UE planeja iniciar gastos de grande fundo de recuperação em meses

A União Europeia planeja começar a arrecadar e alocar nos próximos meses, parte principal do fundo de recuperação de 750 bilhões de euros (US$ 906 bilhões), projetado para resgatar as economias do bloco duramente atingidas pela Covid-19, disse na segunda-feira o comissário de Economia da UE, Paolo Gentiloni.

Ele disse que a implantação do Mecanismo de Recuperação e Resiliência, a maior parte do fundo maciço, seria a chave para resolver os desequilíbrios e desigualdades que foram agravados pela crise de saúde pública.

Gentiloni disse que os planos nacionais serão recebidos a partir da segunda quinzena de fevereiro e que a Comissão Europeia levará dois meses para avaliá-los e aprová-los, além de mais um mês para o Conselho Europeu adotar a decisão final de implementação de cada plano.

Embora seja um cronograma apertado, “é realizável”, disse Gentiloni. Ele também disse que todos os planos, que serão apresentados pelos Estados-membros da UE, devem apresentar o equilíbrio certo entre investimentos e reformas.

Já a economia alemã contraiu -5,0% em 2020, apesar da resiliência do setor manufatureiro. Com as restrições notavelmente mais rígidas, o passeio pela “montanha-russa econômica” vai continuar em 2021, segundo relatório divulgado por economistas da seguradora Euler Hermes. Ao longo do ano, a economia alemã se moverá em um ritmo rápido por toda a paleta do ciclo econômico, desde a crise econômica de curto prazo no primeiro trimestre até o boom de consumo impulsionado pela vacina contra Covid-19 no segundo semestre do ano.

Por enquanto, o lockdown (confinamento) mais severo, que inclui o fechamento de escolas e comércio não essencial, foi confirmado até o final deste mês. No entanto, a julgar pelo desenvolvimento da pandemia – elevado número de novos casos de Covid-19 e altas taxas de ocupação da UTI, junto com as crescentes preocupações sobre a disseminação da cepa B1.1.7 altamente infecciosa – a equipe da Euler Hermes acredita que a flexibilização das restrições ganhe força apenas em março, no mínimo.

“Com cada semana de bloqueio custando à economia alemã cerca de 4 bilhões de euros – reduzindo até -0,5% do crescimento trimestral – um notável retrocesso do PIB é quase certo, embora as perspectivas do setor manufatureiro devam permanecer favoráveis” acredita a economista-sênior Katharina Utermöhl.

e acordo com a análise, a economia da Alemanha só sairá da “hibernação” quando a Páscoa chegar, pois os efeitos sazonais mais favoráveis (temperaturas mais altas), juntamente com o progresso na campanha de vacinação, permitirão um afrouxamento gradual das restrições e, por sua vez, o desencadeamento da demanda reprimida durante os meses do inverno europeu.

Os efeitos de base devem ajudar a impulsionar a taxa de crescimento trimestral para +3% t / t – a expansão trimestral mais forte do PIB já registrada, excluindo a observada no terceiro trimestre de 2020.

O afrouxamento das restrições da Covid-19 a partir do segundo trimestre e a vacinação da população até primeira metade do ano, prepara o cenário para a economia alemã se recuperar, com o crescimento do PIB provavelmente registrando +2% t/t no segundo semestre.

“À medida que as incertezas sobre as perspectivas econômicas diminuem, a situação relativamente sólida do mercado de trabalho – a taxa de desemprego deve chegar a 5,8% em 2021 após 5% em 2019 e 6% em 2020 – é um bom presságio para a implantação de poupanças preventivas. Como resultado, esperamos que a taxa de poupança se mova em direção ao seu nível pré-pandemia no final do ano”, afirma a economista.

Além disso, os “gastos sociais” devem se beneficiar, o que impulsionará a reconvergência entre os setores de serviços e manufatura. No geral, a Euler Hermes mantém a previsão de crescimento do PIB de +3,5% em 2021 – ao mesmo tempo em que reconhecem os crescentes riscos de baixa para o primeiro semestre, caso o bloqueio seja prolongado, e, para o segundo semestre, caso a implementação da vacinação fique abaixo das expectativas.

Já para 2022, é esperado que o crescimento do PIB permaneça acima do potencial, em +3,8%, uma vez que a obtenção da imunidade em massa permitirá um retorno à normalidade econômica, enquanto a política monetária e fiscal permanece favorável. Como resultado, a economia alemã deve atingir seu nível de PIB pré-crise no primeiro semestre de 2022, enquanto outras economias da Zona do Euro, incluindo Espanha e Itália, precisarão de mais um ano para se recuperar

 

Com informações da Agência Xinhua

Leia mais:

Joe Biden assume em clima de tensão

Norte da África puxa alta na compra árabe de café do Brasil

Artigos Relacionados

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.