Água suja

O governo retirou a urgência constitucional para o PL nº 4.147/01, que estabelece a política nacional do saneamento básico. Os partidos de oposição sensibilizaram o Executivo para conceder mais tempo para a discussão da proposta. Com a urgência, o projeto teria de ser votado até 7 de abril. A deputada Maria do Carmo Lara (PT-MG), considera a proposta inconstitucional porque retira a titularidade do saneamento básico dos municípios. Isto significa que não teriam mais ingerência sobre a fiscalização dos serviços concedidos ou sobre as decisões sobre os preços das tarifas. Além disso, segundo a deputada, o projeto de lei “abre caminhos para a privatização da água no país”. Os partidos de oposição apresentaram emenda substitutiva global ao projeto (PL nº 2.763/00), mantendo a titularidade dos serviços de saneamento nos municípios e todas as deliberações da I Conferência Nacional de Saúde.

Colônia
Nesta segunda-feira, às 18h15, o Auditório da ABI será palco do debate “Alca: livre comércio ou dominação”. Entre os debatedores estarão o professor Reinaldo Gonçalves, do Instituto de Economia da UFRJ, os senadores Roberto Saturnino (PSB-RJ) e Geraldo Cândido (PT-RJ), além do embaixador Samuel Pinheiro Guimarães. Diretor do Instituto de Pesquisas em Relações Internacionais (IPRI) do Itamaraty, Guimarães é autor e organizador de diversos livros sobre o tema (entre eles, Quinhentos Anos de Periferia) e tem procurado demonstrar que a proposta norte-americana conduz a América Latina à condição de produtora de bens primários, que caracterizou a região nos tempos de colônia.

Potencial
O presidente da Vasp, Wagner Canhedo, está otimista com o crescimento do mercado nacional de aviação: “Enquanto os Estados Unidos, maior economia do planeta, transportam ao ano três vezes a sua população, no Brasil não chegamos a transportar a sexta parte.” Canhedo garante que a companhia está revertendo todas as expectativas, apresentando os melhores números na sua atuação em 2000, com excelentes perspectivas para 2001 no mercado doméstico brasileiro.

Nós & eles
Ao anunciar que pretende descumprir as resoluções do Protocolo de Kioto, que prevê substancial contribuição do seu país à redução da emissão de gases de efeito estufa, com todos os seus efeitos sobre a camada de ozônio, o presidente dos Estados Unidos, George Bush, apresentou argumentou síntese da globalização. Bush afirmou que vai desrespeitar o tratado aceito por seu próprio país, simplesmente por que sua execução seria prejudicial à indústria dos EUA, devido aos enormes gastos que acarretaria. Quando será que os brasileiros vão ouvir o presidente FH brandir argumento semelhante, pró-Brasil, obviamente, nas negociações internacionais?

Sonho americano
Depois que Bush anunciou pretende recorrer ao olhos nos olhos para convencer o presidente FH a aderir à Alca e este, prontamente, prometeu tirar os óculos, os brasileiros de melhor memória devem estar arrepiados com a possibilidade de se repetir a sedução experimentada por FH em relação a Bill Clinton.
“Bill Clinton é uma personalidade fascinante, impressionante. Além de ter boas idéias e de ser carismático, você não pode parar de olhar para aquele homem de dois metros de altura, umas patas inacreditavelmente grandes, um nariz de batata, avermelhado, e mãos de gigante. Está na história da política americana.”  Para quem quiser conferir, a declaração de FH, não de Monica Lewinsky e Jennifer Flowers, está na revista Época, de 6 de março do ano passado, à página 41.

Mão única
O setor de serviços deve ser um dos mais devastados no caso de anexação do Brasil pela Alca. A relação entre México e Estados Unidos, no Nafta, não deixa margem para dúvidas nesse sentido. Enquanto os EUA limitem em 5 mil por ano o número de vistos para prestadores de serviços mexicanos, a entrada de norte-americanos no país vizinho não sofre qualquer restrição.

Artigo anteriorAventura sem graça
Próximo artigoEmpulhação
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Cortes poupam petroleiras e ‘bolsa refrigerante’

Para liberar auxílio emergencial, governo prejudica setores essenciais.

Inflação e PIB expõem falácia do Teto dos Gastos

‘Faz sentido?’, pergunta Paulo Rabello. ‘Claro que não’.

Mirem-se nos exemplos da Shell e da Exxon

Petrobras é fundamental para o desenvolvimento brasileiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Investimento chinês em pesquisa aumentará 7% ao ano até 2025

País divulga 14º Plano Quinquenal; desde 1953, PIB cresceu 1.232 vezes.

FMI: orçamento deve atender direitos das mulheres

No Egito, por exemplo, houve mais recursos para serviços públicos de creche.

Planos registram maior número de beneficiários desde dezembro de 2016

Dados de janeiro foram divulgados hoje pela ANS e confirmam tendência de crescimento no país.

MP-RJ pede júri popular para Flordelis e mais oito réus

Deputada é acusada de mandar matar o marido; 11 réus respondem ao processo, mas o MP pediu para não se pronunciar sobre dois deles.

Payroll de fevereiro surpreendeu positivamente as expectativas

Soma-se às surpresas a revisão no número anterior de 49k para 166k e, principalmente, a criação de vagas no setor privado em 465k.