27.9 C
Rio de Janeiro
quinta-feira, janeiro 21, 2021

Um grande vinhedo, vibrante e remodelado

Apesar da existência de videiras na Espanha desde a chegada dos fenícios na região de Andaluzia há cerca de 3 mil anos, a conquista de um espaço mais significativo no âmbito da vitivinicultura de qualidade demorou a se consolidar e tem muito a agradecer aos avanços da enologia moderna. Hoje, as inovações (sejam as que foram introduzidas pela tecnologia, sejam as que reinventam técnicas tradicionais) se combinam com a herança de alguns tesouros, que afirmam a sua natural aptidão para a produção de vinhos e colocam a Espanha no alto do pódio da vitivinicultura internacional. Isso se cristalizou em números: seu vinhedo é o primeiro em superfície plantada e o terceiro mais produtivo (em vinhos) do mundo.

Quais os principais marcos desse desenvolvimento? Após o start advindo da ocupação romana há mais de 2 mil anos, a expansão da economia vinícola sofreu com conflitos religiosos e foi inibida pela difícil troca entre as regiões, devido à própria configuração geográfica espanhola – um mosaico de serras e vales. Na segunda metade do século XIX, a destruição generalizada da Phylloxera vastatrix poupou a Espanha inicialmente e favoreceu a melhor estruturação de seu vinhedo, especialmente na região da Rioja, que atraiu investimentos de negociantes bordaleses atingidos pela praga em território francês. De certo modo, o savoir faire enológico dos franceses estimulou o nascimento de grandes bodegas que ganharam destaque no século XX e serviram de modelo para outras regiões.

De forma mais efetiva, a entrada na União Europeia em 1986 veio dar um impulso ao desenvolvimento espanhol em diversos segmentos, inclusive no de vinhos. Facilidades fiscais e reformas institucionais estimularam o crescimento da economia no setor de vinhos e em campos que promovem o seu consumo, como cultura, turismo e entretenimento. Empreendedores de novas gerações criaram bodegas modelo, com alta tecnologia e arquitetura arrojada, valorizando também a apresentação dos vinhos, o design dos rótulos e a promoção do enoturismo. Essa entrada é importante para renovar um modelo tradicional em que muitos viticultores não fazem o próprio vinho e grandes bodegas concentram a produção, ainda em certa medida existente.

A qualidade dos vinhos hoje se apoia em sistemas de regulamentação bem definidos, que geram credibilidade no consumidor. Vale citar as referências mais precisas das expressões Crianza, Reserva, Gran Reserva – categorias de maturação dos vinhos em barrica e garrafa. Em 2003, consolidou-se a reforma do sistema de denominação de origem pela Ley de la Viña e Vino, substituindo o antigo Estatuto de la Viña, del Vino y los Alcoholes, de 1970. Além do alinhamento entre nomenclaturas próprias e categorias similares válidas para todos os países produtores da União Europeia: Denominación de Origen = DOP (Denominación de Origen Protegida); Viño de la Tierra = IGP (Indicación Geografica Protegida) – foram criadas categorias particulares para abrigar produções de excelência. É o caso da DoCA (Denominación de Origen Calificada), elegível apenas para regiões com mínimo de 10 anos como DO e hoje restrita às regiões da Rioja e Priorat. Foram criadas também as DO Pagos – produções de uma única propriedade em vinhedo com microclima particular, como os Grands Crus franceses.

Mas nada disso seria tão relevante sem os próprios tesouros. A começar pelas cepas autóctones, que ajudam na afirmação da identidade do vinho espanhol. Tempranillo puxa a lista, hoje posicionada como a terceira variedade de uva tinta (para vinhos finos) mais plantada mundialmente. Com muito menor extensão internacional, como as famosas francesas, é na Espanha mesmo que essa cepa faz maravilhas, podendo gerar desde vinhos mais frescos, ricos em aromas de frutos vermelhos a potentes vinhos de guarda, como em Ribera del Duero, Rioja Alta e Toro.

Climas e solos variados, incluindo áreas oceânicas, mediterrâneas e grande porção continental com altitudes de 600 a 1000 metros acima do mar favorecem a adaptação de cepas diferentes e a produção de vinhos com perfis distintos, alguns em processo de construção de uma identidade. Os símbolos de qualidade (Jerez, Rioja, Ribera del Duero, Cava) se revigoram e outros surgem provocando curiosidade. Ali de fato a modernidade se insinua de forma veemente, com uma face easy drinking, outra de pequenos produtores que buscam a autoria de vinhos que expressem o terroir, além daqueles que guardam a soberania clássica do Velho Mundo.

Nos próximos artigos, seguimos com Espanha.

 

Para infs sobre as Masters Class Online de Míriam Aguiar e os cursos da Cafa Formations, de Bordeaux – Instagram: @miriamaguiar.vinhos, e-mail: maguiarvinhos@gmail.com

Artigos Relacionados

Verão pede vinho branco, e os da Alsácia são imperdíveis

A região também é um dos melhores roteiros vitivinícolas do mundo.

Espumantes para torcer por um 2021 melhor

Diante do aumento de consumo de vinhos, creio que 2020 será um marco para a história do mercado.

O Novo Chile e algumas reflexões sobre inovações

‘Novo’, neste caso, é a oposição ao perfil das grandes marcas, que dominam o mercado de vinhos chilenos no Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.

EUA: expectativa por novos estímulos fiscais traz bom humor

Futuros dos índices de NY estão subindo, mesmo após terem atingidos novos recordes históricos no fechamento do pregão anterior.

Ajustando as expectativas

Bovespa andou na quarta-feira na contramão dos principais mercados da Europa e também dos EUA.

Sudeste produz 87,5% dos cafés do Brasil em 2020

Com mais de 55 milhões de sacas a região é a principal responsável pela maior safra brasileira da história.

Exportação de cachaça para mercado europeu cresceu em 2020

Investimentos será de R$ 3,4 milhões em promoção; no Brasil, já cerveja deve ficar entre 10 e 15% mais cara em 2021.