Um vislumbre do maior acordo comercial do mundo

O acordo de Parceria Econômica Abrangente Regional (RCEP, na sigla em inglês), o maior acordo comercial do mundo, entrará em vigor no sábado.

Foto mostra o porto de contêineres de Qinzhou, Guangxi, China. (Xinhua/Cao Weiming)

Xinhua - Silk Road
Xinhua – Silk Road

Beijing, 3 jan (Xinhua) — O acordo de Parceria Econômica Abrangente Regional (RCEP, na sigla em inglês), o maior acordo comercial do mundo, entrará em vigor no sábado. O que é? Porque é que é tão importante? Como irá beneficiar os seus membros e não só? Algumas perguntas-chave sobre este novo acordo comercial são respondidas abaixo.

 

O QUE É?

O acordo de RCEP foi assinado entre 15 países participantes em novembro de 2020, após oito anos de negociações, que são dez membros da ASEAN e alguns dos seus principais parceiros comerciais, são eles China, Japão, República da Coreia, Austrália, e Nova Zelândia.

O acordo entrará em vigor no sábado inicialmente em dez países que apresentaram instrumentos de ratificação com o Secretariado da ASEAN.

Nos termos do acordo, mais de 90% do comércio de mercadorias entre os membros aprovados eventualmente são sujeitos a tarifas zero. Os países do bloco reduzirão as restrições econômicas e comerciais para facilitar os fluxos de mercadorias e fatores, aprofundar a divisão do trabalho e a cooperação, e melhorar a eficiência da produção.

 

POR QUE É IMPORTANTE?

Os 15 estados membros da RCEP englobam 2,27 bilhões de pessoas, com um produto interno bruto combinado de 26 trilhões de dólares americanos e exportações totais de 5,2 trilhões de dólares americanos, que representam cerca de 30% do total mundial, respectivamente.

A Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) disse que a influência da RCEP no comércio internacional será significativa. “A dimensão econômica do bloco emergente e o seu dinamismo comercial irão fazer com que forme um centro de gravidade para o comércio global”.

A China e o Japão, a segunda e terceira maiores economias do mundo, verão os seus primeiros cortes tarifários bilaterais sob a forma de tratamento pautal zero dentro do RCEP, com impostos de 86% dos produtos do Japão e 88% dos produtos da China acabarem diminuindo para zero.

 

BENEFÍCIOS?

O RCEP irá aumentar os rendimentos nacionais globais em 2030 em 186 bilhões de dólares americanos por ano, informou um documento de trabalho do Instituto Peterson para a International Economics.

Com a população imensa, diversidade de membros e grande potencial, o bloco de comércio livre impulsionará o crescimento do comércio e facilitará a recuperação econômica global.

A importância da RCEP é destacada no meio da pandemia da COVID-19. O comércio no âmbito de acordos como a RCEP tem sido relativamente mais resistente contra a queda do comércio global induzida pela pandemia, disse a investigação da UNCTAD.

 

QUAL O PAPEL DA CHINA?

A China tem desempenhado um papel ativo no reforço do comércio e crescimento regional e na promoção do estabelecimento da RCEP.

O país tomou a liderança na ratificação do acordo de RCEP e está pronto para implementar e cumprir um total de 701 obrigações vinculativas assim que o acordo comercial entrar em vigor.

Como o novo acordo está prestes a entrar em vigor, a procura de abertura de alto nível por parte da China irá oferecer mais oportunidades aos membros da ASEAN e ao resto do mundo. Serão abertos mais vinte e dois setores de serviços, que se juntarão ao compromisso de 100 setores quando a China aderiu à Organização Mundial do Comércio há duas décadas. Fim

Xinhua Silk Road
Agência de notícias oficial do governo da República Popular da China.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

CMOC gastará US$ 1,826 bilhão no projeto de KFM em Congo

O CMOC Group Limited (603993.SH, 03993.HK) anunciou nesta quinta-feira que investirá cerca de 1,826 bilhão de dólares na fase I do desenvolvimento do projeto da mina de cobre-cobalto de Kisanfu (KFM), na República Democrática do Congo (RDC).

Banco central da China injeta liquidez via recompra reversa

O Banco Central da China injetou nesta sexta-feira 10 bilhões de yuans (cerca de 1,5 bilhões de dólares) de recompra reversa, visando manter a liquidez do sistema bancário.

O mercado de pequenos artigos chineses é inaugurado em Dubai

O mercado de Yiwu, um centro de compras para pequenas mercadorias chinesas, foi inaugurado nesta quinta-feira em Dubai, oferecendo uma alternativa de mercado para compradores estrangeiros adquirirem produtos fabricados na China, informou Chinanews.com.

Últimas Notícias

Estados reduzem ICMS, mas dólar pode elevar combustíveis

Ao menos 11 governos anunciaram queda do imposto.

Fertilizantes e óleo reduzem superávit da balança comercial em junho

Governo reduz projeção para o ano: US$ 81,5 bilhões.

Sanções contra Rússia levam inflação na Europa para perto de 2 dígitos

Preços da energia subiram 42% em 1 ano.

Emprego cresce na Espanha após mudanças na reforma trabalhista

Números ainda são influenciados pela recuperação pós-pandemia.

Preço do cobre cai 25% desde o pico em 2022

Riscos de recessão aceleraram desvalorização do metal.