Um dia de volatilidade

Bovespa, Europa e EUA (exceto por Nasdaq) deram o tom negativo da sessão desta quinta.

Opinião do Analista / 10:44 - 10 de jul de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Mercados acionários na Europa, EUA (exceção para Nasdaq) e Bovespa deram o tom negativo da sessão desta quinta, mas a volatilidade coube mesmo para o dólar e juros que oscilaram muito ao longo de todo o dia. Juros iniciando o dia em alta e revertendo, dólar começando o dia em baixa e firmando alta na parte da tarde. E isso, num dia de agenda absolutamente escassa.

Ontem, logo cedo tivemos a notícia que os pedidos de auxílio-desemprego na semana passada nos EUA tinham caído mais que o previsto, em 99 mil posições (para 1,31 milhões), enquanto o esperado era que ficasse em 1,39 milhões. Os mercados reagiram positivamente a isso. Logo depois, tivemos a notícia que a Suprema Corte americana tinha rejeitado a tentativa do presidente Donald Trump de não entregar dados financeiros para a Justiça de Nova Iorque. Baque para o presidente que está tendo que reverter situação complicada na campanha eleitoral contra Joe Biden. Os investidores ficaram pessimistas.

O secretário do Tesouro americano também divulgou que o governo não irá socorrer Estados mal administrados anteriormente a pandemia. Ainda por lá, os estoques no atacado de maio encolheram 1,2%, dentro do previsto.

Também foi divulgado que o governo americano vetará negócios com empresas que usarem produtos de cinco empresas chinesas, o que foi interpretado como problema adicional para os acordos comerciais entre os dois países. Além disso, anunciou sanções contra quatro cidadãos chineses e o escritório de segurança.

De outra feita, a União Europeia também enxergou significativas divergências com o Reino Unido, no que tange ao Brexit. Já o Bank of International Settlement (BIS), o Banco Central dos Bancos Centrais, avalia que o mundo caminha para crise prolongada na economia global. Finalmente, a Itália anunciou proibição de entrada de turistas do Brasil e de mais 12 países em seu território.

No mercado internacional, o petróleo WTI também oscilou bastante e pouco antes do fechamento mostrava queda de 2,93%, com o barril cotado a US$ 39,70. O euro era transacionado em queda para US$ 1,129 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 0,61%. O ouro e a prata caiam na Comex e commodities agrícolas com viés mais para positivo na Bolsa de Chicago. O minério de ferro negociado na China também registrou leve queda de 0,17%, com a tonelada encerrando em US$ 106,37.

No cenário local, tivemos encontro do vice-presidente Mourão com investidores sobre a relutância de investirem em um país que não preserva a natureza e os fundos estrangeiros pedindo acesso a dados sobre o comprometimento do Brasil com o clima. Já relacionado com a pandemia, o fluxo de pessoas em lojas físicas cresceu 194% (saindo quase do zero), em shoppings o fluxo foi um pouco menor, com crescimento de 126% e, ainda, com muitas restrições de circulação.

Latam Brasil entrou com pedido de recuperação judicial (RJ), por conta da demora do BNDES nas negociações e dificuldade de acesso a empréstimos. No mercado, dia de DIS com fortes oscilações de taxas nos vencimentos mais curtos e também nos longos. Dólar, como dissemos, oscilando bastante para encerrar o dia com -0,14% e cotado a R$ 5,339. Na Bovespa, na sessão de 7 de julho tivemos forte saída de recursos de investidores estrangeiros no montante de R$ 1,17 bilhões, deixando o mês de julho negativo em R$ 2,44 bilhões e o ano de 2020 com saídas líquidas de R$ 78,9 bilhões.

No mercado acionário, dia de queda na Bolsa de Londres de 1,73%, Paris com perda de 1,21%, e Frankfurt perdendo toda alta para fechar em -0,04%. Madri e Milão com quedas de respectivamente 1,22% e 1,98%. No mercado americano, o Dow Jones com -1,39% e Nasdaq com +0,53%. Na Bovespa, dia de queda de 0,61% e índice em 99.160 pontos. Na máxima chegou a vazar 100.191 pontos.

Na agenda desta sexta teremos o IPC da Fipe da primeira quadrissemana de julho, a primeira prévia do IGP-M de julho e a inflação oficial de junho pelo IPCA; além do volume de serviços prestados em maio. Nos EUA, a inflação medida pelos preços no atacado (PPI) de junho e o relatório sobre oferta e demanda agrícola da USDA.

.

Alvaro Bandeira

Economista-chefe do Banco Digital Modalmais

Fonte: www.modalmais.com.br/blog/falando-de-mercado

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor