Uma bolada compulsória

O afastamento de Orlando Diniz do comando do Sesc/Senac do Rio de Janeiro levanta questões sobre a polpuda soma de dinheiro destinada...

O afastamento de Orlando Diniz do comando do Sesc/Senac do Rio de Janeiro levanta questões sobre a polpuda soma de dinheiro destinada às entidades do Sistema S. Em 2016 foram pouco mais de R$ 16 bilhões, sendo que quase R$ 1 bilhão foi repassado às confederações e federações a título de “administração superior” do serviço. Traduzindo, dinheiro pago às entidades sindicais patronais para administrar o sistema.

Porém, tanto Sesc/Senac quanto Sesi/Senai têm suas administrações próprias, e bem caras aliás. Os serviços padecem de uma herança que faz com que tenham uma administração privada, porém com características que os empresários adoram criticar no Estado: salários elevados, excesso de funcionários no topo da administração, muitos sem função definida, boa parte antigos integrantes dos diversos governos. Não é necessário concurso para ingressar no quadro.

A administração dessa montanha de dinheiro está longe da transparência que os empresários cobram do poder público. Para comparar, os quase R$ 16 bilhões obtidos pelo Sistema S através da contribuição compulsória sobre a folha de pagamento de todas as empresas brasileiras são 60% superiores ao orçamento de Belo Horizonte em 2016, que somou R$ 10,2 bilhões.

O Tribunal de Contas da União (TCU) é responsável por fiscalizar o uso do dinheiro. Mas as falhas descobertas dificilmente viram um processo. De acordo com o TCU, 83% das entidades do sistema S não têm uma unidade de auditoria interna, 78% não possuem conselho fiscal próprio, e apenas 51% passam por auditorias independentes. “Nenhuma entidade possui comitê de auditoria, o que traz fragilidades para o equilíbrio, a transparência e a integridade das informações financeiras publicadas”, diz o relatório.

O orçamento é engrossado através de receitas com venda de serviços e financeiras, o que deu mais uns R$ 6,9 bilhões. A bolada também é expressiva se comparada ao arrecadado pelo imposto sindical em 2016: R$ 3,5 bilhões, para entidades patronais e de trabalhadores. A Confederação Nacional do Comércio (CNC), dos empresários, a que mais recebeu, ficou com apenas R$ 28,8 milhões.

Não é à toa que as confederações patronais não se incomodaram com o fim da contribuição sindical, determinada pela reforma trabalhista. A CUT, entidade que mais arrecadou, ficou com R$ 59,8 milhões no ano passado. Como não receberá mais o imposto e não tem verba compulsória sobre a folha de pagamento, ficará dependendo da contribuição voluntária dos trabalhadores.

O senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO) tentou eliminar a obrigatoriedade das contribuições para o Sistema S, através de emenda ao projeto da reforma trabalhista; a proposta foi rejeitada. O senador tem um projeto de lei, já aprovado na CCJ do Senado que prevê a destinação de 30% dos recursos à Seguridade Social, que inclui aposentadorias públicas, saúde e assistência social. Com o lobby dos empresários e a oposição do Governo Temer, sem chances de ser aprovado nesta legislatura.

 

Disputa larga

A Câmara dos Deputados realiza audiência pública nesta terça-feira para debater o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) da Telefônica/Vivo. O presidente da Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint), Basílio Perez, levará a preocupação da entidade para a escolha das 105 cidades que receberão os investimentos em projetos de FTTH (fibra ótica para banda larga) dentro do escopo dos “compromissos adicionais” assumidos pela Telefônica.

Segundo a Abrint, 54% dos municípios já são atendidos por fibra. A Associação pede que os investimentos não sejam realizados nas cidades onde os provedores já atuam. Muitas têm mais de 100% de penetração da banda larga, como Conselheiro Lafayete (MG), Itapema (SC) e Jaguariúna (SP). Alguns municípios também têm um grande mercado competitivo, como Manaus (AM), que conta com 6 operadoras e 38 provedores, ou Palmas (TO), que possui 18 provedores e cinco operadoras.

 

Rápidas

Há 10 anos à frente da Ação Social Edmundo&Olga/Anjinho Feliz, Miriam Gomes realizará nesta quinta a tradicional Festa de Natal da ONG, na quadra da Estácio de Sá, com entrega de kits natalinos a 200 crianças *** O Trio Baião Lunar comanda o projeto Shows de Sexta do Caxias Shopping (RJ), dia 22, às 19h30 *** No sábado, o coral Doce Harmonia se apresenta no Passeio Shopping (RJ) com músicas natalinas, às 17h *** A Faculdade Arthur Sá Earp Neto (FMP/Fase), de Petrópolis, aderiu à Universidade Aberta da Terceira Idade.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Brics+ será gigante em alimentos e energia

Bloco ampliado desafia EUA rumo a nova ordem mundial.

Para combater Putin, adeus livre mercado

Teto para preço do petróleo é nova sanção desesperada do G7.

Inflação engorda lucros de bilionários de energia e alimentos

Fortunas dos ricaços desses 2 setores aumentaram US$ 1 bilhão a cada 2 dias desde 2020.

Últimas Notícias

Setor de energia é um dos alvos preferidos de hackers

Mais de 60% de todos os ataques foram de phishing; organizações criminosas de hackers são ameaça às infraestruturas críticas do Brasil.

Países árabes planejam expansão de energia limpa

Omã, Marrocos, Argélia e Kuwait estão entre os que têm planos mais ambiciosos.

‘Governo não apenas poderia, como deveria intervir na Petrobras’

Para especialista, Governo Federal deveria estar mais atuante para combater os preços abusivos dos combustíveis em toda a cadeia.

Exterior cauteloso pode prejudicar negócios locais

Índices futuros acionários em Nova Iorque operam em queda significante: temores relacionados a uma possível recessão nos EUA.

Marrocos quer se desenvolver como polo de tecnologia

Setor digital emprega 120 mil pessoas no país; país tem investido em acordos e memorandos para aumentar investimento na área.