Um único Brasil

Devem ser debitadas ao campo da paranóia e do diversionismo as análises que identificaram quebra de hierarquia na advertência do comandante militar da Amazônia, general Augusto Heleno, sobre os riscos à soberania nacional decorrente da demarcação de extensas terras de brasileiros indígenas, coincidentemente em regiões de fronteira e recorrentemente em áreas de incalculáveis riquezas minerais. Como servidor permanente do Estado brasileiro e conjunturalmente obediente ao chefe supremo das Forças Armadas, o general Heleno, mas do que direito, tem obrigação de alertar a nação e o presidente Lula para qualquer risco de ameaça à integridade territorial.
Tentar aproximar esse gesto, necessário e patriótico, de ações de um passado atravessado pela cortina de fumaça produzida pela Guerra Fria é misturar estações, não compreender os desafios da contemporaneidade. Mudou o mundo, mudaram as estratégias, táticas, alianças e visões de mundo. Não mudaram, no entanto, a fidelidade ao Brasil e a defesa dos seus interesses, ainda que a cantilena do neoliberalismo propague a desnecessidade do Estado, que implicaria a mobilidade de fronteiras.
Os ingênuos que se deixam impregnar por tal palavrório deveriam postergar sua adesão a essas teses “internacionalizantes” para o momento em que CNN, Fox e BBC empunharem a bandeira do “Texas livre” ou da “Califórnia mexicana”. Até esse improvável dia, os brasileiros, civis, militares; governantes, governados, devem estar irmanados na defesa de do maior país do mundo em terras contínuas, com uma só língua, sem conflitos religiosos e raciais relevantes e dono de riquezas capazes de, se aproveitadas em favor de uma nação justa, transformarem-no num dos gigantes do planeta. Tais condições, por óbvio, não agradam a todos, incluindo entre esses inconformados nacionais de sotaques e mentes reconfiguradas pelo encantamento com a globalização.

[email protected]
Ao ministrar uma aula sobre a indústria cultural, professor de uma universidade privada do Rio de Janeiro ouviu de um aluno reclamação sobre a complexidade do tema, acompanhado de pedido revelador do tipo de clientela dessas instituições: “Esse assunto é muito complicado. Você não tem o e-mail desse Adorno, não?”
Um dos autores do conceito de indústria cultural, o alemão Theodore Adorno, infelizmente, não pôde ajudar. Além de não ler em português – o intenetês, provavelmente, lhe causaria urticária – morreu há 40 anos.

Matzá
A partir do anoitecer deste domingo será comemorado o Pessach, a Páscoa judaica, quando é celebrada a libertação do povo judeu do Egito. Durante sete dias em Israel e oito no resto do mundo, os judeus lembrarão a fuga através do deserto. O primeiro dia é celebrado com festa. Para esta data especial, a Confeitaria Kurt criou receitas com a matzá, farinha especial utilizada em todos os alimentos pelos judeus. O lançamento deste ano é a torta mousse de chocolate com amêndoas decorada com bolachas de matzá.
Durante os dias do Pessach é proibido consumir qualquer alimento que contenha ingredientes, como grãos de trigo, centeio, cevada, aveia ou espelta, sujeitos à fermentação quando entram em contato com a água. Isso porque, em sua fuga apressada do Egito, os judeus não tiveram tempo de esperar a massa crescer, e assaram pães não-fermentados para se alimentarem.

Senta a Pua
A Força Aérea Brasileira comemora nesta terça-feira o Dia da Aviação de Caça. Na Base Aérea de Santa Cruz, no Rio de Janeiro, a partir de 10h, pilotos, com aeronaves de todos os esquadrões de caça da FAB, participarão da homenagem à coragem dos membros do Esquadrão Senta a Pua, que participaram da 2ª Guerra Mundial.

Preferência
As redes estatais de TV na Venezuela dão grande destaque ao processo eleitoral no Paraguai. O preferido da “imprensa bolivariana” é Fernando Lugo, que já foi entrevistado pelas redes Venezolana e Telesur.

Unidos venceremos
Jovens de todos os países da América Latina (incluindo a Colômbia) organizam, na Venenezuela, um encontro sobre a Alba – projeto de integração regional liderado por Hugo Chávez. Do “turismo político” constam visitas a instalações da PDVSA no Estado de Miranda.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorKafka perde
Próximo artigoBola de cristal

Artigos Relacionados

‘EUA do Mar’ seria considerado crime de lesa-pátria

Na terra de Biden, entregar navegação a estrangeiros é impensável.

Governo Bolsonaro não dá a mínima para a indústria

País perde empregos de qualidade e prejudica desenvolvimento.

Taxa sobre exportação de petróleo renderia R$ 38 bi

Imposto aumentaria participação do Estado nos resultados do pré-sal.

Últimas Notícias

Fundos de investimento poderão atuar como formadores de mercado na B3

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) autorizou os fundos de investimento a atuarem como formadores de mercado na B3, a bolsa do Brasil. A...

ABBC: Selic deve subir 1,50 ponto percentual

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) se reúne na próxima terça-feira (7) para decidir sobre a nova Selic, a taxa básica...

Ibovespa fecha a semana em alta

(alta de 0,013%). O volume representou uma extensão do movimento positivo registrado na quinta-feira (2), quando o índice fechou com forte alta de 3,66%,...

China: Incentivos fiscais para investidores estrangeiros

A China anunciou que estendeu suas políticas fiscais preferenciais para investidores estrangeiros que investem no mercado de títulos da parte continental do país. A...

Brasileiro teria renda 6 vezes maior com indústria forte

Entre 1950–70, PIB do País foi multiplicado por 10.