36% dos entrevistados no país disseram que estão comprando menos em lojas pequenas, de comércio local, se comparado ao período pré-pandemia. Por outro lado, 49% afirmaram ir a lojas tanto quanto antes e 15% têm frequentado tais estabelecimentos com mais frequência do que antes da crise do novo coronavírus. No que diz respeito aos hábitos de compra, o brasileiro tem evitado frequentar lojas locais mais do que a média das nações. No mundo todo, o percentual de pessoas que tem saído menos para comprar em comércios da proximidade é de 30%.

Globalmente, as pessoas com poder aquisitivo mais alto tiveram o crescimento mais significativo nas compras virtuais: 49% fazem mais compras pela internet do que antes. Entre os respondentes de baixa renda, são 37%; na classe média, são 43%.

O perfil que mais aderiu, além de ser de alta renda, é também majoritariamente feminino e jovem. De todas as participantes do estudo, 45% disseram estar comprando mais pela internet, contra 41% dos homens. Além disso, 45% dos entrevistados com menos de 35 anos aumentaram o consumo virtual na pandemia, contra 40% entre os mais velhos, de 50 a 74 anos.

Assim como a ida às lojas físicas, o brasileiro tem evitado comer fora mais do que o resto do mundo. Dos respondentes do país, 67% declararam estar indo a restaurantes locais com menos assiduidade do que antes. Considerando todas as nações, são 63%.

Apesar da queda da clientela nos salões dos restaurantes de bairro, apenas 1 entre cada 4 brasileiros (25%) disse ter pedido mais delivery no período pandêmico. Em contrapartida, 35% estão comprando menos comida por delivery e 40% escolhem a modalidade de entrega em casa tanto quanto faziam antes.

De 28 países, apenas oito apresentam um índice de pessoas que aumentaram o consumo por delivery mais alto do que o de pessoas que diminuíram o consumo por delivery. São eles: Chile, Colômbia, Malásia, EUA, Bélgica, Coreia do Sul, Alemanha e Holanda. Na média do mundo todo, 23% têm recorrido com mais frequência à entrega de refeições, contra 32% que estão pedindo menos delivery e 45% que não mudaram seus hábitos.

As pessoas que menos têm saído para comer são mulheres: 66% do total de participantes do sexo feminino diminuíram suas idas a restaurantes, enquanto 59% dos homens fizeram o mesmo. A faixa etária de 50 a 74 anos está se prevenindo mais, pois 68% relataram queda na frequência com que comem fora. Entre aqueles com idade de 35 a 49 anos, são 64% e, entre os entrevistados com menos de 35 anos, 57%.

A pesquisa foi realizada virtualmente com 20.504 entrevistados de 28 países, com idades de 16 a 74 anos, entre os dias 20 de novembro e 4 de dezembro de 2020. A margem de erro para o Brasil é de 3,5 pontos percentuais.

 

Com informações do Jornal Giro News

Leia mais:

Gastos com supermercado aumentaram 28% entre março e dezembro

Quase 1 milhão de entregadores, maioria informal

Artigos Relacionados

Valid: benefícios do Certificado Digital no IRPF

Para este ano, a Receita Federal anunciou novas regras para a entrega do Imposto de Renda Pessoa Física 2021 já está disponível para download,...

Suspensão do auxílio emergencial impactará cenário no Brasil

Na pandemia, população recorreu ao cloro ou água sanitária para a limpeza diária.

Vendas de cimento crescem e preços sofrem pressão

Câmbio também impacta valores no Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Lula livre. Até quando?

Jurista: Necessidade de proteger Moro e os procuradores da Lava Jato.

Produtividade na indústria cai com menor produção na pandemia

Para 2021, as perspectivas são melhores, em razão do início da vacinação da população.

Demanda por bens industriais cresceu 0,6% em janeiro

Ipea apontou avanço de 6,6% no trimestre móvel encerrado no primeiro mês de 2021.

Aumenta consumo de pornô por público feminino

Relatório de site de entretenimento adulto revela que 39% do acessos são de mulheres.

Abertura de empresas tem alta de 13,4% em novembro

Segundo Serasa, sociedades limitadas impulsionaram índice; comércio teve alta estimulada por Black Friday e festas de fim de ano.