Um por todos e todos por um: o planeta agradece

Brasil cumpriu até agora apenas 1,5% da meta de reduzir poluentes e restaurar áreas desmatadas.

Até quando acreditaremos que os danos ambientais são reversíveis, que não somos os causadores dessa desordem climática e que apenas os entes estatais têm deveres em relação à preservação ambiental? A decisão dos brasileiros mudarem padrões de consumo é tão importante quanto a atuação de etnias indígenas para a conservação da biodiversidade; quanto a mobilização de brigadas de incêndio; quanto as indústrias reduzirem a emissão de gases de efeito estufa; quanto os agricultores reduzirem o uso de água para irrigação, a expansão agrícola por meio do desmatamento ilegal e a degradação das terras devido ao uso de pesticidas, fertilizantes e queimadas; quanto a união dos coletadores e conscientização ambiental das comunidades; quanto as pesquisas científicas; quanto as parcerias das empresas para a restauração florestal e para uma economia verde.

Com o desmatamento e consequente aumento de áreas degradadas, especialmente no Cerrado e na Amazônia, vivenciamos um verdadeiro colapso ecológico. A redução das áreas alagadas no Pantanal e das chuvas na Amazônia são consequências da degradação dos ecossistemas e acabam ocasionando um efeito dominó, atingindo o equilíbrio climático das cidades no Brasil e no mundo. Isso propicia a seca e a consequente crise hídrica, alagamentos, incêndios florestais, tempestades de poeira. Já estamos testemunhando esses fenômenos, sobretudo, na região Sudeste e Centro-Oeste.

Os investimentos na proteção da natureza devem ser triplicados com a ajuda do setor privado e de todos os demais atores. Estamos atrasados na proteção da saúde do planeta. O Brasil se comprometeu em reduzir a emissão de poluentes e restaurar 12 milhões de hectares de áreas desmatadas até 2030. No entanto, cumpriu até agora apenas 1,5% dessa meta segundo o Observatório da Restauração e Reflorestamento. Grande parte de nossos rios e mares está poluído, e atividades ilegais – como o garimpo na Amazônia, o avanço da agropecuária em vegetação nativa, o uso indiscriminado de agrotóxicos, a ameaça a etnias indígenas e a seus territórios – nos dão pouca perspectiva de cumprir a meta estabelecida.

Em junho desse ano, a ONU inaugurou a Década de Restauração dos Ecossistemas 2021–2030. Um grande desafio que se impõe ao Brasil é o de apresentar na Conferência do Clima (COP-26), que será realizada em novembro, em Glasgow, na Escócia, dados e ações efetivas para ajudar a reverter esse estado febril em que vive o planeta, esquentando a cada dia, aumentando a pobreza, a fome e comprometendo a segurança humana.

Como detentor da maior biodiversidade do planeta, o Brasil apresenta grande vulnerabilidade se não houver uma gestão eficiente e políticas públicas para reduzir o desmatamento e contribuir para estancar o aumento global de temperatura. O pagamento por serviços ambientais para o reflorestamento e preservação das florestas, conforme proposta do Governo Federal, pode ser uma solução, unir os poderes estatais e as empresas nessa empreitada pode ser outra solução, mas sem a união de todos, inclusive da sociedade em geral, não construiremos uma governança eficiente nesse estado de emergência climática que ameaça nossa maior riqueza que é a biodiversidade. Façamos a nossa parte. As futuras gerações agradecem, e o planeta também.

Ana Rita Albuquerque
Doutora em direito civil pela UERJ.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Alta dos preços leva a aumento de protestos

Agitação em países onde manifestações eram raras preocupa FMI.

Interlagos vai sediar feira de motos e carros

Eventos priorizam testes para clientes e potenciais compradores.

Romênia e Moldávia: duas faces de uma mesma moeda?

Em alguns aspectos as duas produções se assemelham e, em outros, apresentam diferenças que poderiam até se complementar.

Últimas Notícias

Câmara deve colocar em votação PL que desonera tarifas de energia

Em 2021, o Brasil passou pela pior crise hídrica em mais de 90 anos

Metodologia para participação de investidor estrangeiro

Serão considerados os dados de liquidação das operações realizadas no mercado primário nos sistemas da B3

Fitch eleva rating do Banco Sicoob para AA (bra)

Houve melhora do perfil de negócios e de risco da instituição

Petrobras Conexões para Inovação cria robô de combate a incêndio

Estatal: Primeiro no mundo adaptado para a indústria de óleo e gás

Brasil tenta ampliar diálogo com a UE

Debate da recuperação econômica nas duas regiões e discussão sobre as perspectivas das políticas fiscais