Um panorama global: existe futuro para o dinheiro físico?

150
Caixas eletrônicos Banco 24h (Foto: internet)
Caixas eletrônicos Banco 24h (Foto: internet)

Brasil é líder com mais de 1 bilhão em operações em papel-moeda

 

Mesmo com a digitalização dos meios de pagamentos, as pessoas, ou a grande maioria delas, não abandonam o uso do papel-moeda. Este comportamento notado em diferentes localidades está relacionado à cultura e à disponibilidade de novas formas de transação econômica em cada País. Isso significa que, quando falamos em futuro do dinheiro, falamos em coexistência entre físico e digital, que já é presente hoje em muitas sociedades e que deverá permanecer por muitos anos ainda, pois os meios de pagamentos estão relacionados, de alguma forma, e acabam se tornando complementares.

Um estudo realizado pela RBR mostra que, em 2021, a demanda global por caixas eletrônicos cresceu 2%. Só para se ter uma ideia, na América Latina foram implementados mais de 31 mil caixas eletrônicos, que permitem a realização de transações bancárias, como saques, transferências, depósitos, saldo, entre outros. O crescimento do setor neste período representou um aumento de 19% na região.

O mercado brasileiro, sozinho, teve um incremento de 25%, sendo que apenas para o Banco do Brasil foram destinados mais de 4.300 equipamentos deste tipo. A pesquisa revela ainda que, em países como Brasil, México e Equador, o uso do dinheiro é mais recorrente, porque ainda há muitas pessoas que não possuem contas em banco. Ou se possuem, não a utilizam com regularidade.

Espaço Publicitáriocnseg

Ou seja, mesmo que a pandemia tenha acelerado a transformação digital no País, os serviços bancários ainda podem crescer em diversas regiões, e é justamente por isso que as instituições financeiras mantêm milhares de pontos de atendimento físicos em todo território nacional, porque boa parte da população, principalmente idosos e pessoas das classes C e D ainda necessitam este tipo de serviço.

Ano passado, a TecBan, gestora do Banco24Horas, foi a empresa que mais contabilizou saques de papel-moeda no mundo, superando a marca de 1 bilhão de operações no Brasil. Atrás dela estão as redes internacionais Seven Bank e Cardtronics.

O levantamento demonstra ainda que o uso de caixas eletrônicos está crescendo à medida que a demanda por dinheiro se recupera após os primeiros dois anos da pandemia de Covid-19. No Reino Unido, por exemplo, pesquisas sugerem que as pessoas estão mais propensas a usar dinheiro como resultado do aumento da necessidade de acompanhar melhor os gastos. Desta forma, elas acreditam que saberão com mais clareza o quanto estão gastando, se poderão economizar ou conseguirão se manter dentro do orçamento.

Com cada vez mais pessoas utilizando papel-moeda como uma experiência de gerenciar o orçamento, é possível dizer que ele continuará a ser uma parte vital do ecossistema de pagamentos, mesmo em mercados mais maduros em termos de tecnologia.

Fica evidente também que as criptomoedas e as principais moedas fiduciárias continuarão coexistindo e provando que as soluções de pagamento mais bem-sucedidas são aquelas que vão melhorar a experiência do usuário e que podem oferecer algo que ainda não existe hoje. E essa convergência entre o físico e o digital é o que gera mais benefícios para a população, que pode usufruir de diferentes opções para gerir e administrar o seu dinheiro, conforme a melhor opção que lhe convém.

 

Dominic Hirsch é diretor da RBR.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui