Um punhado de dólares pelo extrato bancário

Usuários do Facebook são ainda mais liberais em relação a dados de navegação e localização.

Fatos e Comentários / 19:24 - 26 de fev de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Quanto vale a privacidade? Foi o que perguntaram Jeffrey Prince e Scott Wallsten, do thinktank norte-americano Technology Policy Institute (TPI), na pesquisa “How much is privacy worth around the world and across platforms?” (“Quanto vale a privacidade no mundo todo e através das plataformas?”). Foram ouvidas pessoas de seis países, Brasil inclusive (os outros são Estados Unidos, México, Colômbia, Argentina e Alemanha).

A pesquisa constatou que os alemães valorizam mais a privacidade em comparação aos habitantes dos EUA e da América Latina. Em todos os países, as pessoas valorizam a manutenção de informações financeiras e biométricas, mas são mais liberais em relação a dados de navegação e localização. Vejamos alguns números dos usuários do Facebook (expressos em dólares, por mês, conversões usando paridade do poder de compra – PPC):

Compartilhar o saldo bancário

Média: US$ 8,44

Alemanha: US$ 15,43

Brasil: US$ 9,96

Informações de impressões digitais

Média: US$ 7,56

Colômbia: US$ 12,90

Brasil: US$ 4,68

Ter os textos lidos

Média: US$ 6,05

Alemanha: US$ 8,01

Brasil: US$ 3,41

Informações sobre saques em dinheiro

Média: US$ 5,80

Alemanha: US$ 13,42

Brasil: US$ 4,88

As pessoas precisariam receber apenas US$ 1,82/mês para compartilhar sua localização e, essencialmente, nada para anúncios enviados por SMS. Para os brasileiros, os valores seriam de US$ 1,83 pela localização e US$ 0,27 por anúncios.

Os valores podem ser considerados módicos ao serem comparados com os bilhões obtidos pelas plataformas através da venda de informações dos usuários. O resultado mostra como é bem sucedida a tática de oferecer “de graça” algum serviço, obtendo com isso um consumidor fiel, que nem desconfia – ou não se importa – com o fato de suas informações pessoais serem a contrapartida da “gratuidade”. Só falta agradecer.

 

Luta chilena continua

A Ordem dos Advogados do Brasil (OABRJ) recebeu na semana passada a advogada chilena Maria Rivera, ex-presa política e sobrevivente da ditadura de Augusto Pinochet. Ela expôs o cenário político atual do Chile e as demandas populares derivadas da privatização de serviços básicos, como a educação, a saúde e a aposentadoria, e a condução dada pelo presidente Sebastian Piñera aos problemas sociais, assim como a repressão à insurgência dos chilenos em uma onda de protestos que vêm acontecendo desde 18 de outubro.

Segundo ela, as manifestações têm caráter pacífico e ganharam as ruas tendo como um dos lemas a frase “Hasta que la dignidade se haga costumbre”, ou seja “Até que a dignidade se torne um hábito”. Os manifestantes são reprimidos com violência. Projetos de lei enviados pelo presidente e aprovados pelo Congresso aumentam criminalização contribuíram para elevar a indignação do povo chileno.

Segundo a advogada, já são mais de 2.500 presos políticos, quase 27 mortos oficiais, além dos quase 400 que tiveram lesões nos olhos. Os protestos foram jogados para escanteio pela mídia brasileira, que finge que acabaram. Mas a luta no país continua ativa.

 

Fixos e altos

A Caixa lançou na semana passada uma linha prefixada de financiamento imobiliário, com taxa de 8% a 9,75% ao ano. Em dois anos de financiamento, o cliente já pagou mais juros do que em 15 anos de consórcio, alfineta o empresário Marcio Kogut, CEO do Mycon, fintech de consórcios.

 

O leão é manso

Em carta aos investidores da Berkshire Hathaway, Warren Buffet sentenciou: “Nós compramos negócios para os próximos 20, 30 anos. O longo prazo não mudou com o coronavírus.”

 

Rédea curta

Não será surpresa se Bolsonaro e família desistirem dos atos em 15 de março. Mas a semente está lançada. E dia 31 (ou 1º) é logo ali.

 

Não espera acontecer

Foi visível o constrangimento das TVs com a vitória da Águia de Ouro em SP. No máximo citavam Paulo Freire, mas escondiam o verso de Geraldo Vandré (“Quem sabe faz a hora”) que intitulava o enredo. Veio o coronavírus no Brasil, e convenientemente o campeonato foi esquecido.

 

Rápidas

O Caxias Shopping apresenta show gratuito de Ruan Cantelmo, cantando sertanejo, nesta sexta, às 19h30 *** Parabéns à Viradouro e à Águia de Ouro, campeãs do Carnaval no Rio e em São Paulo.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor